Arquivo do blog

sábado, 10 de janeiro de 2009

Os oito remédios




No dia 30 de dezembro de 2008 chegou o resultado do exame para medir o CA 125 II. Antes da cirurgia, eu estava com mais de 130 U/mL. Após a cirurgia, caiu para 80 U/mL – ainda muito alto. Decidi fazer uma reforma completa nos meus hábitos, na minha vida, como já disse. O primeiro resultado dessa mudança chegou agora: 29 U/ml para o CA 125 II, cujo valor de referência é até 32 U/mL. Ainda está alto, mas dentro do valor máximo. Como fiquei feliz!

Tenho dúvidas, que vou expor ao médico na próxima consulta. Pergunto-me: isso significa que a endometriose está menos agressiva? Li em um artigo científico que mulheres com endometriose podem ter o CA 125 baixo. Ele não é um exame definitivo. É comum que esteja acima de 100 U/mL, em casos mais avançados. E, no meu caso, como deu muito alto e foi baixando gradativamente, creio que esse último valor indique que a endometriose, se não retrocedeu, ao menos não avançou. Ótima notícia, que confirmarei em fevereiro ou março quando devo fazer um novo exame de ultrassom.

Estou, de fato, me sentindo melhor. Não tenho dores, a barriga tem inchado menos, embora ainda apresente inchaço. Creio que o motivo para estar melhor foi minha decisão de mudança. Que mudança? Qual é o segredo? Pensei em repartir meu segredo quando, de fato, fizer o ultrassom e tiver a confirmação de que não houve avanço da endometriose. Mas o que tenho feito já está me ajudando tanto que desejo contar.

Após a cirurgia, adotei oito remédios. São eles: alimentação saudável, exercício físico, água, luz do sol, ar puro, descanso, eliminação de substâncias nocivas e confiança em Deus. Quero, aos poucos, falar sobre cada item, mas vou comentá-los minimamente agora. Resumindo: 1. Estou comendo frutas, legumes, castanhas, pão integral etc; 2. Tenho feito exercícios físicos ao ar livre, para respirar melhor e me expor mais ao sol, nos horários adequados; 3. Tenho dormido no mínimo oito horas por noite e descansado uma vez por semana, aos sábados; 4. Optei por não fumar, não beber álcool ou usar outros tipos de drogas. E o mais importante: tenho me aproximado de Deus e decidido ser feliz.

Após cinco meses da cirurgia, sinto-me melhor. Bem melhor.

PS.: Sobre esses oito remédios, li um livro editado em 1996, que deve ter edições mais recentes: Saúde – Novo Estilo de Vida (A melhor maneira de fortalecer o organismo e livrar-se das doenças), da autoria do médico Sang Lee, publicado pela editora Casa Publicadora Brasileira. É uma obra revolucionária, embora apresente soluções simples. Tem feito a diferença em minha vida. Esse livro faz parte de um projeto da revista Vida e Saúde, que é publicada desde a década de 1930 e muitos já a conhecem.

2 comentários:

  1. Olá de Portugal
    Descobri hoje o seu blogue. Descobri à pouco tempo que tenho endometriose.
    Sempre tive dores no período, achava que eram normais (preparação para o parto, sinceramente penso que as do parto não serão muito diferentes), mas tomava a pílula e isso atenuava os efeitos, até porque é essa também uma forma de evitar a expansão da doença e mantê-la controlada.
    Como estou a pensar ter filhos, segui as recomendações médicas, seis meses antes de tentar engravidar! O problema foi que sem a pílula as dores foram piorando, não só pelo período, bem como durante todo o mês, que estou cheia de cólicas e gases! (poderá também ser stress)

    Penso que não estarei num estado tão avançado porque já fiz uma análise aos ovários e útero.
    Mas de facto, ninguém me sabe dizer mais nada, e cá ando eu a gemer, a fazer o que empricamente acho que devo fazer, ginástica, boa alimentação (como é talvez pouco) e algumas coisas erradas (tenho de pesquisar mais) e ouvir mais opiniões de quem realmente sofre, porque os médicos, não é nada com eles, ou é só quando estamos num estado lamentável!
    Não sabia do sol, sei a sua importância, mas sou tão caseirinha... vou hoje mesmo para a praia às 17h30 e 20minutos pelo menos lá estarei.

    Vou pedir exames aos factores que recomenda e continuar a ler os seus depoimentos.

    Não sou muito stressada, tento ser sempre calma, mas de facto tenho a mania de querer tudo direito, não necessariamente perfeito. Fico alarmada é com a relação com doenças auto-imunes, a minha mãe tinha e morreu com lúpus sistémico eritematoso. Nunca se queixava de dores no período, mas tinha grandes corrimentos (eu não, período normal, apenas o "muco" nos dias posteriores é castanho). Tenho medo de engravidar e desta forma se manifestar a doença. Tenho medo de não conseguir engravidar, sempre foi um sonho ser mãe... tive uma mãe exemplar, como não podia quer ser mãe?

    E por último fé :)

    Obrigada. Serei a sua mais fiel leitora.
    As melhoras.

    Ângela

    ResponderExcluir
  2. Querida Ângela. Agradeço sua mensagem! Minha resposta está no blog (postagem do dia 13 de abril). Abraços!

    ResponderExcluir