Arquivo do blog

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Endometriose no New York Times

15 de junho de 2011

No site do jornal New York Times (NYT), há um caderno especial sobre a endometriose (Veja aqui). As informações incluem causas, sintomas, exames, tratamentos, prognóstico, possíveis complicações e prevenção. Não há espaço para tratamentos alternativos, mas o jornal apresenta em linhas gerais as principais informações sobre a doença.


Além desse guia da endometriose, o NYT publica, vez ou outra, notícias sobre essa temática, na seção Health. Um das mais antigas, é de 8 de março de 1988 (Veja aqui). Para comemorar o Dia Internacional da Mulher, o Caderno de Saúde decidiu abrir espaço para uma doença que aflige muitas delas. No título, um alerta: há ligação entre endometriose e deterioração dos ossos. Na corrente sanguínea da mulher com endometriose há maior concentração de uma substância chamada interleucina-1 que inibe o crescimento dos ossos. De acordo com o artigo, “as mulheres com endometriose também devem tomar medidas para evitar a osteoporose. Por exemplo, antes que atinjam a idade da menopausa, devem se exercitar regularmente e consumir quantidades adequadas de cálcio.” Minha alimentação é pobre em cálcio. Esse é um ponto que preciso corrigir.

A matéria publicada em 9 de julho de 2002 é bastante alarmista: a portadora de endometriose tem “um risco aumentado de desenvolver alergias graves, autoimunes e possivelmente o câncer [...]. Em vários estudos, mulheres com endometriose apresentaram um risco aumentado para o câncer, incluindo câncer de mama e ovário, melanoma e especialmente o linfoma não-Hodgkin”. Apesar da gravidade, a endometriose é subdiagnosticada. O artigo explica, com detalhes, os sintomas e descreve alguns tratamentos, entre eles, uma técnica com laser que alcança um índice de 82% de melhora. Há também um teste para ajudar a saber se uma mulher tem ou não endometriose. As perguntas são:

* Você tem dor pélvica? A dor pode ter um padrão mensal que piora durante o período menstrual, no meio do ciclo, ou ambos. A dor também pode ser constante.

* Você experimenta fadiga crônica, exaustão ou baixa de energia?

* Você tem diarreia, evacuações dolorosas ou outros desconfortos gastrointestinais durante a menstruação?

* Você tem inchaço do estômago e inchaço abdominal?

* Você tem ciclos menstruais irregulares ou abundante sangramento menstrual?

10 pontos para uma resposta "sim" à primeira pergunta e 5 pontos para cada resposta "sim" a outras questões. Se o total é de 10 pontos ou mais, você pode ter a doença.

Ler sobre correlações entre endometriose e doenças tão graves é muito difícil. Até que ponto o jornal não está sendo, de fato, alarmista? De qualquer forma, com a endometriose, desenvolvi também autoimunidade. É real. Mas ainda acredito que a informação, em vez de assustar simplesmente, pode salvar vidas. Seja por facilitar a identificação de sintomas; seja pelo estímulo à conscientização no que diz respeito ao estilo de vida: fazer exercícios, se alimentar melhor, buscar a felicidade ainda que façamos críticas justas aos discursos a la poliana. Sim, a felicidade é uma construção. Não é automática nem deve ser obrigatória. É uma opção que requer persistência, convicção, coragem e a certeza de que somos amadas, mesmo quando o amor está em falta ao derredor. A certeza de que é possível vencer. Esse é o desejo que tenho para mim e para cada leitora que encontra este blog.

Leia sobre a segurança, força e paz aqui.
Veja uma nova receita no blog Sabor com Saúde.

2 comentários:

  1. Sabe, adorei ter achado seu blog.
    Tenho endometriose em um nivel muito menor, mas sofri 2 anos até acertarem o diagnostico. No meu caso só o uso constante do anti-concepcional já resolveu boa parte do problema. Não sinto mais as dores e nem os desconfortos.
    Mas mês passado descobri outra doença: um tumor do tipo gist no estomago (eh um tipo raro e assintomático).
    Estou no aguardo da cirurgia, e entendo bem esse drama que vc descreveu dos resultados dos exames.
    Qualquer novo sintoma, qualquer resultado de um exame desestabilizam agente. realmente é preciso ter calma.
    A muito vendo tentando mudar meus hábitos, mas vejo que tenho muito a mudar, meu problema agora pode ter mais a ver com genética. Mas tenho certeza que se minha imunidade estivesse bem eu estaria melhor.
    Mas assim vamos seguindo, e só mesmo tendo muita fé para encarar esse dia a dia
    abs
    Anabelle B.

    ResponderExcluir
  2. Resposta do blog.

    Querida Anabelle:

    Que bom receber seu e-mail! Como você disse de maneira muito apropriada, as doenças têm muitas causas, como a genética, por exemplo. Mas, assim como você, eu acredito que independentemente da causa e da doença, nosso cuidado e atenção com o nosso organismo, resulta em força, em vitória, em um novo corpo e uma nova experiência que levaremos para a vida toda. Com a imunidade fortalecida, mesmo que a doença já tenha chegado, podemos vencer. Mudar os hábitos, buscar informações sobre uma vida saudável, é mais do que um carinho para o corpo. Nosso amor por nós mesmas expresso em uma nova atitude de cuidado resulta em um imunológico mais forte, que terá condições de realizar bons combates e vencer!!! Anabelle, além de exercícios físicos e alimentação correta, é muito importante também nutrir o corpo com fé “para encarar esse dia a dia”. A confiança em Cristo e a certeza de que ele está, sim, cuidando de você, vai comunicar imediatamente ao seu corpo uma força incomparável. A fé ativa não apenas emoções, mas nosso físico, nossas células, nossas defesas imunológicas. Confie tranquilamente nEle. Deus está ao seu lado e lhe dará calma e a certeza de que tem grandes planos para sua vida.Já pude sentir isso pelo seu comentário. Com sua experiência, você poderá ajudar muitas outras pessoas a encontrar a cura. Estarei orando por você.

    ResponderExcluir