Arquivo do blog

sábado, 2 de julho de 2011

Carne vermelha e endometriose

2 de julho de 2011

Assim como a gripe, a endometriose pode ser causada por um vírus? Essa pergunta pode parecer estranha, mas tem conduzido pesquisas internacionais sobre endometriose. Por exemplo, em 1977, cientistas investigaram a associação de um vírus e a endometriose em animais (Veja aqui). Um dos estudos mais recentes, conduzidos por pesquisadores dinamarqueses da Universidade de Aarhus, partiu da constatação de que há agentes infecciosos presentes na endometriose. Mas após investigar a prevalência do vírus HPV, da herpes e da família do poliomavírus concluíram que não há evidência suficiente de que vírus provoquem a endometriose (Veja aqui).

Então, as mulheres poderiam respirar aliviadas se não há riscos de “pegar” endometriose por meio de um vírus? Há tantas mulheres com endometriose que essa hipótese não foi descartada. A controvérsia continua. Por um lado, se é alarmante saber da possibilidade de se “pegar” endometriose; por outro, a comprovação de que há um vírus desencadeador da doença poderia levar à fabricação de vacinas para prevenção, ao desenvolvimento de um tratamento diferenciado para combater o tal vírus, a mudanças de hábitos eficientes para nos proteger da doença. Haveria uma transformação médica radical em relação à endometriose. Mas nada está comprovado. As pesquisas continuam.

Outros pesquisadores estão em busca dessa importante resposta. Para o Nobel em Medicina, o infectologista alemão Harald zur Hausen, o vírus é, sim, um inimigo perigoso que não deve ser subestimado - um possível desencadeador de doenças como câncer, por exemplo. Seu Nobel em 2008 veio com a comprovação da associação direta entre câncer cervical e vírus HPV. Para ele, “as infecções provocadas por vírus, bactérias e parasitas já respondem por 21% dos casos de câncer no mundo”.

Por que essa informação é importante? O que um vírus tem a ver com o título desse texto, com a carne vermelha, câncer ou endometriose? As pesquisas de Hansen podem explicar porque uma pessoa que nunca fumou e tem hábitos de vida razoavelmente saudáveis desenvolve um tipo letal de câncer de pulmão. Conheci duas pessoas que morreram dessa terrível doença sem nunca terem fumado ou convivido com fumantes. Para Hansen, há alguns vírus na carne vermelha, da família poliomavírus (sim, aqueles mesmos que foram associados com a endometriose pelos pesquisadores dinamarqueses), que seriam agentes causadores de câncer no pulmão em não fumantes, na mama, no intestino. Assim, o que causaria o câncer não seria apenas o modo de preparo da carne vermelha (frita, no churrasco etc), mas vírus que habitam no gado e não podem ser destruídos pelo calor do cozimento.

Como escrevi acima, não se sabe se a endometriose pode ou não estar relacionada com vírus. Mas a hipótese está sendo levada a sério por médicos em todo mundo. Também não há uma comprovação final de que poliomavírus, presente no gado, sejam um causador de câncer, embora Hansen acredite que há fortes evidências nesse sentido. O cientista premiado com o Nobel, recomenda: “reduzam o consumo de carne vermelha. Aliás, essa é uma recomendação que já vem sendo feita mesmo antes dessa relação.” A mesma recomendação é válida para enfrentar a endometriose.

Um médico italiano, da Universidade de Milão, Fabio Parazzini, chefiou uma pesquisa sobre a relação entre endometriose e a ingestão de carne vermelha (Veja aqui em reportagem publicada pela BBC Internacional). Os pesquisadores chegaram a seguinte conclusão, que deve nos servir de alerta: “As mulheres que tiveram a maior ingestão de carne (carne bovina, carne vermelha e de presunto) tiveram o risco aumentado para endometriose em 80 a 100%.” Um risco alto demais para compensar o hábito de comer carne vermelha e carne de porco. Para o médico, com uma alimentação correta, seria possível diminuir em 800 mil o número de mulheres com endometriose na Europa. Eu acredito nisso. Há algum tempo, não como mais carne.

Veja mais uma receita saudável no meu blog Sabor com Saúde.
Para fazer as mudanças necessárias, conte com um apoio importante:
Poder superior.






Uma entrevista com Harald zur Hausen foi publicada no jornal Folha de S. Paulo, no dia 28 de junho de 2011, no Caderno de Saúde. Para quem assina a FSP, o link é: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saude/sd2806201101.htm.

4 comentários:

  1. Interessante o seu artigo, pois tenho uma suspeita, de endometriose e notei que quando como mais carne vermelha,sinto dores insuportáveis, por isso parei de come-las e as dores quase desapareceram,esse texto só veio comprovar minhas suspeitas.Obrigada pelos textos, são muito esclarecedores.

    ResponderExcluir
  2. A carne provoca ou piora a inflamação, que pode desencadear a dor. A endometriose é caracterizada pela inflamação. Mas não comer carne envolve alguns riscos, que podem ser facilmente resolvidos. Por exemplo, a carne tem a vitamina B12. Quando me tornei vegetariana, o nível de B12 diminuiu bastante. Dizem que abaixo de 300 já é preocupante, embora os laboratórios indiquem o mínimo de 200 ou 180. Há morte de neurônios e pode ser muito perigoso para a saúde. Acima dos 50 anos de idade, mesmos as pessoas que comem carne, devem dosar essa vitamina. É simples: é só pedir ao médico um exame para dosar a vitamina B12. O plano de saúde cobre. Se tiver que pagar não é muito caro (pelo mesnos não era). Já que leite e ovos têm B12, talvez o melhor regime alimentar seja ovo-lacto-vegetariano. Desde que ovos e leites sejam de boa procedência (de preferência orgânicos). Para ter mais informações sobre esse assunto, sugiro os textos do médico nutrólogo Eric Slywitch.

    Outro risco é deixar a carne e comer muito carboidrato, queijo e açúcar. O resultado será mais inflamação e desnutrição. Por isso, é preciso aumentar o consumo de frutas, vegetais, legumes, nozes... diversificando o cardápio para conseguir obter os nutrientes necessários. Em situações onde não há opções de comida vegetariana adequada, acredito que o melhor é comer a carne moderadamente, optando pelas que são preparadas de forma mais saudável. Nessas situações, costumo comer peixe.

    Perceber como o corpo reage a determinados alimentos (ou tratamentos) - assim como você fez - é essencial. Obrigada por compartilhar sua experiência. Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Sei que existem casos que fogem as pesquisas talvez meu caso seja um, pois tive endometriose profunda no intestino e ovários, fiz a cirurgia e foi removido todos os focos de endometriose e dois anos depois descobri que a doença havia voltado no intestino, ovários e terminaçoes nervosas que vão para perna e sou vegetáriana, tenho uma alimentação a base de frutas, legumes, verduras e muita fibra e todos os médicos dizem que não posso ser submetida a mais nenhuma cirurgia pois seria muito ariscado.

    ResponderExcluir
  4. Olá,

    Seu comentário é muito importante. Quando me tornei vegetariana (não totalmente, pois ainda como peixe), a endometriose ainda crescia. Precisei mudar meu conceito de vegetarianismo e estilo de vida saudável para começar a ter resultados positivos em meu tratamento. Vou colocar seu comentário em destaque e escrever uma resposta até o final desta semana. Envie-me seu e-mail. Não vou publicá-lo. Não desanime, acredito que você pode superar a endometriose, sim. Um grande abraço,

    ResponderExcluir