Arquivo do blog

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Como superei a endometriose – Parte II


21 de setembro de 2011

Título antigo: Gramáticas da nossa vida ou Gramáticas da Endometriose

Obrigada mais uma vez pela partilha. Tenho seguido, sempre que possível muitos dos conselhos que tem sugerido, acredito contudo que, cada organismo é diferente e teremos de ser nós a encontrar o nosso equilíbrio. É preciso muita força de vontade para mudar e para que resulte tem de ser gradual porque, caso contrário é mais um motivo de stress :) É uma adaptação que acredito que demore meses, mas à medida que se introduz algo novo, um de cada vez, o sol, o exercício, um alimento novo, tudo se vai tornando mais fácil. Eu ainda estou numa fase inicial, não sei qual é o grau da endometriose e queria experimentar primeiro melhorar os resultados dos exames e evitar a laparoscopia. Apesar de ter já lido que a soja poderia ser prejudicial a quem tem endometriose, não liguei muito confesso, e continua a fazer parte da minha alimentação. Poderia dizer-me então o que sabe sobre a soja? A alimentação é o mais difícil, parece que tudo nos faz mal :) O que faço é evitar comer os mesmos alimentos muitas vezes seguidas, vario o mais possível e não eliminei nada, mesmo nos doces, tenho é o cuidado de comprar bolachas ou doces todos com baixo teor em açucares. E bebo muito chã. Quanto à fitoterapia também fiquei curiosa :) Fico muito feliz por saber que os seus resultados são cada vez melhores, espero um dia poder partilhar o mesmo.
Por Ângela em Um caminho, entre tantos em 14/09/11

Olá! Descobri seu blog há alguns meses e, apesar de trilhar esse mesmo caminho há 4 anos, tenho aprendido muito com sua experiência. Além disso, é com muita satisfação que aguardo seus novos posts. Sempre tem algo novo ou então, recheado de afeto, que me faz tão bem! Mas confesso, gostaria um pouco da sua força e então conseguir abdicar e mudar um pouquinho mais do meu estilo de vida. Já mudei muito! Deixei um dos meus trabalhos (trabalhava 12 horas diárias), melhorei minha alimentação, lazer, relação familiar, iniciei análise, no entanto, sei que há muito ainda a mudar. Exercícios e Alimentação é um item muito difícil pra mim. Amo doces! E, exercício, embora goste e me sinta muito bem quando realizo, não consigo incluir como rotina diária, e longe de chegar nas 3 vezes semanais. Invejo (no bom sentido) que você tenha conseguido mudar e gostaria muito que, se pudesse, dividisse seus sentimentos em relação a isso, já que pra mim está sendo tão difícil conseguir realmente abrir mão Veja mais... do tempo que desprendo pro exercício e do prazer que o doce traz... Bem, divido isso com você talvez como um eco, para que saiba que suas palavras são “ouvidas” com muito carinho e dão força para pelo menos tentar... Um grande abraço e até seu novo post... Boa sorte para nós e boa noite!
Por Anônimo em Um caminho, entre tantos em 12/09/11

Primeiro, quero agradecê-las muito por escrever e compartilhar comigo a experiência de vocês. Isso significa muito pra mim. Mais forças, mais informação, mais reflexões sobre experiências de superação. Como você disse, Ângela, não há uma receita de saúde geral que seja inteiramente adequada para todas as mulheres. Há caminhos. Seu comentário destaca a importância de olhar para nós mesmas e perceber como o organismo reage a determinados alimentos, principalmente. Por exemplo, um dos médicos que me orientou quanto à alimentação (com dicas preciosas), sugeriu que eu usasse cacau ou chocolate amargo. Como já havia tirado o chocolate, repensei o assunto e comecei a usar cacau em pó, sem açúcar. No início não me adaptei muito ao sabor. Mas como se tratava de uma recomendação médica, insisti. Em pouco tempo, estava “viciada” no cacau com frutas. Sentia vontade de comer durante o dia, além de usá-lo na primeira refeição. Resultado: aumentei bastante o consumo. Ao mesmo tempo, comecei a sentir um pouco de dor. Nada comparável em intensidade à dor insuportável da endometriose que eu já tinha sentido. Mas era a mesma dor, embora bem menos intensa. Comentei com meu marido e achamos que pudesse ser o cacau que eu já estava consumindo em excesso. Parei de usá-lo. A dor sumiu. Pode até ser que se eu usasse em menor quantidade, o cacau não atuaria como um desencadeador de inflamação (com o aumento da inflamação, a dor surge). Mas no meu caso, achei melhor tirar de vez.

Como você disse, é muito importante variar o máximo o cardápio. A orientação médica que recebi é que cada refeição deve ter pouca variedade de alimentos, porque resultará em uma melhor digestão. No entanto, diariamente devem ser utilizados novos alimentos, outras frutas, legumes e grãos, com o aumento de variedade no decorrer dos dias, para que o organismo seja suprido com os nutrientes necessários. Tendo a variedade como um princípio, estou me alimentando muito melhor. Incluindo muitos sabores, descobrindo receitas, redescobrindo o prazer de comer. Ao restringir o açúcar e gorduras, ampliei o leque de escolhas, de experimentações saudáveis, com o consumo de variedade de frutas, legumes e grãos. Esses dias, encontrei um excelente
blog em inglês de uma mulher que tem endometriose e fez mudanças na alimentação (http://hoghugs.com). É muito interessante, pois ela já obteve resultados positivos. A endometriose também diminuiu. No post Surgery for Endometriosis Actually Makes Your Case Worse, ela fala sobre a substituição das cirurgias por uma mudança na alimentação. Desde que mudei meu estilo de vida, não precisei de nenhuma cirurgia também. Quanto ao blog, há dicas importantíssimas, embora eu pessoalmente não tenha feito as mudanças exatamente iguais as apontadas ali. Por exemplo, não uso soja, pois tem efeito estrogênico (Ângela, vou reunir o material que tenho e quero escrever um post sobre esse assunto).

A indústria alimentícia nos condiciona a uma receita única, baseada no doce e na gordura. Com essa receita única, empobrecida, são desenvolvidos uma infinidade de produtos com rótulos multicor. Embora a embalagem seja atraente, a receita é quase sempre a mesma: açúcar ou sódio em excesso, gorduras e componentes químicos com sabores artificiais. Nos supermercados, há aparentemente uma variedade imensa de alimentos. Mas é apenas uma receita repetitiva embalada de maneira atrativa e diferenciada. Consequentemente, ao rejeitarmos a “receita única”, acabamos rejeitando quase tudo que está disponível. A indústria investe na diversificação da publicidade, com novas cores e formas, de alimentos que atraem pelo olhar e aprisionam o paladar aos aditivos químicos. É muito do mesmo. A inflexibilidade do caminho único. Uma mistura intensa de imagens diversificadas para vender a mesma essência – a essência viciante que agrada o paladar e destrói a saúde. Não fomos nós que radicalizamos. É a indústria que radicalizou, que escolheu investir toda a sua criatividade nas embalagens que oferecem alimentos que não alimentam – pseudoalimentos. Calorias vazias que levam as pessoas a comer muito, mas a se nutrir pouco. Resultado: uma multidão de desnutridos com a ilusão de que tem uma variedade imensa de alimentos à disposição. A indústria farmacêutica agradece. Quando penso nisso, lembro-me da gramática da vida – a resposta antigramatical de Fernando Pessoa ao mundo:

A gramática, definindo o uso, faz divisões legítimas e falsas. Divide, por exemplo, os verbos em transitivos e intransitivos; porém, o homem de saber dizer tem muitas vezes que converter um verbo transitivo em intransitivo para fotografar o que sente, e não para, como o comum dos animais homens, o ver às escuras. Se quiser dizer que existo, direi “Sou”. Se quiser dizer que existo como alma separada, direi “Sou eu”. Mas se quiser dizer que existo como entidade que a si mesma se dirige e forma, que exerce junto de si mesma a função divina de se criar, como hei de empregar o verbo “ser” senão convertendo-o subitamente em transitivo? E então, triunfalmente, antigramaticalmente supremo, direi “Sou-me”. Livro do Desassossego (p.114).

Quando mudei a alimentação, o que perdi? Uma receita única, apenas. Mas coincidentemente, era quase o supermercado inteiro. O que restou? A mais incrível variedade de alimentos, de sabores, de experimentações com a multiplicação das essências – as essências que agradam o paladar e nos tornam fortes. Tenho buscado trocar a receita única pelo universo gastronômico das experimentações que renovam o corpo, que comunicam saúde. Com a descoberta de novos sabores, surgem novos caminhos. Volto a ter o poder de escolha. A vida cotidiana se torna uma vida de pesquisa avançada. Onde encontrar os melhores alimentos e os sabores que nutrem? Não abro mão do sabor. Procuro estratégias de sobrevivência: 1. O setor de hortfruti do supermercado (Mesmo que não seja orgânico, é sempre melhor comer frutas e legumes com agrotóxicos, do que não comê-los); 2. Seleção de produtos industrializados mais saudáveis; 3. A ida à feira; 4. Lojas e restaurantes orgânicos e vegetarianos; 5. Pequenas empresas que vendem alimentos caseiros e integrais (Essa parte tem sido ótima. Eu e meu marido fazemos viagens gastronômicas. Já fomos a uma confeitaria com comida orgânica que fica numa fazenda incrível! São momentos de muita afetividade também, onde encontramos pessoas que compartilham do mesmo ideal); 6. Busca de novas receitas. Estou aprendendo a cozinhar; 7. Almoço e lanches com amigos que também estão em busca de um novo cardápio... Aliás, eu recebi um e-mail nesta semana me falando de um site que está disponibilizando gratuitamente e-book com receitas saudáveis. Não fiz o meu pedido, mas parece bem interessante. Veja aqui
. 8. Informação e orientação. É preciso tomar cuidado ao fazer a mudança. O ideal é procurar orientação médica com consultas e leituras. Não adianta, por exemplo, se tornar um "vegetariano" que come massa, doces e queijos. Melhor seria se comesse carne vermelha, arroz e feijão. Além disso, nem sempre é possível comer a refeição mais saudável. Então, é melhor comer o que há de mais nutritivo dentro do que é possível.

Ângela, estou fazendo um tratamento fitoterápico com acompanhamento médico. Vamos avaliar se os resultados vão se manter e se há efeitos tóxicos. Farei exames para avaliar possíveis efeitos colaterais. Também acredito que uma planta não é a resposta mágica para endometriose. Os resultados positivos fazem parte de toda uma mudança de vida. Provavelmente, se eu não tivesse feito essas mudanças, a abordagem fitoterápica não teria efeitos positivos importantes. Quando eu tiver a certeza, a partir de exames médicos, de que esse tratamento fitoterápico tem dado resultados sem efeitos colaterais, vou compartilhar minha experiência.

Como vocês disseram, é preciso mesmo exercer a força de vontade. Mas não dá para encontrar essa força numa lista com regras, numa autoexigência pesada de mudança pessoal, com um esquema de cobrança e estresse. Isso não faz bem. É algo diferente que tem acontecido comigo. É algo muito bom. Que me traz tanta alegria, tantos novos sabores e interações. Sei que a palavra amplia a vida, mas pode restringi-la também. Ao eu falar de listas, pode parecer que se trata de uma restrição. Mas o que vivo é uma ampliação saborosa, com resultados emocionantes. É mais do que a ausência da dor, com um regime austero. É a substituição gradativa (como você destacou Ângela) de uma vida antes condicionada pelo doce artificial. Li um livro que me ajudou muito, “Conselhos sobre Regime Alimentar”, de Ellen G. White. Além de dicas práticas sobre estilo de vida, o livro parte de duas premissas centrais: 1. A nossa saúde significa a saúde das pessoas que amamos; 2. Porque somos amados, cuidamos de nossa saúde. Esses dias, minha sogra ligou pra mim e me disse palavras muito carinhosas. Falou que tem aprendido muito. Só para ilustrar com uma experiência simples: quando há uma ameaça de gripe, fazemos uso de um
mix natural para fortalecer o imunológico: limão, alho, gengibre... Funciona rápido e beneficia todo o organismo. Minha sogra está ajudando financeiramente uma família com duas crianças pequenas. Eles estavam gripados e ela os ensinou a usar o “mix”. Se recuperaram rapidamente. Quando encontramos a resposta para o nosso organismo, encontramos também a resposta para quem amamos. É uma multiplicação. Isso é motivador. Mas tem a ver não apenas com alimentação, mas com estilo de vida. Diminuir o trabalho, refletir sobre nossa vida, fazer exercícios como foi muito bem colocado no segundo comentário. Quando leio sobre uma experiência assim, fico mais motivada. Você fez grandes mudanças!!! Obrigada por compartilhar a experiência!

“A vitalidade recupera e anima”, escreveu Fernando Pessoa no Livro do Desassossego (p.270). A mudança é um desassossego, atitude antigramatical que exige luta e insistência, mas que nos recupera, nos abre o olhar para novas sensações, nos reanima e tem o poder de fazer o mesmo pelos outros. Como Fernando Pessoa disse, desafiadoramente, “sou-me” – mas a partir de quem e para que propósito? Mudar é reler a vida e escrever algo tão diferente daquilo que o mundo oferece. Tudo isso tem a ver com a razão de nossa existência. Juntas, estamos a reescrever uma nova gramática sobre a superação da endometriose.

Saiba mais sobre: A Fonte da Vitalidade



Minha receita contra a endometriose, em linhas gerais: Um caminho, entre tantos

27 comentários:

  1. Eu resolvi apostar na acupuntura a alguns anos. Primeiro fiz com uma terapeuta que fez o curso de acupuntura aqui no Brasil mesmo. Tive alguns resultados positivos, mas dps de alguns meses as dores voltaram. Uma amiga me indicou uma chinesa, formada em medicina chinesa. Ela verificou meu pulso, língua, olhos e disse: "sangue ácido". Tentei explicar a ela como se explica a uma criança que eu tinha endometriose. Ela não entendia muito bem o português mas não se interessou em saber o que era endometriose. Decifrei no meio de suas frases sem preposições as palavras "útelo" e "adelências". A primeira recomendação dela: "não comer açúcar". Dps de tantos médicos, analgésicos, cirurgias, sem cura, resolvi dar uma chance a minha intuição. Confiei nela, e tenho melhorado cada vez mais. Fiquei de Janeiro a Julho sem dores. Isso mesmo, nada, nadinha de dores. Em Julho viajei e interrompi o tratamento por 2 meses, as dores infelizmente voltaram. Mas retomei o tratamento e na segunda semana eu já estava mto melhor. Não entendo pq, nem como, mas tem funcionado comigo. Me sinto bem sem precisar de nenhum medicamento. Além da acupuntura tento administrar minha alimentação, diminuir stress, fazer atividades físicas. E vc, tem experiência com a acupuntura? Além de diminuir quase por completo as dores, meu ciclo se tornou regular e o fluxo normal. No final de cada sessão eu digo a ela "obrigada" e ela me responde com um sorriso: "Deus ajuda!"
    Daniella

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo depoimento, Daniela! Fiquei curiosa em saber quem é essa chinesa...em que cidade ela atende? Poderia compartilhar o nome dela? Agradeço!

      Excluir
  2. bom dia! por favor, se puder indique o nome da confeitaria na fazenda que você conheceu...é em SP? adoraria conhecer lugares diferentes com propósitos saudáveis...abraços...

    ResponderExcluir
  3. Olá, Daniella. Que experiência bonita. Como é bom saber que você superou as dores, sem remédios. Também não utilizo remédios. Que recomendação importante sobre o açúcar. Sabedoria oriental. Fico feliz em saber também de seu cuidado com a alimentação, combate ao stress, exercícios físicos. Serve de estímulo para todos que têm o privilégio de ler sua história. Há muita delicadeza na sua experiência e no seu texto. Eu não tenho experiência com a acupuntura. Porém, as mudanças que tenho feito estão baseadas também na filosofia oriental. Particularmente, três livros têm me ajudado muito: “Conselhos sobre Saúde”, “Conselhos sobre o Regime Alimentar” e “Ciência do Bom Viver”, de uma escritora norte-americana chamada Ellen G. White. Já no século 19, ela falava sobre a importância dos exercícios, do ar puro, do Sol, da confiança em Deus. E alertava para os riscos de uma alimentação incorreta e hábitos até então aceitos pelos próprios médicos, como o cigarro, por exemplo. Impressionante. Esses livros têm como base a filosofia oriental de base hebraica ou judaica, aliada aos ensinamentos de Cristo. A partir dessa concepção, compreende-se que o ser humano é a junção do corpo e do espírito. É uma visão integral, holística. A mente afeta o corpo, e vice-versa. Nessa interação, nossa fé tem um papel central. Muitas filosofias orientais fazem separação entre a alma e o corpo. Nossa medicina ocidental também. Esse olhar judaico-cristã unifica e nos dirige Àquele que conhece o funcionamento do nosso organismo e tem o poder curativo: Cristo. A partir dessa concepção, surgem orientações práticas que preservam e recuperam a saúde. Na Bíblia, por exemplo, há várias passagens sobre alimentação, estilo de vida, saúde. Muito interessante. É como você disse, ao mencionar a resposta com um sorriso: “Deus ajuda.” Obrigada pelas lindas palavras.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada por escrever. Tenho muitos endereços. Às vezes, são lugares que visito apenas uma vez, nas férias. Mas a cada viagem, não perdemos a oportunidade de conhecer esses lugares diferenciados. Para conhecer a lista de restaurantes e lanchonetes orgânicas e vegetarianas, sugiro estes links: http://www.portalorganico.com.br/Paginas/Restaurantes/
    http://www.planetaorganico.com.br/rest.htm
    http://www.vegetarianos.com.br/restaurantes/index.html
    Há fazendas com produção orgânica. Botucatu tem uma padaria biodinâmica num bairro rural, chamado Demétria (http://www.bairrodemetria.com.br/). É tudo muito delicioso. Mas o risco é exagerar nos doces e massas só porque são orgânicos ou biodinâmicos (rs). Mas há pães sem açúcar também. Há laticínios, verduras e legumes orgânicos. No bairro, tem pousada, pizzaria orgânica. É lugar muito bonito. Em Serra Negra, tem uma fazenda com produção orgânica: Nata da Serra (http://www.natadaserra.com.br/consultoria.htm). Já tomei o iogurte de lá. É delicioso. Você pode agendar uma visita.
    Em Teresópolis, tem a Fazenda Vale das Palmeiras: http://www.fazendavaledaspalmeiras.com.br/index.php/a-fazenda/
    É um projeto incrível, conduzido pelo ator Marcos Palmeira.
    Em São Carlos, tem um projeto muito interessante também: http://www.organicossaocarlos.com.br/sobre-nos.php
    Em Natal, no Nordeste, há um restaurante com comida saudável, interessante: http://www.youtube.com/watch?v=OwS5ITegjWg Servem peixe. Dá para conciliar férias na praia com comida saudável.
    No Rio de Janeiro, tem o Pão do Bento: http://www.moinhoquintal.com.br/

    Há muitos lugares interessantes. Nas clínicas naturais que já citei (ver textos: Clínicas de saúde http://endometrioma.blogspot.com/2011/04/clinicas-de-saude.html), você pode agendar um almoço também.

    Mas há um detalhe: nesses lugares todos, o preço é alto. Por isso, às vezes, é mais interessante, nos unir a amigas e desenvolver uma gastronomia caseira e saudável. O desafio é o tempo, mas pode ser bem interessante também.

    Desejo a você, tudo de bom.

    ResponderExcluir
  5. olá. Descobri ontem que tenho endometriose. Faltam menos de 20 dias para meu casamento no civil. Meu ginecologista me encaminhou a um coloproctologista pois estou com uma sugestão de foco no intestino. Tudo é muito novo e deseperador para mim. Contei mais ou menos para meu noivo. Tentei dar um ar menos pesado a doença, não falei da cirurgia que talvez vou ter que fazer. Estou abalada e pensando em adiar ou até cancelar meu casamento. Logo agora, numa época tão complicada. Como é final do ano, a agenda dos médicos estão cheias. Não consigo agendar consulta para rápido. É também a época que meu trabalho mais requer de mim. Estou confusa, triste e com muito medo. Acabei de descobri seu blog e queria muito estar na sua situação, de já ter descoberto essa doença a mais tempo e de estar sabendo lidar com ela agora. Desculpe o desabafo.

    ResponderExcluir
  6. Olá, querida amiga:

    Recebi o diagnóstico de endometriose quatro anos após ter me casado. Seu momento de descoberta está sendo junto de um dos acontecimentos mais felizes e importantes da vida – seu casamento. Apesar de saber o que a endometriose significa, também quero lhe dizer: não tenha medo. Mesmo que você tenha endometriose no intestino ou grau IV (a mais intensa, que é o meu caso), saiba que essa doença é benigna e pode ser vencida. Quando descobri a endometriose, eu tive que fazer uma cirurgia de urgência por causa do tamanho do endometrioma no ovário (15 cm). Mas na maioria das vezes não é preciso fazer cirurgias radicais. Você tem um foco grande de endometriose? O médico recomendou urgência? Se não, você pode dar continuidade ao tratamento com mais calma. Levei mais tempo para me recuperar, pois estava em busca do caminho, de um tratamento eficaz. Mas quando fiz as mudanças, os resultados apareceram rapidamente. Nosso organismo é incrível. O corpo tem uma grande capacidade de recuperação. Você também vai se recuperar! Vai superar tudo! Estou muito bem e meu casamento segue firme, em meio a muitas felicidades. Toda experiência que tivemos com a endometriose e, sobretudo, com a busca por uma vida mais saudável, fortaleceu nosso casamento, aumentou nosso amor. Minha saúde melhorou muito. Por estar ao meu lado, meu marido passou a se cuidar melhor e a olhar a vida de outra forma. Podemos dizer: somos mais felizes agora do que antes. Nosso relacionamento se fortaleceu. “Algumas bênçãos chegam de maneira inesperada, em meio a provações”, diz meu marido. Coincidentemente, li hoje uma história linda, publicada na revista Marie Claire. Em meio a uma situação desesperadora, uma moça de 28 anos tomou uma decisão importante junto da pessoa a quem mais ama. Não deixe de ler essa história. Este é o link: http://revistamarieclaire.globo.com/Revista/Common/0,,EMI279859-17582,00-DECIDI+CASAR+DEPOIS+DE+RECEBER+UMA+SENTENCA+DE+MORTE+DOS+MEDICOS.html
    Leia também os comentários. Um leitor escreveu: “[...] Espero que muitas pessoas leiam esta matéria e que possam ver que problemas todos nós temos, mas o tamanho e a gravidade sempre mudam. Que Deus abençoe e ilumine este casal.” Também espero que muitas pessoas leiam essa história e renovem a força, a esperança, a vontade de viver, o amor, mesmo em meio às notícias que assustam. Converse com seu noivo. Fale que há um caminho de superação da endometriose pela frente. Talvez vocês tenham dificuldades para ter filhos. Mas tenha certeza de várias coisas: 1. Essa doença tem tratamento e pode ser superada; 2. Esse tratamento pode renovar a nossa vida e torná-la melhor; 3. Muitas mulheres têm endometriose e se tornam mães. Uma amiga que é chefe de departamento de pesquisa em uma universidade federal me contou que teve endometriose. Fez o tratamento e engravidou. Um filho se formou recentemente. O outro acabou de entrar na universidade. E ela continua linda, bem-sucedida e casada. Eles superaram juntos a endometriose. Essa será a sua história!!

    Com muito carinho.

    PS.: Estarei pensando em você, orando por você. Se tiver qualquer dúvida não deixe de escrever. Se quiser ajuda para encontrar um médico, mande seu e-mail (não vou publicá-lo). Podemos trocar e-mails e procurar um médico juntas. Tudo dará certo.

    ResponderExcluir
  7. Suas palavras foram as mais carinhosas que recebi nos ultimos tempos, e também as mais importantes, pois vêem de uma pessoa que conhece essa doença. Eu estava me sentindo como a única pessoa que tem endometriose no mundo. Não conhecia ninguém que tem essa doença. Agora conheço você. Muito obrigada pela força. O foco no meu intestino mede 13mm. Não sei se isso é considerado grande. Consegui marcar um médico para Janeiro. Vou aguardar até lá. Mas se vc puder me sugerir alguns nomes, ia ser muito bom. Depois vou passar meu email para você. A princípio resolvi adiar o casamento para maio do proximo ano. Expliquei para meu noivo que não tenho condições de pensar nisso agora. Li e reli sua resposta diversas vezes. E vou ler mais algumas até acreditar que endometriose não é uma sentença de morte! Não digo da morte física, mas da morte de alguns sonhos. Parabéns por ter encontrado uma pessoa tão companheira como o seu marido.

    ResponderExcluir
  8. Olá, querida amiga:

    Peço desculpas pela demora em responder. Viajei a trabalho. Mas estou feliz em estar em casa e voltar ao blog para ler as mensagens e trocar nossas experiências. O foco no meu intestino é de 18mm (no sigmóide. O médico me disse que nesse local o risco de obstrução é praticamente nulo). Meu foco não invade a mucosa. Isso é uma boa notícia. E seu foco é menor do que o meu. Portanto, penso que é um foco superficial. Tem que cuidar, mas você vai superá-lo!

    Fico feliz por você ter conversado com seu noivo. Conversar é sempre o melhor caminho. Meu marido é um ano e meio mais novo que eu. Digo isso para dizer que foi tudo muito assustador pra ele. Ele não tinha uma história de vida que o preparasse para os desafios de saúde. Mas juntos, com encontros e desencontros, confiantes e com falhas, temos encontrado o caminho. É uma construção, um aprendizado que exige da minha parte e da parte dele muita paciência, nenhuma idealização (às vezes, eu erro; às vezes, ele erra. Mas é preciso esperar, perdoar. Conversar é essencial. Sempre fiz minhas colocações, coloquei meus medos. Nem sempre, ele entendeu; nem sempre, eu o entendi. Mas fomos construindo esse entendimento, essa amizade). Sou apaixonada por ele, nos admiramos muito, mas tivemos que lidar com a endometriose. E como disse, saímos mais fortalecidos dessa luta.

    Por ter ótimos resultados com meu tratamento (mudança de estilo de vida), tenho a sensação de ter vencido a luta, pois venci a dor, o avanço dos focos. Mas como meu tratamento depende de uma mudança de estilo de vida que inclui desde a alimentação, exercícios físicos até o emocional e os hábitos de trabalho, sei que a vigilância é constante.

    O fato de termos procurado mudanças prazerosas (apesar de exigir a força de vontade), repercute nos resultados. É preciso tornar nosso tratamento algo que resignifique a vida, que traga alegria, realização pessoal, satisfação, novas sensações, sabores... assim, não será um atestado de morte. Será sempre um tratamento, uma superação, uma alegria – um atestado de vida, com todas as suas alegrias, desafios, aventuras. Com todo seu amor. Tem sido assim comigo. Será assim com você!

    Saiba que este blog está aberto para seus medos, tristezas e alegrias. Suas dúvidas e superações. Posso demorar um pouco para escrever por causa das atividades de trabalho (ou viagens). Mas tenho acompanhado esse espaço como parte de minha vida, pois tenho recebido muita força com as palavras que recebo. Obrigada por escrever! Tudo dará certo! Carinho,

    ResponderExcluir
  9. Tive diagnóstico de endometriose entestinal,pelvica e ovariana,há 4 meses,depois de tentar provar para os médicos que meu problema era esse,durante 5anos seguidos,foi na net em foruns e blogs como esse que descobri só oque realmente tinha,procurei médicos fora do meu convenio até que encontrei um que entedia do assunto,comprovei com exames especificos,não fiz cirugia pois o convenio ainda queria tentar que seus médicos sem experiencia no assunto fizessem,mas diante da negação deles,resolverm que vão pagar,mas estou com muitas dúvidas,fui em outro que quer que eu tome o Zoladex primeiro pra ver se resolve,mas tenho problemas com medicamentos,sou alérgica a vários,meu ureter está desviado,tenho medo de perder os rins,meu intesino está fechando,e meu xixi quase não sai,outro médico quer que eu retire tudo(útero ovários e trompas e colo do útero e parte do intestino)já outro quer que que eu tome serazeti,mas não tenho idade para começar a tomar o anti-concepcional e tenho cistos no ceio e sou pré diabética,o médico que descobriu a doença disse que opera por video(,mas sou obesa) e não sei essa cirurgia pode ser feita em obesos,então tenho muitas dúvidas e não sei em quem confiar,vou tentar os exercicios(vai ser díficil pois tenho henia na vírilha)e na alimentação,se alguem puder ajudar a orientar agradeço.

    ResponderExcluir
  10. Olá, respondi seu comentário no texto "Respostas aos Comentários" (http://endometrioma.blogspot.com.br/2012/05/respostas-aos-comentarios.html).
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  11. Olá! Meu nome é Márcia e sou portadora de endometriose profunda. Tenho 44 anos. Retirei o útero em maio de 2010 e após a cirurgia tive sangramento durante 21 dias. Operei com uma médica ginecologista. Que arrependimento!!! Tive várias complicações. Após ressonância magnética, descobri que tenho endometriose profunda. Meu intestino está comprometido, como consta também na colonoscopia que fiz, parte do reto, bexiga e etc. Fiz tratamento com a vacina zoladex 3.6 durante 6 meses e confesso que a dor sumiu. Tenho muito gases, estou inchada (estou pesando 90 quilos), tenho uma barriga enorme (vive inchada) e o transtorno do humor. Mudo com muita facilidade. Faço uso contínuo do anticoncepcional cerazette a mais de 10 anos e continuo usando mesmo após a cirurgia, pois permaneci com meus ovários. O médico que me acompanha não quer me operar. Procurei opinião de outros e permanecem com a mesma ideia. Vou levar meu diagnóstico para médicos cirurgiões avaliarem. Graças a Deus estou viva e superando dia a dia esse problema. Estou disposta a mudar minha alimentação e praticar esporte (depois que meu pé fraturado melhorar). Não desistam!!! Vocês não são as únicas. Deus tem um plano na vida de cada um. Abraços!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por escrever! Seu comentário está no texto Respostas aos Comentários – II (http://www.endometrioma.blogspot.com.br/2012/07/respostas-aos-comentarios-ii.html).
      Abraços.

      Excluir
  12. Ola meu nome é Carolina sou portadora de Endometriose desde os 17 anos e estou com 33 anos hoje, sou solteira e nunca tive filhos. Ja realizei duas Laparoscopia e uma Laparotomia sendo esta ultima em Março de 2012, desde entao que sofrimento tenho passado, segundo os médicos graças a Deus nao precisei retirar parte do meu intestino ou ele todo, como estava previsto, pois informaram que nao havia mais endometriose, porém desde entao as dores pioraram a minha barriga esta enorme, engordei 10 Kilos pois entrei em uma depressao muito forte chegando a tomar varios anti depressivos por dia.
    Hoje faço acompanhamento com uma Psiquiatra semanalmente, e abandonei o tratamento da Ginecologia da UNICAMP e cheguei a ouvir de um medico do proprio hospital que eu teria que conviver com estas dores para o resto da vida pois nao ha mais o que fazer no meu caso, quando escutei isso minha vista escureceu, pois ainda tinha esperança de ficar bem e ter qualidade de vida, quero estar bem para sair, trabalhar, fazer o que gosto, ultimamente só fico em casa, pois tenho passado muito mal, por varias vezes estou perdendo o sentido e desamio de dor, antes a dor era só no periodo em que menstruava, hoje nao, ela é com muita frequencia, sou de Campinas e estou perto de grandes medicos, mas confesso que nao tenho mais vontade de procura-los, estou decepcionada depois de anos sofrendo, anos de dores, remedios, exames, e nada, sei que o psicologico é importante mas enfim que bom que encontrei este Blog e que Deus nos ajude, e aquelas que estao bem agora gloria a Deus por isso,e sei que o importante é estarmos vivas diante de tantas pessoas que passsam coisas muito piores. mas enfim é o meu desabafo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carolina:
      Desculpe-me não ter respondido antes. Fiquei sem acesso à internet. Fiquei muito tocada pela sua história, seu sofrimento, suas lutas. Sei o que é isso. Eu estava sem força alguma. Com dores insuportáveis, sem condições de prosseguir, com endometriose profunda. Mas agora tudo mudou. Minha vida está de volta. Tenho forças, a endometriose diminuiu muito. Não tenho mais dores. Por isso, posso lhe dizer: não perca a esperança, não permita que sua visão escureça. Sei que as dores tiram nosso ânimo, mas você pode vencê-las e ter sua vida de volta. Qual seu e-mail? Envie-me neste espaço de comentários. Não vou publicá-lo. Minha amiga, fique com Deus. Ele está cuidando de você. Com muito carinho.

      Excluir
    2. Boa noite

      Meu nome é Mevelin e desde junho de 2014 sofro com dores pélvicas todos os dias em minha cidade não tem especialista em endometriose Campina Grande PB e estou sofrendo muito estou na segunda caixa do allurene e fui a um médico especialista em João Pessoa PB que pediu uma ressonância e uma ultrasonografia com preparo porém só tem vaga para realizar esses exames em junho. Enquanto isso para suportar as dores tomo diversos analgésicos e calmantes para suportar pois tenho que trabalhar. Acho que os médicos esqueceram o significado de urgência e emergência pois umser humano sentir dores todos os dias e ter que esperar meses para realizar um exame. No demais admiro muito vc pelo seu empenho e motivação que também gostaria de ter mais o que mais me angustia é a espera por um tratamento em que acabe com essas dores. Não sei o grau da minha endometriose nem que órgãos ela possa estar presente só peço a Deus misericórdia e que me fortaleça para vencer essa doença. Abraços!!!!

      Excluir
    3. Oi, querida Mevelin:

      Mesmo com pronto-atendimento, com plano de saúde e acesso a especialistas em endometriose, não encontrei a solução para minha dor. É muito importante ter um diagnóstico, mas o tratamento oferecido não resolve. O tratamento com drogas hormonais apenas piora a situação, predispondo à mulher a outras doenças (osteoporose, câncer etc.).

      Tive dores terríveis, mesmo me consultando com um médico pesquisador de referência que sempre me atendia prontamente... Essa situação só mudou quando mudei meu estilo de vida. Nunca mais tive dores, a endometriose diminuiu, engravidei... As dores que eu tinha me levavam a quase desmaiar... Minha endometriose é grau 4.

      Procure o diagnóstico, mas acima de tudo busque uma mudança de estilo de vida, com toda dedicação, sem abrir exceções (Veja aqui um resumo do que fiz: http://endometrioma.blogspot.com.br/2014/01/meu-tratamento-contra-endometriose.html).

      Siga firme, pois Deus deseja sim fortalecê-la a cada instante nesta luta gigantesca. Ele está ao seu lado. Ore a Ele. A oração me fortaleceu, deu convicção, me dirigiu...

      com muito carinho!

      Excluir
  13. ah amiga, desculpe os vários comentários. Meu endometrioma tem 4,5 cm. Meu ovário estava pesando 53cm cúbicos. Isso em janeiro deste ano. Fico amigando o quanto estava pesando o seu com o endometrioma de 15cm...muito grande! O Bom é que o ovário direito está limpo e a ressonância não apontou endometriomas na trompa direita, só na esquerda e no ovário esquerdo. Fiquei muito triste, chorei muito, e só encontro pessoas que teve endometriose com o final triste, infértil e sim filhos, mas observei também que todos os casos negativos que tomei conhecimento eram de pessoas que só seguiram o que os médicos diziam: tomavam pílulas, injeções e hormônios,mas não procurava a medicina de Deus, nem tratamentos alternativos, tão pouco mudaram seus estilos de vida. Por isso, não me comparo com esses casos. Eu tomo Gestionol 28 a noite e durante o dia tomo a babosa da forever, porque não achei ela in natura. Só tomo o remédio porque infelizmente no ano passado fiz uma cirurgia para retirar um mioma e meu médico teve que costurar uma parte do colo do útero e assim ele colocou um DIU para evitar que passagem se feche no decorrer da cicatrização. Se estou com um diu, não faz sentido menstruar porque não vou engravidar. Mas assim que ele tirar o DIU, isso será em dezembro, eu suspendo a pílula e vou rumo aos treinos. Seu blog é uma benção divina! parabéns!
    Isis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Isis:

      Eu tinha um endometrioma de 6 cm, que diminuiu para 2 cm, após mudança de estilo de vida. Também fiquei grávida naturalmente. Pelo blog, já recebi cinco e-mails de mulheres que engravidaram naturalmente. Veja nesse link: http://endometrioma.blogspot.com.br/2014/05/ela-esta-gravida.html
      Acabo de receber mais um e-mail. É possível. É real. Não desanime. Persista, apesar dos muitos desafios. Deus está com você.

      Sobre a babosa, não deixe de procurar a planta. Tente fazer o composto.

      Obrigada pelas palavras de incentivo, de carinho!!!

      Carinho,

      Excluir
  14. Agradeço por publicar artigos tão interessantes. Descobri há quase um ano que tenho endometriose por passar por uma cirurgia de apêndice. Tenho sentido dores horríveis, já procurei médicos e já iniciei um tratamento com anticoncepcional. Vou introduzir na minha vida a utilização do alho e outros alimentos que podem ajudar a diminuir as dores abdominais e no intestino. Suas palavras são uma força e conforto pra quem sofre desse mal. Mais uma vez muito obrigada. Um grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Obrigada por escrever, pelas palavras. As dores da endometriose são horríveis, mas não perca as esperanças. Eu venci as dores e tenho uma vida normal. Muitas mulheres estão me escrevendo e dizendo que estão superando os sintomas, entre eles a dor. Veja aqui um resumo mais atualizado de meu novo estilo de vida: http://endometrioma.blogspot.com.br/2014/01/meu-tratamento-contra-endometriose.html

      Desejo muita força, muito sucesso em seu tratamento. Carinho,

      Excluir
  15. Que blog abençoado!!! Estava procurando depoimentos de força, fé e determinação...que alegria em encontrar! Me chamo Adriana e moro no interior do Espírito Santo. Minha região é precária quando o assunto é saúde, nenhum especialista em endometriose. Recebi o diagnóstico no início deste ano e meu casamento previsto para o mês de junho, mas adiamos, pois com tantas dores, como ter força e disposição para organizar tantos detalhes ? Impossível!!! Estou desde fevereiro fazendo tratamento com Allurene, receitado pela ginecologista. Medicamento caro e só consigo tomar, porque meus pais e irmãos me ajudam e temos uma humilde condição financeira, piorou quando o ano passado tive outros problemas de saúde e tive que pedir demissão na empresa em que trabalhava. Enfrentei um processo de transtorno de ansiedade, associado à sindrome do pânico, sem falar de outros problemas, mas Deus e minha família sempre estiveram comigo, cuidando de mim. Mas apesar do amor deles, do meu noivo, muitas vezes não consigo fazer coisas simples, como arrumar a casa, ir à casa de uma pessoa querida, à igreja. Pois além das dores da endometriose, ainda sinto as reações do Allurene. Tem dia que não tenho ânimo nem para me levantar da cama, humor alterado, nem namoro mais com meu noivo, para lhe ser sincera. E as vezes penso: É "Normal" isso? Tudo mudou dentro de mim e no meu corpo, com essa doença. As vezes penso até em terminar meu relacionamento, apesar do meu noivo demonstrar paciência, mas até quando? Se nem eu tenho mais paciência comigo mesma, com as dores...Tenho que passar por uma avaliação cirúrgica ( Tenho endometrioma nos dois ovários), mas pelo SUS todo o processo é muito lento, é um descaso, para ser realista. Tenho me esforçado e buscado forças em Deus para superar e vencer o enigma que é a endometriose. Estou emocionada e sensível hoje, até chorei, mas me sentir bem ao ler sua história. Ficarei feliz se puder responder ao meu desabafo...Parabéns mulher guerreira!!! Grande Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida Adriana:

      Obrigada por escrever. Desculpe-me a demora em responder. De modo geral, o atendimento médico está mesmo precário, mesmo quando se tem acesso a bons planos de saúde ou condições de pagar por consultas e tratamentos particulares. Moro no Estado de São Paulo, tenho dois planos de saúde, paguei consultas com especialistas... Mas foi bem difícil conseguir um bom diagnóstico.

      Eu não utilizei qualquer medicamento hormonal. Decidi mudar meu estilo de vida, como conto, resumidamente, neste texto: http://endometrioma.blogspot.com.br/2014/01/meu-tratamento-contra-endometriose.html

      Assim como você, também pedi demissão de todos os meus empregos. Precisava me tratar, me recuperar. Isso teve um impacto em nosso orçamento. Mas hoje vejo que foi a melhor decisão que tomei! Fico feliz por saber que você tem apoio de sua família!

      Eu também deixava de fazer muitas coisas devido às dores, ao cansaço. A endometriose, muitas vezes, debilita o corpo, esgota as energias. Não se sinta culpada por isso. Procure descansar, aceitar que agora você precisa realmente diminuir o ritmo de suas atividades para poder se recuperar. À medida que fizer as mudanças em seu estilo de vida, você vai sentir as forças voltando. Vai se sentir, a cada dia, melhor. Hoje, minha saúde está normal! Meu marido teve que ter muita paciência também. Mas acredite é possível sim voltar a ter uma vida normal. Que bom que você tem seu noivo ao seu lado. Aceite esse amor.

      Assim como você, tive endometriose nos dois ovários (endometrioma). No ovário direito, o endometrioma chegou a ter quase 15 cm. O ovário foi retirado. No ovário esquerdo, eu tinha um endometrioma de 6 cm. Após minha mudança de estilo de vida, ele diminuiu para 2 cm. Engravidei naturalmente.

      Não desista. Procure fazer as mudanças. Acredite que é possível. Deus me ajudou a superar esse “enigma” que é a endometriose. Você descreveu muito bem. Sei que para fazer as mudanças é preciso ter forças. Como ter forças antes de fazer as mudanças? Esse enigma, eu acredito, só Deus pode resolver. Ore. Peça a Ele que lhe dê forças necessárias para mudar seus hábitos, alimentação, atividades físicas. A oração nos coloca diante do Médico dos médicos. Além de nos conhecer, Ele nos ama. Ele a ama.

      Obrigada pelas palavras de carinho!! Você é uma guerreira também. Enfrenta tantas dores e, mesmo assim, mantém viva a fé.

      Adriana, Deus está ao seu lado e lhe dará forças para vencer. Carinho,

      Excluir
  16. Olá, não sei o nível da minha endometriose. Em janeiro tirei dois endometriomas do meu ovário direito. Tomei remédio por dois meses, depois parei, com a finalidade de engravidar. Tenho uma rotina muito estressante como professora do município e do Estado. Há três semanas, comecei a ter um sangramento. Pelo nervosismo, não consegui fazer a trans, mas nas outras não deu nada. O médico que me examinou disse que a endometriose pode ter um novo foco. Nem sei o que pensar nem o que fazer...como descobrir este novo foco?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Obrigada por escrever!

      Cirurgias e remédios não resolvem a endometriose. O uso das drogas hormonais, na verdade, piora a situação de saúde da mulher. Esses são recursos paliativos. Por vezes, caros. Penso que o uso dos remédios indicados contribuem para que a doença, de fato, torne-se crônica. Com a ênfase do tratamento médico atual, cria-se múltiplas dependências (financeira, física, emocional), sem resolver o problema.

      Um médico me disse que retirar focos de endometriose é semelhante a cortar grama. A volta dos focos é certa, se não há mudança de estilo de vida. Precisamos combater as causas. Diagnósticos são importantes, cirurgias às vezes são necessárias (eu precisei passar pela primeira cirurgia. O endometrioma já estava com 15 cm!), remédios jamais deveriam ser utilizados (não resolvem e intensificam os sintomas).

      Alimentação natural, atividade física constante e dirigida, exposição ao sol, água pura, ar puro (na medida do possível), respiração correta, postura corporal correta (para favorecer a oxigenação dos órgãos internos)... Um novo estilo de vida é o único caminho possível de superação. Veja aqui minha experiência: http://endometrioma.blogspot.com.br/2014/01/meu-tratamento-contra-endometriose.html

      Eu estou me mudando para um sítio para poder cultivar meu alimento, ter água de qualidade, um estilo de vida mais natural... No mês passado, completou oito anos após o diagnóstico de endometriose. Aos poucos, fui mudando minha vida até readquirir a saúde e finalmente ter meu filho. Agora, estamos indo para um sítio, pois reconhecemos que a cura veio desse processo de valorização dos recursos da natureza, de uma alimentação natural, do contato com Deus. A natureza revela a glória de Deus e anuncia as obras grandiosas de Suas Mãos. Meu bem-estar vem dEle. Ele curou o incurável. E essa cura persiste enquanto eu estou disposta a viver uma nova vida.

      O que fazer se não é possível mudar muitos aspectos da vida? Há oito anos seria impensável todas as mudanças que fizemos. Eu também atuava como professora numa rotina bem estressante. Mas fui tomando pequenas decisões até que se tornasse possível fazer novas escolhas.

      A oração me ajudou a encontrar um novo caminho. Orar nos dá um inconformismo importante para mudar o que tem ser mudado, para descobrir meios de fazer o melhor possível dentro da realidade em que estamos, caso não se deva romper com ela totalmente.

      Agora vou para um sítio de 30 mil metros. Mas quando eu constatei com exames que a endometriose havia diminuído significativamente, eu morava numa casa em um terreno de 100 metros, incrustada na cidade, com seu trânsito e poluição. Mas foi lá que eu mudei meu estilo de vida. Foi naquele bairro que eu caminhava bem de manhã e à noite, sem paisagem, em meio a carros, em meio à chuva. Foi lá que eu renasci e aprendi novos caminhos.

      Dentro da realidade em que estamos, podemos fazer muito por nós. O diagnóstico dos focos é importante, mas o diagnóstico da vida que estamos levando é indispensável.

      Desejo muito sucesso em seu tratamento, muita força e a certeza de que é possível sim vencer essa doença.

      Um abraço, com carinho,

      Excluir
  17. Sobre a soja eu tenho algo pra contar.Antes de eu descobrir que tinha endometriose há alguns anos eu deixei de comer carne.Fui na primeira alternativa que as pessoas geralmente recorrem quando deixam de comer carne.Aprendi a fazer tofu pq moro em cidade pequena r nao achava para comprar.Depois de um mês apareceu um caroço no seio direito.Fui ao gineco que me tratou super mal sai do consultório me sentindo louca.Ele dizia que não tinha nada!Mas eu carrego eles comigo sabia que tinha um caroço.E mais um mês e saiu outro caroço no esquerdo.Sabendo que não podia contar com médico (nunca dou sorte)Comecei a pensar no que eu poderia fazer.Li um texto sobre a soja e depois pesquisei mais.Tirei a soja da alimentação e os caroços sumiram.Contando assim nao da pra imaginar que quase pirei achando que sei la estava com câncer nas mamas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OIá, Nana D. Obrigada por escrever. Vou responder aos outros comentários que vc fez. Desculpe-me a demora. Um abraço!

      Excluir