Arquivo do blog

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Como superei a endometriose – Parte I


9 de setembro de 2011

Título antigo: Um caminho, entre tantos

Neste post, motivada por um comentário importante, decidi colocar em tópicos gerais o que tenho feito para superar a endometriose. Há alguns anos, tive a última dor dilacerante, resultado da inflamação provocada pela endometriose. À época, estava muito magra. Perdia peso rapidamente, sem saber que a endometriose desencadeava, em mim, a autoimunidade. Estava visivelmente abatida. Enfraquecida pela doença. A queda de cabelo, outro sintoma de doença autoimune, era acentuada. Me sentia bastante debilitada. Em meio à dor, aos desafios no trabalho, às coisas que se somam para abater, meu médico, um importante especialista em endometriose, reconhecido internacionalmente, disse: você terá que passar por uma operação no intestino. Para justificar a retirada de um segmento do intestino, ele falou sobre os riscos de malignização. Além do valor altíssimo (à época, 30 mil), que talvez fosse reembolsado pelo plano de saúde, eu simplesmente não queria seguir por esse caminho. Não queria tomar uma decisão motivada pela dor. Naquele momento, decidi mudar minha vida radicalmente. A cirurgia era um procedimento invasivo. O custo me parecia alto demais diante do prometido: o controle incerto da endometriose naquela alça intestinal, apenas. E todo o resto? Eu desejava algo mais do que um corte abrupto e localizado. Precisava refazer minha saúde por inteiro, fortalecer o organismo como um todo para, quem sabe, controlar a endometriose e todas as suas implicações. Superar essa doença misteriosa. Essa fonte de dor para as mulheres e de lucros para a medicina.

Hoje, passado poucos anos, apesar de ter a endometriose profunda, com acometimento do ovário e do intestino, além de outros pequenos focos, o último exame apontou, pela primeira vez, que os focos estão diminuindo. Não tenho dor e a endometriose diminuiu significativamente. O fator anti-nuclear, indicador de doença autoimune, também diminuiu! O índice de vitamina D subiu. Foram resultados surpreendentes a partir de mudanças gradativas. É um processo que inicia, mas não termina. Sempre há algo para aprender, acrescentar, para dar sabor sem agredir a saúde. Para redescobrir o prazer com atividades e cardápios novos, sem tornar a vida dura. É preciso mudar, mas com felicidade.

Até aqui, tentei evitar fazer uma lista, enumerar tópicos, listar receitas. Um texto assim, de quase regras ditadas, pode soar radical, impossível, insípido, inflexível porque a palavra isolada retira a cor. Pode parecer distante, porque os relatos não trazem imagens. É um texto. Não é a minha vida. Faltam os detalhes difíceis de compartilhar sem o olhar que nos aproxima, sem a cumplicidade dos conhecidos, sem as preces conjuntas. Porque eu sou uma anônima dizendo: deu certo e tem sido incrível. A vida ressurgiu com nova paleta de experiências e descobertas. O que segue é um traço que desejo compartilhar.

Cada mudança apontada a seguir foi feita a partir de consultas médicas, recomendações de pesquisadores e acesso a pesquisas médicas e científicas. A partir de interações diversas. Quando disse ao médico que não iria operar, mas que mudaria meu estilo de vida, ele disse: “Ninguém muda.” Outro médico, mais ligado à renovação integral da saúde, me disse: “Se você mudar, a endometriose vai se estabilizar, a inflamação vai diminuir. Sua imunidade vai melhorar. Portanto, é possível que a endometriose diminua.” Sim, diminuiu, mesmo com minhas falhas. E não apenas a endometriose regrediu, mas todo meu organismo ganhou nova vitalidade. Neste post, apenas coloquei resumos da mudança que a cada dia continuo fazendo. Um relato pessoal de uma realidade em que há persistência e fé; às vezes, desistências e desânimo; numerosas vezes, recomeços e adaptações dentro do que é possível fazer diante dos desafios do dia a dia, de um mundo regido por outro paradigma.

Exercícios físicos – Esse é um dos tópicos mais importantes. O exercício físico diminui o estrógeno no corpo e ajuda a regular a química corporal. É um dos melhores remédios. Procuro levantar bem cedo e caminhar com meu marido de 30 a 45 minutos. Não corremos, mas andamos de forma mais vigorosa em aclives e declives, que ajudam a desenvolver a capacidade cardiorrespiratória. No final do dia, fazemos mais uma caminhada no mesmo percurso. Procuramos caminhar, de manhã e à tarde, todos os dias. Mas não sendo possível, tentamos manter esse ritmo, pelo menos, três vezes por semana. Além disso, durante o trabalho, levanto sempre que possível e faço rápidas caminhadas e uma pequena sessão de alongamentos.

Alimentação – 1. Açúcar – Não como mais açúcar branco. Eventualmente, uso açúcar mascavo na casa de amigos. Uso um pouco de mel. Troquei os doces pelas frutas. Também é possível fazer receitas doces, mas sem açúcar. Aprendi a fazer receitas muito saborosas sem açúcar, sem adoçantes. A culinária saudável pode ser, simplesmente, deliciosa. E doce. 2. Massas – Diminuí a quantidade de massas. A massa (glúten, carboidratos) se transforma em açúcar no organismo. Além disso, se consumida em excesso, pode tomar o lugar de alimentos essenciais para o organismo, como frutas, legumes, verduras e alimentos proteicos. No almoço, utilizo arroz integral, lentilha (excelente), feijões, refogados de legumes, saladas etc. Refeições deliciosas com muito mais nutrientes. Macarrão e tortas, que sempre fizeram parte do meu cardápio principal, eu tenho utilizado um pouco menos. 3. Industrializados – Enlatados, conservantes, estabilizantes, corantes, temperos prontos, embutidos são muito prejudiciais. Na medida do possível, prefiro comida caseira. Continuo usando pão no café da manhã. Mas é um pão integral caseiro. 4. Fast food – Quando vou a uma lanchonete, procuro escolher aquelas que permitem “refazer” o cardápio. Por exemplo: peço lanche com palmito, rúcula, tomate seco, ovo, sem maionese ou carne; ou pizza de brócolis, berinjela, tomate seco e palmito. 5. Queijos – Para quem cresceu em Minas, perto de um laticínio incrível, essa parte exigiu mais criatividade. Não como mais queijo mozarela ou queijos gordurosos, de sabor acentuado. Utilizo ricota orgânica, coalhada. Às vezes, uso queijo branco. Redescobri tantos sabores que, sinceramente, não sinto mais falta do queijo. Uso pouco laticínios. 6. Nada de frituras. 7. Não uso soja – Quero escrever sobre os motivos que me fizeram deixar de usar soja. Soja é um risco para quem tem endometriose. 8. Não uso suplementos alimentares. 9. Vitamina B12 – Como me tornei ovolactovegetariana (às vezes, como peixe), é muito importante fazer exames para avaliar a quantidade de vitamina. Pessoas que usam metformina, são vegetarianas, fazem uso do álcool ou têm mais de 60 anos devem pedir esse exame ao menos uma vez por ano (basta pedir pelo “exame de vitamina B12”). A carência dessa vitamina é muito prejudicial e representa um grave perigo para a saúde. 10. Refeições – Faço três refeições diárias, com intervalos de cinco a seis horas. Procuro mastigar bem, comer devagar, com tranquilidade. Como muito bem no café da manhã e um pouco menos no almoço. A última refeição é mais leve. Ás vezes, não como nada à noite. Não como nada entre as refeições. 11. Variedades e muito sabor – Tenho tentado me pautar mais pelo que incluo no meu cardápio do que pelo que retiro. Assim, descobri uma variedade de sabores e temperos: aspargos (ótimo para a saúde da mulher), cogumelos de várias espécies, alho poró, cebola e alho (sem fritá-los no óleo quando uso para temperar a comida), feijões, castanhas, frutas variadas, legumes, curry, gengibre, abacate e melão (ótimos para a saúde da mulher), jiló, ovos orgânicos, quinoa, gergelim, tahine, hortelã, coco, banana verde (excelente!), manjericão, ervilha torta, quiabo, atemoia (meu leite condensado natural!), triguilho, água de coco, panquecas de castanha-do-pará com recheio de palmito, pão de “queijo” com mandioquinha, assado de milho com ervas, quibes com azeitonas e azeite, pastel de forno com recheio doce de maçã ou salgado, com tomate seco, limão (um antídoto incrível contra gripe. Melhor do que qualquer vacina!!), cuscuz vegetariano, bolo de milho, chia etc. Minha comida tem sal e doce, mas de maneira saudável. Não abro mão dos temperos e do sabor.

Fitoterapia
– Faço uso da fitoterapia. Depois quero escrever mais sobre o assunto.

Sol – Essencial. Precisamos ter mais do que 30 ng/ml de vitamina D. A melhor fonte é o sol. Procuro tomar "banho de sol" todos os dias, pelo menos 20 minutos no corpo todo exposto. Como o protetor solar pode impedir a absorção da vitamina, me exponho ao Sol no horário indicado, antes das 9h e depois das 16h. Quando não é possível, sobra sábado e domingo, ou os intervalos do trabalho...

Água – Tomo água 30 minutos antes das refeições e 2h depois, para não prejudicar a digestão e absorção de nutrientes. Bebo dois copos de água logo quando levanto. Ajuda muito no funcionamento do intestino. Apesar de ter endometriose intestinal, o intestino funciona diariamente, devido à água e a todas as outras mudanças. Não bebo nada durante as refeições. Não bebo refrigerantes. Evito suco de fruta industrializado, com exceção do suco de uva.

Respiração correta – Há uma importância enorme em respirar adequada e profundamente. Para isso, é necessário ter uma postura correta, manter as costas retas, não usar roupas extremamente apertadas. Para quem trabalha em frente ao computador, sentada quase o dia inteiro, é importante não “se dobrar em cima” do trabalho. Procuro corrigir minha postura e respirar mais profundamente. Isso ajuda muito na saúde. O objetivo é oxigenar os órgãos abdominais. É tão importante quanto à alimentação.

Drogas, álcool, cigarro e cafeína (estimulantes) – Não uso. Não usaria nem mesmo com moderação.

Descanso – Durmo, em média, 8 horas. Em geral, durmo cedo, às 21h. Também reservo um dia na semana - o sábado - para me dedicar a outras atividades não ligadas ao meu trabalho.

Interação – O blog me ajuda muito a seguir esse caminho. Escrever me faz bem. Nos comentários que recebo, há palavras que me transmitem ânimo e carinho. Também tenho amigos que compartilham desse mesmo ideal. São jovens que desejam mudar, e estão mudando, o estilo de vida. Alguns, apenas para fortalecer a saúde. Outros, mesmo jovens, porque já tiveram câncer. Há familiares mais velhos que têm diabetes. Entre eles, minha sogra, que se tornou uma expert em cozinha vegetariana. Motivado a me ajudar, meu marido também mudou seu estilo de vida. Enquanto parei de emagrecer, ganhei peso e agora estou visivelmente saudável; meu marido, que estava um pouco acima do peso, emagreceu. Isso porque as mudanças que fizemos não são parte de um regime de engorda ou de emagrecimento, mas de um novo modo de viver que conduz ao reequilíbrio natural do organismo, seja lá qual for o desafio. Esse intercâmbio, essa troca de experiência, resultados e receitas, demonstra que é possível seguir por esse caminho. Aprendemos uns com os outros que mesmo o organismo mais debilitado pode se recuperar de forma impressionante.

Confiança – É difícil resumir esse tópico, porque trata do assunto mais importante. Como encontrar o caminho? Onde encontrar forças para trilhar por ele, para fazer as mudanças, para crer?

Leia sobre a A Fonte de Cura.

33 comentários:

  1. Olá!
    Descobri seu blog há alguns meses e, apesar de trilhar esse mesmo caminho há 4 anos, tenho aprendido muito com sua experiência.
    Além disso, é com muita satisfação que aguardo seus novos posts. Sempre tem algo novo ou então, recheado de afeto, que me faz tão bem!

    Mas confesso, gostaria um pouco da sua força e então conseguir abdicar e mudar um pouquinho mais do meu estilo de vida.
    Já mudei muito! Deixei um dos meus trabalhos (trabalhava 12 horas diárias), melhorei minha alimentação, lazer, relação familiar, iniciei análise, no entanto, sei que há muito ainda a mudar.
    Exercícios e Alimentação é um item muito difícil pra mim. Amo doces! E, exercício, embora goste e me sinta muito bem quando realizo, não consigo incluir como rotina diária, e longe de chegar nas 3 vezes semanais. Invejo (no bom sentido) que você tenha conseguido mudar e gostaria muito que, se pudesse, dividisse seus sentimentos em relação a isso, já que pra mim está sendo tão difícil conseguir realmente abrir mão do tempo que desprendo pro exercício e do prazer que o doce traz...

    Bem, divido isso com você talvez como um eco, para que saiba que suas palavras são “ouvidas” com muito carinho e dão força para pelo menos tentar...

    Um grande abraço e até seu novo post...
    Boa sorte para nós e boa noite!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada mais uma vez pela partilha.
    Tenho seguido, sempre que possível muitos dos conselhos que tem sugerido, acredito contudo que, cada organismo é diferente e teremos de ser nós a encontrar o nosso equilíbrio.
    É preciso muita força de vontade para mudar e para que resulte tem de ser gradual porque, caso contrário é mais um motivo de stress :)
    É uma adaptação que acredito que demore meses, mas à medida que se introduz algo novo, um de cada vez, o sol, o exercício, um alimento novo, tudo se vai tornando mais fácil.
    Eu ainda estou numa fase inicial, não sei qual é o grau da endometriose e queria experimentar primeiro melhorar os resultados dos exames e evitar a laparoscopia.
    Apesar de ter já lido que a soja poderia ser prejudicial a quem tem endometriose, não liguei muito confesso, e continua a fazer parte da minha alimentação. Poderia dizer-me então o que sabe sobre a soja?
    A alimentação é o mais difícil, parece que tudo nos faz mal :)
    O que faço é evitar comer os mesmos alimentos muitas vezes seguidas, vario o mais possível e não eliminei nada, mesmo nos doces, tenho é o cuidado de comprar bolachas ou doces todos com baixo teor em açucares. E bebo muito chã.
    Quanto à fitoterapia também fiquei curiosa :)

    Fico muito feliz por saber que os seus resultados são cada vez melhores, espero um dia poder partilhar o mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Queridas amigas! Agradeço muito o comentário de vocês. Desejo muita força, muito sucesso nessa luta. Fiz um texto a partir do que vocês escreveram: "A gramática da nossa vida" (21 de setembro de 2011). O que vocês disseram traz muitas contribuições para outras leitoras. Obrigada. Carinho.

    ResponderExcluir
  4. Desejo que esteja tudo bem com sua irmã. E com vc tb!!!

    ResponderExcluir
  5. Obrigada. Minha irmã não está muito bem. Mas ficará bem.

    ResponderExcluir
  6. Olá...
    Eu só tenho que agradecer a Deus por ter chegado a esse blog... eu tenho endometriose profunda, descrobri à dois anos e já passei por duas laparoscopia... Ando muito desanimada, pois tem um ano que fiz a última e estou voltando a sentir dores...
    Depois que li suas sugestões fiquei mais animada, eu sei que não conseguimos mudar do dia pra noite, mas estou fazendo o possível para mudar meu estilo de vida e mudar principalmente minha alimentação... Me faz muito bem ler suas matérias...
    Muito obrigada!!!!!
    Vanessa

    ResponderExcluir
  7. Olá, Vanessa, que bom receber seu comentário! Acredite com todas as forças nesse caminho. A mudança no estilo de vida pode, sim, reverter a endometriose. Acima de tudo, ore a Deus para que lhe mostre a vontade dEle em sua vida. Independentemente da fé de cada um, a mudança no estilo de vida reverte doenças. Mas a oração é uma fonte de poder para exercer a força de vontade. Orar a Deus, como se fala com um amigo nos dá forças para vencer. Ele está conduzindo sua vida. Carinho.

    ResponderExcluir
  8. Amei o seu texto e embora ainda nao tenha optado por uma dieta sem carnes, o meu consumo de doce diminui bastante, o consumo de produtos integrais já fazem parte da minha rotina há mais de 2 anos, já pratico caminhada desde o inicio do ano. Sim, já notei a diferença em todo o meu metabolismo. Mas quero mais.. Quero assim como você, conhecer outros sabores, outros temperos.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Thais:

    Que mensagem linda! Você escreve muito bem. Obrigada por escrever. Fico muito feliz por saber que você está melhor. Está sentindo em seu corpo o efeito incrível da mudança de estilo de vida. Muitos remédios para endometriose provocam efeitos colaterais fortes, como depressão, por exemplo. Mas a mudança de estilo de vida nos traz leveza, alegria, felicidade, uma nova vida!!! Assim como você, eu também quero mais. Escreva sempre. Se precisar de algo, não deixe de me escrever. Admiro muito sua experiência e sua força de vontade, sua forma delicada de ver a vida. Não deixe de escrever, minha amiga.

    Com carinho,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi,
      Hoje posso dizer que é possível sim seguir esse maravilhoso caminho do vever saudável... e é muito gratificante, pois, hoje, ao fazer os exames para avaliar minha endometriose, o médico simplesmente constatou que eu não tenho mais nada, nem endometriose e nem ovários policísticos! Faz aproximadamente dois anos que comecei a mudar meu estilo de vida. Meu marido também começou junto comigo. Podemos dizer que é maravilhoso, parece realmente impossível para quem vê de fora, mas quando nos propomos a mudar e melhorar, tudo muda, até o paladar fica mais apurado (nunca as frutas foram tão gostosas como agora).
      Gostei muito de encontrar seu blog, suas mensagens e textos são maravilhosos e você escreve muito bem!

      Excluir
    2. Olá, Jeniffer:

      Obrigada por enviar sua mensagem! Coloquei seu comentário em destaque no blog (http://endometrioma.blogspot.com.br/2013/01/jeniffer.html), pois é maravilhoso saber de sua experiência.

      Abraços,

      Excluir
  10. Olá, me identifiquei muito com o seu caso descobri minha endometriose há um pouco mais de 3 anos, fiz uma videolaparoscopia e deu como endometriose profunda. Sempre sonhei em ser mãe e nunca jamais imaginei ter essa doença e mais ainda que além de tê-la, que meu marido também teria insuficiência de espema. Gostei muito da mudança no estilo de vida, já estava querendo seguir por um tratamento natural e encontrar seu blog foi a confirmação! Que Deus continue a inspirá-la. Para meditação nossa: "...bem aventurado os que não viram e creram!" João 20:29b bjs de uma irmã em Cristo! A paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, amiga:

      Que lindo verso. Há tantas coisas que eu olhava e não via. Meus olhos se abrem lentamente, e tem sido um caminho de muito aprendizado e alegria. Você leu o texto que a Jeniffer mandou? (http://endometrioma.blogspot.com.br/2013/01/livre-da-endometriose-cura-de-jeniffer.html?showComment=1359665997602). Fiquei muito feliz com suas palavras, sua delicadeza, sua espiritualidade. Desejo-lhe forças e a condução de Deus em seus planos, sua família e seu tratamento. "Porque para Deus não haverá impossíveis em todas as Suas promessas"
      Lucas 1: 37.

      Desejo-lhe a paz também.

      Excluir
  11. Parabéns pela mudança, cada dia que se passa é realmente uma vitória, porque a luta é contra o nosso próprio eu. Também estou nessa jornada e sei o quanto é difícil, mas os resultados satisfatórios são visíveis a curto prazo.
    Beijos e muita força.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, nosso organismo tem uma lei de funcionamento. Quando aprendemos sobre o que nos faz bem, a vida se transforma. Mas há uma luta grande luta, pois nossos hábitos, nosso paladar estão condicionados pelos sabores artificiais, por ingredientes que nos viciam. O caminho natural pode ser muito prazeroso, como tem sido. Há tantos novos sabores, novas sensações, tanta alegria em ver que o exame prova que a endometriose diminuiu, que o corpo está forte... Como vc disse, os resultados são satisfatórios. É real. Desejo sucesso em seu tratamento. Quando puder, escreva mais sobre sua jornada de saúde. Será ótimo ouvi-la.

      Excluir
  12. Olá, me chamo Bianca, achei maravilhoso o que escreveu, mas sou uma mulher cercada de pessoas e sozinha , entregue a meus problemas, sou casada á 4 anos, tenho pais vivos e doentes , mãe com alzaimer e pai com problemas da idade. Irmãos com suas vidas sem tempo. Mas com Deus sempre comigo minha companhia.
    Me sinto em um melo drama, mudança radical na minha vida. Sei que preciso disso, tenho endometriose profunda , ainda investigando.
    Diversos probelmas pessoas , que talvez dinheiro ajudaria a resolver boa parte deles .
    Acomeçar por uma terapia, academia, terminar meus estudo , meu marido com doenças serias da obesidade emagrecer e diversos outros probelmas.
    Quero e preciso pensar em mim e ver seu texto me ajudou a ver uma luz no fim do túnel são 04:04 da manhã e eu lendo sobre o assunto, desabafando, pensando no amanha, por onde começar.
    Amanhã vou conversar com um cirurgião, já conversei com Ginecologista.]
    Para mim o maior desafio e a alimentação.
    Hoje tenho queda de cabelo, picos de sistema nervoso, e não posso perder meu emprego , preciso manter estes problemas em off, pois meu esposo e desempregado por causa da doença dele,e ja tem uma idade de 47 anos fora do mercado.
    queria eu acabar minha faculdade para abrir uma papelaria mas nao consigpo, financeiramente principalmente.
    Varias situações envolvem minha vida que me preocupam e a endometriose e mais uma ..... desabafos de uma simples mortal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida Bianca. Obrigada por escrever. Escrevi uma resposta e publiquei no blog: http://endometrioma.blogspot.com.br/2013/08/bianca.html

      Com carinho,

      Excluir
    2. Oi, querida! Há uma semana a médica me falou que tudo indica que meu caso seja endometriose. Depois de 9 meses sentindo dores fortes no período menstrual, mudei de médica e tive que pagar uma consulta particular pois meus exames, os quais sugeri ao endócrino e à minha clínica geral que solicitassem, apontaram alterações significativas. Outro fator que me ajudou a abrir os olhos e procurar outro médico foi a série de reportagens do Fantástico sobre a endometriose. Tive medo a cada programa exibido, mas agora estou mais tranquila. Meu gastro também me ajudou pois já me aconselhou a mudar meus hábitos alimentares. Vou iniciar o Allurene ainda este mês e em breve fazer o exame. Espero poder vencer esta batalha assim como vc tem vencido. Se Deus quiser ainda terei muitas alegrias para compartilhar com vc e com todas as mulheres que neste blog buscam ajuda para enfrentar este problema. Deus te abençoe!!! Isa

      Excluir
    3. Olá, Isa!

      Fico muito feliz por saber que você conseguiu o diagnóstico correto, pois esse é um passo essencial para superar essa doença. As reportagens do Fantástico foram bastante informativas e fizeram um importante trabalho de conscientização. É ótimo saber que seu médico gastro lhe deu orientações quanto à alimentação. Essencial. É possível vencer essa batalha sim! E você será uma vitoriosa. Há muitos desafios, mas não desanime. Busque forças em Deus, ore a Ele pedindo orientação e prossiga com confiança. Desejo-lhe um Feliz 2014, com muitas conquistas e alegrias!

      Excluir
  13. Sou Luciana,tenho endometriose. Estou lendo o que escreves está me ajudando,brevemente entrarei em contato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luciana:

      Desejo muita força. Vale a pena seguir por este caminho, embora os obstáculos sejam grandes. Podemos sim vencer a endometriose. Desejo muito sucesso em seu tratamento, em sua vida. Siga firme. Com carinho.

      Excluir
  14. Olá, eu sou a Elaine e também tenho endometriose profunda com aderências intestinais. Como todas que tem endometriose sofro com essa doença e já procurei diversos médicos, cada médico fala uma coisa diferente, mas nunca em momento algum eu ouvi falar sobre essa mudança de estilo de vida como forma de controlar ou até mesmo "curar" a doença. Li hoje pela primeira vez o seu blog e gostei muito, embora hoje em dia me parece algo irreal fazer tal mudança.
    Mas pretendo aos poucos mudar o que acredito que eu consiga, como fazer exercícios, sol... Muito obrigada pela generosidade de compartilhar sua vida e suas experiências conosco! Um grande abraço e que Deus abençoe a sua vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Elaine:

      Obrigada pelas palavras de estímulo. Sim, não só eu, mas muitas leitoras que estão mudando seu estilo de vida têm conseguido controlar a doença e engravidar. Recebi mais dois e-mails, ainda não publicados. Um, sobre uma gravidez. Outra leitora, há dois anos não precisa mais utilizar remédios e os focos não crescem (ela tem receio de usar a babosa, o que, na minha opinião, a partir da minha experiência, ajudaria na diminuição dos focos).

      Aqui neste link, eu publiquei um resumo mais completo e atualizado de meu tratamento: http://endometrioma.blogspot.com.br/2014/01/meu-tratamento-contra-endometriose.html

      Parece bem complexo, mas é possível. Essa possibilidade tem a ver com determinação e fé. Sem Deus, eu não teria conseguido, por tantos motivos. Eu orei, e oro a cada momento. A oração me dá força de vontade, me ajuda a superar fragilidades, me ajuda a vislumbrar caminhos alternativos no que diz respeito a trabalho e as obrigações cotidianas, me consola e fortalece diante de dramas familiares insolúveis, me conduz nas pesquisas e leituras, na leitura de meu próprio corpo e seu funcionamento... A oração me ajudou a encontrar esse caminho de superação, de “cura”. Uma cura que continua tanto quanto eu a procuro. Não fiz tudo perfeitamente, mas procurei diligentemente colocar em prática todos esses pontos, descobrir novos caminhos.

      Mas isso não surgiu de mim. Todos esses hábitos de saúde estão fundamentados em escritos do século 19 e início do século 20 da escritora Ellen White. Ela mesma sofria de problemas de saúde e Deus a ajudou a superar suas limitações, a se recuperar plenamente. Ela, por sua vez, fez suas descobertas com base na filosofia judaico-cristã. Veja aqui: http://avidadejesus.blogspot.com.br/2013/12/endometriose-religiao-e-espiritualidade.html

      Busque em oração essas mudanças, mesmo que você acredite que no seu caso seria muito difícil fazê-las. Cristo, o médico dos médicos, lhe mostrará o caminho. Confie, desenvolva essa amizade, pois Ele a escuta, Ele a conhece, Ele a guiará, mais do que qualquer pessoa poderia fazê-lo.

      Hoje, estou com meu filho recém-nascido nos braços, sem qualquer dor, sem qualquer limitação imposta pela doença, sem uso de remédios. Deus é real. Cristo é real. A ciência do bom viver pertence a Ele. E tudo o que a Medicina pode nos oferecer de bom, quando oferece, vem dEle.

      Carinho,

      Excluir
  15. Adorei seu blog e me identifiquei muito com ele, pois venho tentando mudar minha alimentação, praticar esportes que uma coisa que sempre tive prazer em fazer. Apesar de já ter ouvido de muitos medicas que já passei que alimentação não influencia na endometriose, tenho certeza por experiência própria que influencia sim! Acredito que todas nos portadoras de endometriose temos uma grande dificuldade para encontrar médicos que dominam bem sobre a doença, e por isso motivo cabe a nos procurarmos entender e trocar exercias sobre o seu tratamento, o que faz bem , o que faz mal. Ameiiii seu blog e espero mais posts! Bjuss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Janaína! Obrigada por escrever. Sim, eu também ouvi de quase todos os médicos que a alimentação não é importante. Alguns até acreditam que pode ajudar na prevenção, mas não interfere na cura. Outros, mesmo sendo naturalistas, não vão além de prescrever "alimentação saudável", sem pesquisar a propriedade de cada alimento, para cada doença etc. É uma carência total de conhecimento sobre nutrientes e nutrição. Não há quase nada sobre isso na faculdade de Medicina.

      Vivemos na época dos equívocos. A nossa medicina super avançada está tendo que se deparar com estatísticas estarrecedoras, mas parece não refletir o suficiente sobre elas. Por exemplo: pela primeira vez, a geração dos filhos viverão menos do que seus pais. Meus pais foram criados com comida de verdade, não com industrializados. A saúde deles é bem superior a minha (Com 30 anos, minha mãe não teve as doenças que tenho que superar e estou superando).

      O jornal NYT publicou, recentemente, que há uma epidemia de diabetes tipo 1 e 2 em crianças e adolescentes, o que levará a amputações e complicações piores do que em adultos. Houve um aumento de 30% desses casos em apenas uma década. Os especialistas estão se perguntando pela causa? Mas ainda não sabem... Não é preciso fazer muitas teses para descobrir.

      A alimentação das crianças está precária. As mães trabalham e não cozinham mais. Os médicos, ignorantes sobre a questão alimentar, prescrevem fórmula infantil para os bebês, em vez de estimular a amamentação, aprender sobre as técnicas de amamentar, porque não é fácil. Por outro lado, as mães têm que trabalhar. Como amamentar? Então, a fórmula, repleta de açúcar e suplementos artificiais (se a ciência está começando a provar que suplementos fazem mal para os adultos, o que dizer dos suplementos para crianças?), ou de soja (desregulador endócrino), surge como uma "boa opção". Eu fui um bebê amamentado por fórmula, pois na década de 70 a campanha pelo uso da fórmula era ainda mais alarmante. Hoje, parece que está surgindo uma conscientização sobre a importância do leite materno. Mas se essa mãe que amamenta se alimenta de produtos industrializados, gordurosos, não saudáveis..., a criança também terá sua saúde prejudicada.

      Mas temos a oportunidade de refletir, de mudar, de buscar novos conhecimentos, de observar o corpo, como você tem feito. Ao dizer que "por experiência própria" você tem certeza que "influencia sim", você está assumindo a saúde de seu organismo. Influencia sim! Seja o alimento o seu remédio. Seja o estilo de vida saudável o seu remédio. A medicina está adoecida. Espero que ela desperte enquanto há tempo.

      Veja um resumo mais atualizado sobre meu novo estilo de vida: http://endometrioma.blogspot.com.br/2014/01/meu-tratamento-contra-endometriose.html

      Obrigada pro escrever! Sucesso em seu tratamento. Carinho,

      Excluir
  16. Oi!Em 2012 também tive endometriose profunda ,muita dor!!!!!!! Fiz como vc fez ,depois de ler alguns livros,a endometriose sumiu, hoje em 2014 depois de uns cinco anos um pouco fora da dieta e higiene mental ,ela voltou mais sem dor ainda, já estou tentando voltar a dieta,é importante ter fé em Deus.

    ResponderExcluir
  17. Olá! Muito interessante sua experiência. Isso nos motiva a também promover bons aspectos de saúde através de um estilo de vida adequado. Tenho endometrioma no ovário direito, apesar de se tratar de uma situação um pouco mais simples, creio que a adoção de um estilo de vida mais saudável, através da utilização dos 8 remédios naturais, vou conseguir também. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por escrever! A endometriose é uma doença séria, que merece atenção, pois pode avançar rapidamente. Mas quando mudamos os hábitos e praticamos um estilo de vida saudável, mesmo a endometriose mais avançada pode retroceder. Tem sido assim comigo e com muitas leitoras que me escrevem. Não é fácil mudar, mas é recompensador. Carinho. Um grande abraço!

      Excluir
  18. "Neste momento, a sua vida pode maltratá-lo. E você talvez se pergunte se algum dia sua sorte vai melhorar. E digo que nem sequer imagina quanta coisa boa está à sua espera. Mantenha o foco em seu sonho. Faça o que for preciso para continuar no encalço dele. Você tem o poder de mudar as circunstâncias. Vá atrás daquilo que deseja, o que quer que seja." (NIck Vujicic - Superação)

    ResponderExcluir
  19. Parabéns pela iniciativa, pois nós portadoras ao pesquisar algo sobre a doença só encontramos coisas triste que acabam nos deixando mais depressivas. Enquanto aqui encontrei formas de como pode ser diferente a vida de uma portadora de endometriose. Você realmente está de parabéns e que Deus abençoe sua vida, para que você continue nos dando essas dicas sobre suas experiências e exemplos.
    Beijo grande!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por escrever! Preciso compartilhar a realidade da cura. O caminho não é fácil, pois envolve muitas renúncias e disciplina, convicção. Mas o resultado é prazeroso, emocionante. Não apenas o resultado final, mas todo processo de mudança de estilo de vida (Veja aqui um resumo: http://endometrioma.blogspot.com.br/2014/01/meu-tratamento-contra-endometriose.html). Aquilo que recebemos de graça, devemos compartilhar de graça. Aquilo que Deus faz por nós, precisa ser conhecido por todos, pois é real. Sou grata a Deus por tudo que Ele tem feito por nós. Siga firme. Um beijo!

      Excluir
  20. Óla Mayanga é o meu nome
    Hoje descubri que tenho endometriose e na verdade não esta façil aceitar a situação mas Deus é Fiel e a vida continua grata em encontrar a tua página. Deus abênçoe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Mayanga! Acredite, apesar de tudo, a vida pode se tornar melhor após esse diagnóstico. Mas somente em Deus, essa luta pela saúde se transformará em uma luta pelo que há de mais belo na vida. Tenha certeza de que Ele está ao seu lado. Eu escrevi um texto mais atualizado sobre meu novo estilo de vida: http://endometrioma.blogspot.com.br/2014/01/meu-tratamento-contra-endometriose.html

      Desejo-lhe o carinho e amparo de Deus em sua vida!

      Excluir