Arquivo do blog

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Parasitose e endometriose

9 de julho de 2012
Existe uma associação entre câncer e parasitose. Embora a medicina aliada à indústria farmacêutica não esteja muito interessada nesse fato, sabe-se que combatendo os vermes – o que requer pouco dinheiro –, combate-se doenças crônicas que demandam tratamentos caros.

A endometriose poderia apresentar também uma associação com parasitas? No meu caso, quando fui diagnosticada com endometriose, descobri que estava com vermes. O exame de fezes detectou a verminose e o de sangue apontou eosinofilia alta. Os eosinófilos são detectados pelo exame de sangue normal. Em geral, quando estão altos, os médicos pensam em alergia. Mas nem sempre mencionam que é sinal sugestivo de verminose.

Li um texto escrito pela jornalista Sônia Hirsch que cita de passagem uma pesquisa de uma médica canadense, Hulda Clark, que associa a endometriose à verminose. É verdade que somos compostos por milhões de micro-organismos, mas a associação entre parasitose e endometriose consistiria realmente em uma hipótese provável?

Um dos maiores especialistas em endometriose no Brasil, com grande destaque internacional, o médico pesquisador Maurício Abrão, da Universidade de São Paulo (USP), certa vez operou uma de suas pacientes para retirar a endometriose do intestino. Além de endometriose, ele e sua equipe encontraram vermes. Dentro da lesão de endometriose no sigmóide havia ovos de Schistosoma mansoni. Embora descrevam o fato como sendo raro, a conclusão que os médicos chegaram foi: “Endometriose e esquistossomose podem estar presente simultaneamente em pacientes com sintomas intestinais e dor pélvica.” O estudo foi publicado na revista Fertility and Sterility (Volume 85, n. 4 , p. 1060. 2006). 

O Dr. Abrão não foi o único a relatar a associação entre endometriose e parasitose. Pesquisadores chineses encontram ovos de schistosoma mansoni no ovário, em focos de endometriose. No local, havia inflamação com a produção de eosinófilos (KAMFAI, Lee; SWEI, Hsueh; MINGHWA, Tang. Schistosomiasis of the ovary with endometriosis and corpus hemorrhagicum: a case report. In: Chang Gung Medical Journal, Vol. 23 No. 7, p. 438-441. 2000). Outro relato médico registra o caso de uma mulher com 40 anos que foi hospitalizada devido a uma obstrução no cólon. A mulher era portadora de endometriose intestinal. Além da endometriose, o exame anatomopatológico detectou esquistossomose. De acordo com os pesquisadores, a literatura médica indica “endometriose combinada com esquistossomose como uma possível etiologia da obstrução colônica mecânica”. (ESTLEIN, D.; SIEGAL, Um.; WOLLOCH, Y. Colonic obstruction due to endometriosis and schistosomiasis. In: Harefuah, jun 2;130(11):737-9, 800, 799. 1996)  Há outros estudos que indicam a associação entre helmintos e endometriose (POLINESS, Anne; LEE, Anna; WEIN, Peter; MOSS, Sharon. Pelvic helminthic disease masquerading as endometriosis. In: Australian and New Zealand Journal of Obstetrics and Gynaecology, vol. 44, n. 1, p. 72–74. 2004). 

Pesquisadores do departamento de patologia da Rush University Medical Center, Chicago, Illinois, investigaram as causas de fezes amolecidas e perda de peso em uma mulher de 46 anos, portadora de endometriose, fibromialgia e síndrome de intestino irritável. Outros médicos teriam, provavelmente, encerrado o caso ali mesmo. Se a paciente tinha endometriose e síndrome do intestino irritável, a alteração nas fezes e no peso seriam sintomas esperados. Mas esses médicos pediram endoscopia digestiva alta, colonoscopia, biópsia e análise histológica. Após uma investigação minuciosa, encontram numerosas giárdias no íleo terminal, um lugar incomum para esse parasita. O artigo com o relato do caso foi publicado em fevereiro deste ano (HEAGLEY, Dawn E.; JAKATE, Shriram. Giardiasis confined to the terminal ileum. In: Clinical Gastroenterology and Hepatology, Volume 10, Issue 2 , Page A28, fev. 2012). A giárdia é uma infecção muito comum causada por protozoários. Como disse, quando descobri a endometriose, eu também fui diagnosticada com vermes – giárdia lamblia. 

Um relato de caso é particularmente interessante. Uma mulher que estava com sintomas sugestivos de endometriose, na realidade, tinha esquistossomose. A aparência dos focos, observados por laparoscopia, indicava endometriose, mas só a biópsia foi capaz de revelar que se tratava de parasitose (JONES, Kevin D.; OKARO, Emeka O., SUTTON, Christopher. In: EuropeanJournal of Obstetrics & Gynecology and Reproductive Biology, vol. 106, n. 2 , P. 227-229. 2003.)    
   
Não sei qual é a relação estatística entre endometriose e vermes. Provavelmente, nem a ciência sabe. Não posso afirmar que seja comum nem raro. Creio que os médicos também não podem fazer essa afirmação. Mas todas as mulheres, com endometriose ou não, deveriam considerar mais atentamente a questão da parasitose, um fator desencadeador de muitas doenças complexas. Fazer o exame de sangue e avaliar se há ou não eosinofilia é um bom começo, além dos exames de fezes repetidos (Em geral, os médicos pedem apenas uma amostra). De acordo com Sônia Hirsch, os exames para detecção de verminoses estão menos eficientes do que no passado. Além disso, os médicos não foram treinados para priorizar o diagnóstico da parasitose como garantia para a saúde integral do paciente. E, por fim, o tratamento oferecido pode eliminar também nossas defesas naturais, como as bactérias benéficas que colonizam nosso intestino. O que fazer?

É necessário aprender mais sobre parasitose. Usar diariamente alimentos que combatem vermes e deixar de usar aqueles que os fazem proliferar, como o açúcar, por exemplo – o doce que já consegui eliminar da minha alimentação. O ideal é fortalecer o organismo e a imunidade e não simplesmente focar na eliminação do verme. De qualquer forma, independentemente de um diagnóstico de parasitose, uma dieta antivermes também é eficaz para o combate à endometriose.



Dicas para combater a parasitose:

1. Veja as dicas de chá do site da Fiocruz.
Sônia Hirsch, quando percebe algum sintoma, usa chá de losna por três dias.

2. Eu utilizo alho diariamente (um dente moído de alho cru com água, além do uso na alimentação). Sônia Hirsch tem outras dicas sobre o uso do alho em seu site

3. Higienizar o alimento. Usar uma colher de sopa de peróxido de hidrogênio (água oxigenada) a 3% ou mais, em 3,5 litros de água. Usar 1 colher de sopa de vinagre de cidra, maçã ou vinho para 3,5 litros de água (não elimina todos os parasitas). Usar Clorox(TM), durante 10 minutos, depois mais 10 minutos lavando em água limpa. Fonte: http://www.soniahirsch.com/2009/03/vermes-melhor-nao-te-los.html

4. Outras dicas: coco ralado; leite de coco natural; semente de abóbora sem casca; chá de hortelã diariamente; eliminar açúcar; açúcar com leite serve de alimento para vermes; diminuir o sal; beber muita água (de manhã, eu bebo dois copos de água e um limão e faço atividade física.). Alimentar-se de maneira saudável.

5. Higiene: o costume de comprar algo, colocar a mão no dinheiro e comer algo, sem lavar as mãos deve ser corrigido; lavar as mãos sempre.

6. Consulte um médico. O ideal seria encontrar um médico que ofereça um tratamento mais natural. Mas se não há, melhor tratar com remédios do que não tratar.

7. Se for tomar um remédio que ataque o fígado, use também cardo-mariano, um protetor hepático ou outros remédios que protegem o fígado (hepatoprotetores).

Saiba mais sobre os sintomas de verminose:



Minha receita contra a endometriose, em linhas gerais:





4 comentários:

  1. Olá, minha amiga!

    Muito obrigada por ter respondido aos meus questionamentos. É de grande valia suas informações e experiência. Guardo-as como tesouro! O seu texto sobre a relação entre a endometriose e a parasitose muito me surpreendeu. O mais curioso é que no dia em que você o postou aqui no blog, eu havia conversado com a minha irmã exatamente sobre a possibilidade dessa relação. Na verdade, tratava-se de algo intuitivo. Agora, vejo que há algum respaldo. Não é uma mera cogitação. Quem me dera poder ter o seu horizonte. A sua vasta gama de pesquisa, a forma madura e responsável como você se coloca nos textos, a preocupação em compartilhar conhecimentos preciosos, tudo é uma verdadeiro ato de amor. Sinto-me recompensada. A doença existe, mas a resistência a ela é implacável, poderosa, bela. Mil vezes obrigada pelo seu enorme carinho conosco! E continue sendo a brava guerreira que você é. Isso é a própria benção! Um abração! Michele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida Michele:

      Admiro muito suas palavras, amizade, escrita. Seu texto é uma inspiração pra mim, tanto pela força quanto pela correção e estilo. Sei que para a mensagem ser eficaz é preciso saber lidar com as palavras, conhecer as regras, adorná-las com sensibilidade. Você é incrível com o texto! Após ler suas mensagens, sempre volto para dar uma corrigida em meus textos, tentar melhorar aqui e ali, por respeito a quem lê. Você me estimula a escrever (quanta felicidade sinto ao ler o que escreve. Sempre compartilho com meu marido e ele se emociona comigo), a pesquisar, a querer saber mais sobre a correção de um texto, como forma de me manter próxima, mesmo em meio a tantas distâncias. Abraços. Feliz semana, minha amiga. Com muito carinho,

      Excluir
  2. Boa-tarde, minha querida amiga! Você é uma das pessoas mais capacitadas e corajosas que já conheci em minha vida. Percebi essas qualidades nos seus textos. E que textos! Ah, eu passeio... Sempre notei que havia algo a mais neles. Não sabia identificar o quê. Agora sei. É a humildade. Qualidade sublime. Você vai longe, minha amiga! Vai ficar muito famosa, mais do que já é. Muito obrigada, mas sou eu quem aprende todos os dias com você, que sabe muiiiiiiiito.

    E para você, que sempre se preocupa com o nosso lado emocional, vai uma frase de que gosto muito (talvez você já a conheça): "Consulte não a seus medos, mas as suas esperanças e sonhos. Pense não sobre suas frustrações, mas sobre seu potencial não usado. Preocupe-se não com o que você tentou e falhou, mas com aquilo que ainda é possível fazer." Papa João XXIII

    Um abraço carinhoso,
    Michele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida Michele:

      Não se trata de humildade, não. Tenho muito a aprender sobre palavras. Escrevo em meio a dificuldades. Mas seu texto flui, além de ser tecnicamente admirável. Que talento! Além disso, suas palavras têm espiritualidade. Obrigada pela mensagem de fé.

      Um abraço carinhoso, minha amiga!

      Excluir