Arquivo do blog

domingo, 23 de junho de 2013

Resposta aos Comentários


23 de junho de 2013



Fico muito feliz em saber que corre tudo bem com você. Continue com a sua poesia, sempre. Bjos. Postado por Jenni no texto Na sala de espera , em 1 de junho de 2013
Assisti a dois filmes nesta semana. Fazia tempo que não admirava a força da arte e da poesia para falar da essência da vida, para nos ajudar a enfrentar as durezas da vida. Assisti ao filme Crônicas de Nárnia, inspirado nos livros de C.S.Lewis. Parece apenas um filme infantil, com uma mensagem boba. Mas ele tem a maior de todas as verdades. Assisti também ao belíssimo Miss Potter. Em meio ao caos e a descrença, quanta poesia e delicadeza. Ela não teve filhos, mas quantas crianças essa mulher extraordinária acarinhou com a beleza da vida. Somos autoras de nosso pequeno livro e podemos, a despeito das dores, desenhá-lo com toques suaves e vivos. Obrigada pelas palavras Jenni, elas compõem o meu livro. Bjos.         

Descobri há pouco tempo ter a doença. Dia 28/05/2013 fiz a láparo e minha médica disse que o grau está bem avançado. Estou arrasada... Engravidar será só um sonho? Eu me pergunto... Que bom ter com quem dividir essa dor, que não é só física, mas principalmente emocional. Parabéns pelo blog! Postado por Gabriela no texto Na sala de espera, em 1 de junho de 2013
Olá, querida Gabriela. Recentemente, esses dias, precisei muito de palavras de força. Recebi as palavras mais lindas pelo e-mail. Não pude responder na hora, mas elas ficaram me fortalecendo, me ajudando, me amparando. Como você disse, precisamos dividir nossas dores. Nem sempre há um ombro amigo, mas sempre eu oro, converso com Deus como se conversa com um amigo. Gabriela, em 2008, eu também recebi a notícia de que minha endometriose estava alastrada, grau IV. Os médicos chegaram a me dar o diagnóstico de câncer, mas era endometriose profunda, infiltrativa. Hoje, passado quase cinco anos, estou sem dor, os focos diminuíram muito e minha saúde está renovada, tudo por meio da mudança de estilo de vida, sobre a qual eu conto neste blog. “Engravidar será só um sonho?”, você pergunta. Não é só um sonho. É possível, sim, engravidar naturalmente tendo endometriose. É possível que esse nosso mundo tomado de endometriose fique grávido de outro mundo, então a gravidez se torna uma possibilidade real. Em breve, escreverei sobre uma mulher que engravidou naturalmente, mesmo tendo sido aconselhada a fazer FIV ou desistir desse sonho. O que não podemos é desistir de nós mesmas e a fertilidade poderá vir na forma de uma saúde restaurada, mesmo sem filhos; com filhos naturais ou adotados, com uma nova vida ressignificada. Estou melhor agora do que antes. O caminho foi difícil, mas o que seria de mim se eu não tivesse dado ao meu próprio corpo a chance de se recuperar? Por mais difícil que pareça, a mudança de estilo de vida é um fardo leve, um jugo suave. Há cura. Escreva sempre. Com carinho,

Querida amiga! Que bom saber que você está bem e que está cada dia mais combatendo essa doença de forma, simples, natural, saudável e efetiva. Quem bom que encontrei você para abrir minha visão. Deus é bom! Tenho tido cada vez menos dores e creio que esse é o caminho correto e certeiro para a vencermos a endometriose. Às vezes, árduo, difícil mas que traz resultados. Lágrimas e choros fazem parte da vida, mas nos ensinam a sermos mais fortes. E ainda mais, nos fazem persistir e lutar para que um dia, ao invés de tristeza e dor, se tornem lágrimas de alegria! Um grande abraço com carinho. Postado por Gabriela no texto Na sala de espera, em 2 de junho de 2013
Olá, Gaby! Fico muito feliz em saber de suas conquistas por meio de um caminho “simples, natural, saudável e efetivo”. Você o descreve muito bem. Embora a endometriose pareça uma doença complexa e invencível, a cura para ela pode ser simples, natural, saudável e permanente. Que bom que Aquele em que cremos tem transformado nosso olhar e nos dado forças para trilhar um caminho de mudanças, pois mudar é uma tarefa árdua. Como conseguir alterar nossos hábitos apenas com a mais intensa autodisciplina? As dores diminuem, os focos diminuem, a endometriose desaparece, com a mudança de estilo de vida. Sim, é real. É maravilhoso saber que suas dores estão diminuindo a cada dia! Não deixe de acompanhar com exames para medir os focos, pelo menos a cada seis meses, agora no início. “Um dia, a terra será bela, e o mal não existirá”, fala a canção. Esse dia não está distante. Com muito carinho!

Minha querida cortadora de pedras,
Que muitas mulheres tenham a chance de ouvir suas palavras e a felicidade de seguir os seus ensinamentos, matemática que o corpo obedece e agradece com satisfação. Tenha uma ótima semana, minha amiga! Um abraço carinhoso. Postado por Michele no texto Na sala de espera, em 3 de junho de 2013
 Essa matemática vem de gênesis. No princípio, havia um jardim, onde se comia dele, daquilo que a terra dava, a partir do cultivo de um solo produtivo, com atividade física sem hora marcada, em meio ao sol, ao ar e água preservados, em uma interação confortadora. A vida era movimento. A matemática das origens. No final do livro Cândido, depois de tantas violências e planos e ambições e andanças por pensamentos e vivências, a terra em transe, Voltaire faz profundas reflexões sobre os desejos que temos, sobre o sentido da vida, e encerra, após meditar sobre o fim de tantos conquistadores e ambições, sobre um senhor que ele encontrou cultivando a terra junto de suas crianças: “Está certo, disse Pangloss, pois, quando o homem foi colocado no jardim do Éden, aí foi posto ut operaretur eum, para que trabalhasse, o que prova que o homem não foi feito para o repouso”[...] “Está bem dito, respondeu Cândido, mas é preciso cultivar nosso jardim.” Nos envolvemos em tantas astúcias, mas talvez, medita Voltaire, não deveríamos ter saído daquele jardim, lugar para onde Rousseau queria tanto voltar, numa espécie de restauração do paraíso dentro do não paraíso, impossibilidade que o enlouqueceu. É filosofia? É poesia? É fantasia de que se trata? Tem tantos outros significados? Para mim, é prova. Se é real, então funciona. Ao seguir a matemática das origens, não um relato, mas um acontecimento, constatei as mudanças no meu corpo pelos exames. Ainda que muito distante desse jardim perfeito, o corpo ainda responde à lógica do início, crendo ou não, aceitando a filosofia que sustenta essa escolha ou não. Incrível que responda à mudança de estilo de vida em meio a tanta destruição nessa reta final, mas responde. Não há árvore da vida aqui, nem alquimia da perenidade, nem a transparência total almejada por Rousseau, estamos fora do jardim porque escolhemos estar, mas podemos olhar para ele e entender, podemos acompanhar até as últimas linhas e descobrir que o corpo exige cultivo, o terreno onde se mora pode se tornar terra produtiva, os sonhos por conquistas são legítimos, a saúde não é fim em si mesma porque um dia iremos partir, mas há algo mais. Há, além da superfície, uma pedra de grande preço. A pedra que, por vezes, eu mesma rejeito. Ah, minha querida amiga abençoada, que eu me volte a esta pedra.  

Olá gostaria de Saber se alguém já realizou o USG doppler com preparo do intestino na clínica Pacaembu em São Paulo com Dr. João Frederico. Postado por Anônimo no texto Exame para detecção de endometriose profunda em 3 de junho de 2013
Eu não o conheço. Se alguma leitora o conhece, peço que envie um e-mail . Na escolha de um médico é sempre importante saber se ele tem de fato a formação específica para fazer o exame de endometriose profunda. Ele tem que ter feito um treinamento com médicos credenciados. É muito importante que o exame seja feito por profissionais treinados para que o diagnóstico seja confiável.

Há mais de quinze anos, convivo com desequilíbrios hormonais fortes, que me causam problemas como ovários policísticos e endometriose. Os tratamentos foram inúmeros ao longo de todo esse tempo, incluindo videolaparoscopia e cauterizacao/remocao de tecidos, porém sem resultados definitivos e duradouros. Por acaso, comecei a fazer uma dieta de baixo teor de carboidratos, apenas com o objetivo de perder alguns poucos quilinhos. Incrível foi perceber que, conforme meu organismo se adaptava à minha nova alimentação, meus hormônios foram se regularizando naturalmente! Dessa maneira, descobri que possuo uma condição de resistência à insulina, que uma vez normalizada pelo baixo consumo de carboidratos, fez com que minhas dores, causadas pela endometriose e cistos ovarianos, praticamente desaparecessem, pois meus hormonios que eram super desregulados, com alta producao de estrogeno, cortisol e androgenicos, ficaram super regulados pela primeira vez em minha vida! E sem medicacao! Para que eu continue com os efeitos positivos causados pela dieta Low Carb em minha saúde, a restrição aos carboidratos deverá ser permanente. Só que chega uma hora em que fica muito difícil ter criatividade para inovar no cardápio e se segurar para não cair na tentação dos doces. Esse é o principal objetivo desse site: disponibilizar receitas fáceis, saborosas, criativas, testadas e adaptadas por mim, sempre de acordo com o estilo de vida LowCarbing. Postado por LowCarbing LifeStyle no texto Dieta antiestrogênica 
Agradeço o envio de seu relato de superação. Uma dieta com menos carboidratos é realmente importante. Eu não eliminei os carboidratos, mas diminuí o consumo. Parabéns pelo seu projeto e pela sua persistência em adquirir novos hábitos. A resistência à insulina, o desequilíbrio hormonal e as doenças de forma geral podem ser combatidos com uma nova alimentação, que considere não só retirar ingredientes, mas principalmente incluir novos sabores e nutrientes.  Não é um caminho meramente restritivo, mas uma ampliação das possibilidades gastronômicas, sem deixar de lado o sabor. Uma nova saúde inclui exercícios físicos, atividade, luz solar, a respiração, o descanso, as interações sociais, compartilhamento. Assim, não precisaremos recorrer aos hormônios sintéticos para simular uma tentativa de restauração provisória. Obrigada por compartilhar seus ideais. Um grande abraço,

Adorei seu blog. Eu tenho endometriose há 2 anos e já retirei o útero e as trompas e continuo com dores mas depois de ver seus relatos e ideias fiquei mas fortalecida e motivada a mudar meus hábitos e procurar viver sem dores muito obrigada você é ótima muita saúde e paz pra você... Postado por Janinne no texto Dieta antiestrogênica
Olá, querida Janine! Adorei suas palavras também, sua motivação. Que você fique cada vez mais fortalecida para mudar os seus hábitos e alcançar a saúde sem dores, porque eu posso lhe dizer: é possível sim. É um caminho de descobertas, renúncias, novidades naturais deliciosas, desafios, mas é, sobretudo, um caminho de liberdade e cura. Depois do que passei, de todas as dores e falta de esperança, agora me sinto normal, sem a doença me definindo. Isso é maravilhoso! Busque informações, busque forças em Deus, pois a mudança de hábitos mexe com a gente, mas vale a pena. É a melhor escolha. Você vai vencer essas dores e terá muita saúde e paz.

Nossa! Como me identifiquei com seu texto... Maravilha!!! Gostaria muito de poder não somente pensar assim, mas, também, agir desta forma!! Isso caiu como uma luva para um ponta pé inicial, quem sabe? Um estímulo talvez... uma esperança maior... Obrigada!! Postado por Charlene Almeida no texto Endometriose e crise financeira em 10 de junho de 2013
Olá, querida Charlene. Seu e-mail tem tanta alegria, motivação, força! Ele me faz bem. Você é uma pessoa alegre e, especialmente em dias como hoje, gelados e acinzentados pelo inverno, é um prazer ler suas palavras! Minha amiga, siga esse caminho, pois eu posso lhe dizer com toda certeza, eu sarei. Emociono-me em dizer: eu sarei. Vale a pena. Conte comigo para o que precisar. Carinho,

Querida amiga! Há muitos dias queria lhe escrever... Seu texto nos faz parar e refletir. Dizemos que o estilo de vida saudável e uma boa alimentação custa caro. Mas quanto gastamos com analgésicos e anti-inflamatórios para amenizar as dores causadas pela endo? Quanto gastamos com medicamentos para "reduzir" ou "estabilizar" a endometriose, que além de serem caros causam diversos efeitos colaterais? Quanto gastamos na compra de medicamentos para combater esse efeitos colaterais? Quanto gastamos com consultas, exames e médicos especialistas que não atendem convênios e com cirurgias que não resolvem o problema? Sem falar no que podemos ou poderíamos gastar com tratamentos para fertilidade e FIVs... Se colocarmos na ponta do lápis, a alimentação saudável é muito mais econômica e nos proporciona qualidade de vida. Nos proporciona saúde e vida. No mesmo dia em que li seu texto, meu marido colocou em um filme/ documentário chamado Food Matters (segue o link: http://www.foodmatters.tv), onde especialistas falam sobre a extrema importância de se alimentar saudavelmente. Doenças como o câncer têm sido tratadas de forma natural e com a ingestão do que eles chamam de super alimentos e super dosagem de vitaminas. Os resultados tem sido excelentes! Vale muito a pensa assistir o documentário. Uma frase que uma das médicas disse me chamou a atenção: "Nosso próprio corpo é a fonte da nossa cura." E isso é real. O corpo humano é a mais perfeita máquina criada pelo Grande Arquiteto, o Grande Deus. Ele nos fez saudáveis e nos deu as ferramentas para nos mantermos assim e vivermos bem. Basta querermos. É uma escolha. Não é uma escolha fácil e nem o caminho fácil de trilhar. Não é fácil abrir mão de tantas delicias e praticidade que nos é exposta a cada prateleira, em cada freezer, em cada vitrine de padarias e docerias... É uma escolha árdua, porém prazerosa, pois surte resultados, é efetiva. Viver com muito menos dor é incrível! Ainda sinto um pouco e tenho que recorrer a medicamentos, mas sei que isso tudo é reflexo daquilo que como ou deixo de comer, daquilo que eu faço ou deixo de fazer... mas nada se compara ao que eu sentia antes. E isso não tem preço! Agora posso afirmar que a frase tão conhecida "você é aquilo que você come" é verdadeira. Faz sentido pra mim e pra minha vida. Desejo continuar aprendendo e seguindo o caminho estreito (rsrs), pois é ele que me levará onde quero chegar. Um grande beijo com carinho. Postado por Gabriela no texto Endometriose e crise financeira em 21 de junho de 2013
Querida Gabriela, como você diz, é real! As mudanças são efetivas e relativamente rápidas. “Relativamente” porque há um caminho a percorrer. Precisamos considerar que o corpo, por muito tempo, pode ter ficado exposto a remédios, hormônios, efeitos colaterais de FIVs e indutores, cirurgias e maus hábitos. Sempre me recordo de uma pesquisa sobre os efeitos colaterais de um antibiótico. Leva, por exemplo, dois anos para a flora intestinal se recompor. Nossa flora intestinal é super importante para imunidade, além de produzir vitaminas essenciais, como B12, entre outras. O que dizer dos efeitos das drogas receitadas para endometriose? O organismo tem de aprender a funcionar sozinho de novo, sem sintéticos. Onde encontrar a força para vencer a doença e seguir em frente? Novos hábitos. Alimentação, exercícios, sol, água pura, refeições em horários corretos, para dar descanso ao sistema digestório, não ingestão de líquido com a comida, respiração correta, novas emoções. Às vezes, é necessário a ajuda de um fitoterápico, como foi meu caso. Confiança. Esse processo de mudança requer convicção. Se o encararmos como um acessório, como um detalhe a mais para ajudar a tecnologia médica avançada, pode não dar certo. Essa decisão é séria. Encaro como um tratamento médico, acompanhado por exames médicos. A primeira coisa que superei foi a dor, mas os focos ainda cresciam um pouco. Não se pode viver com o focos avançando, então fui aperfeiçoando o tratamento, até que os focos estabilizaram. Depois, começaram a diminuir. Se de um mês ao outro, os focos não cresceram, mantiveram o tamanho, mesmo menstruando, isso já é incrível. Mas se eles diminuem, isso é realmente fantástico. Não podemos desanimar se os resultados não aparecerem tão rápido, precisamos revisar os hábitos, buscar mais informações, corrigir trajetórias, acreditar que precisamos fazer nossa parte. A cura não é mágica, a mudança de estilo de vida não é uma versão hippie ou exotérica da pílula farmacêutica, a fé precisa ser racional. No meu último exame, feito no dia 29 de maio, o endometrioma que estava com mais de 6 cm está ainda menor. As novas medidas são: 2.9 x 2.2 x 3.3. Então, é real. E também é muito econômico. Economiza dinheiro e economiza o corpo. Como é maravilhoso viver sem revoluções hormonais danosas. Viver normalmente. Uma mulher com endometriose profunda, que já enfrentou dores aterrorizantes, pode viver normalmente? Sim, eu vivo. Doces? Frituras? Inatividade?... Leite moça com chocolate em pó?... Tudo parece muito pequeno diante da liberdade de viver.

Gaby, suas palavras nos ajudam, são estímulo e força. E isso “não tem preço!”.


PS.: Os vídeos do excelente documentário Food Matters estão no meu blog.  Fiz um pequeno comentário. Para quem deseja assistir, o link é: http://endometrioma.blogspot.com.br/2012/02/food-matters-endometriose-e-nutricao.html

2 comentários:

  1. Querida amiga,

    Então, eu penso, são os desvios aqueles que nos distanciam da nossa original equação matemática. Mas, no fundo, isso não importa. Os desvios são fundamentais para que celebremos o caminho inicial. Sem eles, jamais reconheceríamos o verdadeiro sabor do fruto, a verdadeira importância da semente. Seríamos cultos, jamais sábios. Há que ultrapassarmos fronteiras para que possamos voltar convictos do que somos, do que temos. Se nos perdemos na imensa floresta de cores e tentações, criamos uma chance para que haja o reencontro inicial, uma espécie de “o bom filho a casa torna”. Se temos a chance de resgatar ainda nesta vida – sim, porque como você tão bem colocou, ela é finita - a matemática das origens, lancemo-nos neste desafio e não percamos de vista que o fundamental é ser feliz. Minha querida amiga cortadora de pedras, seu corte, preciso e certeiro, é uma resposta ao seu retorno triunfal. Ele não é o corte derradeiro, mas é o propulsor de muitos que se seguirão na sua vida. As reflexões e inquietações dos nossos ilustríssimos pensadores são, de certa forma, as nossas também. Sejam deles as mentes que as extravasaram são nossas as que cabem escolher caminhos de retorno ou não. Você, como muitas de nós, escolheu retornar. Vejo que esse retorno, muito mais do que nunca ter partido, é a verdadeira matemática das origens. É a confirmação do que temos que fazer. Em meio a esta multiplicidade de escolhas de vida, certas ou não, desde que ainda haja tempo para nós, teremos sempre um porto seguro. Buscá-lo é uma opção, manter-se nele é um desafio maior que requer mudanças gerais e, principalmente, contentamento com o que de fato precisamos. Pouco, muito pouco. E é por isso que, talvez, nos percamos tão facilmente da equação lógica. O contentamento é mais mente do que corpo. Não é limitador, nem castrador, apenas valoriza sabiamente o essencial. Nessa matemática, nosso corpo sofrido sabe que nem sempre o que vem a mais é lucro.

    Um beijo grandão, amiga!
    Fique com o meu carinho,
    Michele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filho pródigo é síntese. Ele escolheu ir. Porque fez sua escolha, carregamos todo o sofrimento do mundo. Acredito mesmo que não precisávamos ter feito essa escolha. Não houve lucro, nem liberdade. Perdemos a visão. Como você diz, ficar ou voltar não é castrador. Mas ele só pode escolher voltar, porque o pai sempre o quis para ser livre. Para os ombros do pai foi transferido todo o peso do mundo. O castigo que nos traz a paz o pai trouxe sobre si em Seu corpo sofredor. Esse relato de Cristo sobre o pródigo, que você mencionou tão apropriadamente, nos ajuda a reconhecer não apenas os caminhos da saúde, mas o sentido da vida. Nesse trajeto em que a história da existência é lida com outros olhos o sentido de estar no mundo ganha novos contornos. A luta não é pelo corpo nem para que o olhar se volte ao próprio corpo, como você expressou em seu texto que fala aos sentidos. Há uma Pedra de Toque, a Pedra que os construtores rejeitaram, que solidifica o trajeto para que seja possível andar sobre as águas. Há algo mais do que cura física para um corpo que cedo ou tarde deixará de ser. Sobre a Pedra, o filósofo dinamarquês Sören Kierkegaard diz: “Sua existência, a verdade de sua realidade presente e passada, impera sobre toda a nossa vida. [...] Quando Deus se encarna e se faz homem, não é duma fantasia que se trata, duma invenção para se evadir... Não, esse ato de Deus, esse fato, é a seriedade da vida.” Sem essa Pedra, não saberia voltar ou prosseguir, nem dimensionar minha saúde. Não haveria matemática das origens, apenas o corpo pelo corpo. Se deixá-la, deixarei a mim mesma, ainda que, como você disse, tenha todo o ganho do mundo, o mundo todo sob a minha perspectiva, com toda abundância e dilapidação. Em tempos de eclipse do ser, a verdadeira transgressão é despir-se das roupas e máscaras com as quais o humano se cobriu e olhar para a pedra, deixar-se ser acolhido por ela nesse nosso estado de prodigalidade. “E por sua vez, a seriedade dessa seriedade, é o dever imperioso que todos têm de ter uma opinião a esse respeito”, diz Kierkegaard. Não é de uma invenção que se trata. Nesse sentido, e somente nesse, eu almejo a transgressão.

      Excluir