Arquivo do blog

sábado, 9 de novembro de 2013

Grumixama: a cereja brasileira


9 de novembro de 2013

Quando compramos a pequena chácara onde estamos agora, não imaginávamos a diversidade de frutas que encontraríamos. No fim do ano, uma árvore especial frutifica e produz cerejas brasileiras. Também conhecida como grumixama e cientificamente nomeada Eugenia brasileira, a cerejinha de bolo enfeita os galhos elegantes da árvore espichada. Além de bonitas, as cerejas são gostosas, com um leve sabor ácido e certa doçura exótica. Não tingem tão explicitamente as mãos quanto as amoras. São discretas, menos comuns, pouco conhecidas e muito medicinais. As grumixamas são as berries brasileiras tão fantásticas para a saúde quanto suas parentes internacionais. Eu não a conhecia, apesar de conhecer bem o mirtilo, o goji, a cereja importada. Mas nossas ilustres desconhecidas frutinhas brasileiras são alvo de interesse de cientistas de outros países. As grumixamas curam.

Um artigo publicado por pesquisadores ingleses identifica a atividade anti-inflamatória tópica da grumixama. Extratos da fruta, reconhecida como nativa do Brasil e utilizada pela medicina popular para combater o reumatismo, foram utilizados para tratar um edema provocado em ratos de laboratório. O resultado foi muito positivo, devido à composição de óleos medicinais na pequena fruta. Grumixama, portanto, pode ser usada para combater edemas provocados por doenças inflamatórias (Veja).

Outra pesquisa identificou atividade antibacteriana dos óleos essenciais presentes na cereja usados contra as bactérias Staphylococcus aureus, Pseudomonas aeruginosa e Escherichia coli. O óleo inibiu “fortemente” o crescimento de S.aureus, combatendo também as demais bactérias (Veja). A S.aureus está em 15% das pessoas e pode causar desde pequenos transtornos até representar risco à vida. Por exemplo, mulheres que usam tampões podem estar sujeitas a choques tóxicos causados pela S.aureus, que incluem hipotensão, febre e risco de choque séptico. Entre outras doenças, estão a pneumonia, endocardite e foliculite. 

A grumixama surpreendentemente também tem propriedades antidepressivas, sendo utilizada pelos índios como um tônico. De acordo com pesquisadores do Departamento de Bioquímica da Universidade Federal de Santa Catarina, a grumixama exerce “um efeito antidepressivo significante, sem alterar a atividade locomotora”. Sua ação pode ser comparada à fluoxetina –um medicamento antidepressivo indicado para depressão leve e grave, conhecida como Prozac –, mas sem seus efeitos colaterais (Veja). Após um dia de muito trabalho físico na chácara e precisando fazer uma palestra à noite, meu marido tomou um copo de suco de cerejas recém-colhidas. Mesmo após a maratona, sentia-se revigorado.

O gênero Eugenia, ao qual pertence a grumixama, tem ação antimicrobiana, anti-inflamatória, antidiabética e antioxidante. As folhas da grumixama são utilizadas pela medicina popular para doenças gastrointestinais, reumatismo e como um diurético. O óleo essencial extraído das folhas da grumixama tem uma “atividade antibacteriana significativa”, enquanto que o extrato bruto tem atividade anti-inflamatória.

As folhas também podem inibir a acetilcolinesterase que combate a acetilcolina. A diminuição de acetilcolina está relacionada a doenças do sistema nervoso, tais como doença de Alzheimer, demência senil, ataxia e miastenia gravis. Quanto menos acetilcolinesterase, maior é a quantidade do importante neurotransmissor acetilcolina no cérebro. Plantas medicinais, como as folhas curativas da grumixama, são tradicionalmente usadas para melhorar a função cognitiva e combater o Alzheimer, por exemplo, pois agem contra a acetilcolinesterase. A ciência confirma a validade da medicina popular (O artigo “Triterpenos bioativos e compostos fenólicos de folhas de Eugenia brasiliensis”, no qual estão relatados os resultados dessa pesquisa, pode ser acessado na revista Química Nova. Veja também aqui).

Pesquisa realizada conjuntamente por pesquisadores brasileiros e canadenses aponta para atividade antioxidante da cereja: “Nossos dados indicam que a cereja brasileira é rica em antioxidantes naturais que pode ser mais amplamente utilizada pela população em geral e pela indústria de alimentos como fonte de fitoquímicos bioativos promotores de saúde humana.” (Veja).

Essas pesquisas dão água na boca tanto quanto as cerejinhas colhidas na hora. Estou tomando suco de laranja batido com cereja e folhas de moringa. Logo, a colheita chegará ao final.

Selecionei e sequei algumas sementes dessa fruta medicinal, saborosa e bonita. Gostaria que mais árvores fossem plantadas e mais pessoas tivessem acesso a essa farmácia viva. Por isso, enviarei gratuitamente, ao menos, duas sementes para as primeiras dez pessoas interessadas que me mandarem um e-mail, manifestando seu desejo de plantar as sementinhas e esperar pela colheita. Meu e-mail: endometrioma.blog@gmail.com.


PS.: Hoje, pela manhã, o vizinho de nossa chácara infestou seu terreno e também as raízes de nossas preciosas árvores frutíferas com “mata-mato”, a base de roundup, um agrotóxico muito nocivo ao meio ambiente e à saúde humana. Meu marido foi falar com ele, que na gestão passada foi secretário do meio ambiente do município em que residimos. Ofereceu para pagar o corte do mato, mas o homem virou as costas com brutalidade e continuou a aplicação do veneno. Portanto, nossa colheita chegou ao fim, com uma tristeza pela condição humana. Mas um dia a Terra será restaurada e as pessoas saberão do valor das folhas, dos frutos e das outras pessoas, respeitando-se e amando-se como deveria ter sido desde o início, desde as origens hoje tão desconhecidas e desacreditadas. Quanto à terra e ao fazer brotar, vamos “tocando em frente”, porque se um dia já tive pressa, hoje nós levamos um sorriso, cultivado em orações e confiança naquele que tudo fez. Porque já chorei demais, mas “hoje me sinto mais forte”. “É preciso amor/Pra poder pulsar/É preciso paz pra poder sorrir/É preciso a chuva para florir” (Ouça que música!). A chuva que vem do alto.







6 comentários:

  1. Tenho um pé de grumixama no meu quintal e realmente é um fruto delicioso. Pena que seja muito delicado, Quando está maduro, tem que ser colhido com muito cuidado. Pouquíssimas pessoas conhecem, mas a todos que dei, gostaram muito.
    Muito bacana e instrutivo a sua publicação. Parabéns.

    Hélio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Hélio. Obrigada por escrever! É ótimo saber que mais pessoas têm conhecido e provado a grumixama. Além de bonita e deliciosa, faz super bem para a saúde. Abraços!

      Excluir
  2. Tomara q eu possa ter um pé desses. Todo de bom.

    ResponderExcluir
  3. Eu qroooo. Manda pra mim a semente. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Mary Helen! Obrigada por escrever. Eu me mudei de casa e não tenho mais sementes. Sinto muito. Abraços.

      Excluir
  4. plantei como sapoti,mas era grumixama, gostei tb!

    ResponderExcluir