Arquivo do blog

sábado, 9 de novembro de 2013

Tempo de uvaias


9 de novembro de 2013

No terreno ao lado, na marca da cerca que faz divisa com minha chácara, há uma grande árvore de uvaia (Eugenia uvalha Cambess). Mais ou menos na mesma época da grumixama (veja o post que publiquei sobre ela), as uvaias frutificam. Os galhos ficam enfeitados de flores, frutos verdes e maduros, tudo ao mesmo tempo, aromatizando o ambiente. As uvaias têm um forte aroma irresistível. Os dias azuis e ensolarados ganham de presente essa árvore que às vezes me parece ser uma grande e generosa jarra de refresco amarelo com sabor azedo e, quando bem maduras, ácido e levemente adocicado. Uma essência única.

A essência da uvaia além de atrair pelo olfato e surpreender as papilas é medicinal. Ao analisarem sete frutas da Mata Atlântica brasileira, pesquisadores chegaram à conclusão de que duas dessas frutas têm um potencial medicinal antioxidante superior: a jabuticaba e a uvaia. Além disso, são antimicrobianas, com atuação inibidora contra três bactérias (Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae e Staphylococcus aureus). (Veja)

A uvaia contém ácido ascórbico e carotenoides, substâncias muito importantes para a saúde, além de possuir uma elevada capacidade antioxidante in vitro. Ela também tem um efeito significativo contra o colesterol (Veja).

Na uvaia há alto teor de flavonóides, como a mircetina e a quercetina. Essas duas substâncias são anti-inflamatórias, anticarcinogênicas, atuam no sistema imunológico. A quercetina também é antiviral, influencia na inibição de cataratas em diabéticos, é anti-histamínica (antialérgica), cardiovascular e está presente nas maçãs e cebolas. A uvaia também contém ácidos fenólicos (que são antioxidantes), especialmente o ácido gálico. (Veja).

As folhas da uvaia são utilizadas na medicina popular para o tratamento de gota, pois têm a ação de baixar o ácido úrico no organismo. Ao analisarem as propriedades das folhas e do caule da uvaia, pesquisadores da Universidade Federal do Paraná constataram sua importância medicinal (Veja).

Ao lado da árvore de uvaia, cresce um ramo que já tem um pouco mais de meio metro. Apesar de pequeno, ele está produzindo muitas frutas. A boa notícia é que, ao contrário das grumixamas, a uvaia se desenvolve mais rápido, embora o cultivo de plantas requer paciência e cuidado. Esse processo é semelhante à mudança de estilo de vida. Plantar árvores e mudar os hábitos de vida envolvem dedicação, tempo, cuidado para que a fruta surja e a saúde volte a frutificar. Cultivar uvaias e grumixamas pode nos ensinar a entender o tempo da terra e o tempo do corpo. Mas apesar de gradativo, o tempo de cura da endometriose, com a mudança de estilo de vida, é rápido. Em três anos, os focos de endometriose em meu corpo já não cresciam e começaram a diminuir. Agora um bebê cresce. Ter a saúde de volta não é um processo rápido desencadeado por uma injeção mágica, uma pílula pretensamente curativa. A terra e a frutificação, o desenvolvimento da planta, o olhar voltado para a natureza nos ajudam a entender a essência do tempo de cura.












Nenhum comentário:

Postar um comentário