Arquivo do blog

sábado, 4 de janeiro de 2014

Meu tratamento contra a endometriose


4 de janeiro de 2014

Há cinco anos, recebi o diagnóstico de câncer. Era endometriose profunda, infiltrativa, grau IV, espalhada por toda cavidade abdominal. Perdi meu ovário direito, tive crises de dores terríveis, emagreci, tornei-me infértil, adoeci gravemente. A fraqueza do meu corpo, meu abatimento e dores eram visíveis. Haveria algum tratamento capaz de recuperar um organismo tão abatido pela doença? Decidi mudar meu estilo de vida. Encontrei um novo caminho. Os focos de endometriose diminuíram, a dor desapareceu, a saúde voltou, como se jamais eu tivesse ficado tão doente. Por fim, em 2013, engravidei naturalmente.

Conto minha história neste blog. Neste texto, coloquei em tópicos todo o meu tratamento, meu novo modo de viver. Há links para textos que escrevi no blog. Além desse resumo geral, há no blog inúmeros textos e experiências de outras leitoras que compõe uma história de cinco anos de lutas, desafios e recompensas. Estou curada da endometriose, mas essa cura existe tanto quanto persisto neste caminho de mudanças e novos conhecimentos. Saúde, em seus diversos aspectos, é o que desejo para todas nós diante das inúmeras lutas que precisamos enfrentar. É possível, sim, vencer a endometriose.


I
- Um dos princípios centrais de meu tratamento contra a endometriose é a nutrição (Escrevi este texto).

- Mais importante do que os alimentos que tiramos da dieta (e realmente é preciso mudar o cardápio), são os alimentos nutritivos que inserimos, pois precisamos de variedade de nutrientes para as necessidades do organismo. Mais do que se pautar pela restrição, busque conhecer e introduzir alimentos saudáveis. Busque novos sabores. Há uma variedade deles (Escrevi este texto).

- Avalio se estou ingerindo os nutrientes necessários, tais como cálcio, ferro, vitaminas do complexo B (principalmente vitamina B12), outras vitaminas e minerais. É preciso encontrar fontes alimentares saudáveis desses nutrientes.

- Evito alimentos industrializados.

- Não uso açúcar (branco, demerara, mascavo) ou adoçantes artificiais. Uso mel com moderação (Escrevi estes textos: 1, 2).

- Minha dieta é composta por variedades de frutas, legumes e alimentos integrais.

- Não como carne vermelha ou de frango, mas, às vezes, como peixe. (Doso sempre a quantidade de vitamina B12, por meio de um exame de sangue). Mas ser vegetariano não é sinônimo de ser saudável (Escrevi estes textos: 1 , 2).

- Praticamente não faço uso de laticínios. Minha fonte de cálcio é de origem vegetal.

- Faço uso de limão, alho e cebola crus, de variadas formas. São essenciais.

-Em cada refeição, faço uso de poucas variedades de alimento. Como em pouca quantidade. A variação de alimentos é de uma refeição para outra, de um dia para o outro. O ideal é variar o máximo possível no decorrer dos dias, mas ter refeições bem simples e comer com moderação.

- Não uso álcool (Escrevi este texto), cigarro, cafeína (Escrevi este texto), chocolate, soja (Escrevi este texto) e refrigerantes.

- Prefiro alimentos orgânicos e integrais, mas se não for possível consumir os orgânicos, faço uso dos que estão disponíveis.

- Faço três refeições diárias, com intervalo de 5 a 6 horas entre elas. Não como nada nos intervalos, apenas tomo água pura (30 minutos antes e duas horas depois das refeições) (Escrevi teste texto).

- Raramente, tomo suco de fruta ou uso geleias (às vezes, suco ou geleia natural. Nunca os industrializados). Prefiro a fruta.

- Procuro fazer eu mesma minha comida. Aprender a cozinhar é fundamental (Veja meu blog sobre alimentos e culinária saudável Sabor com Saúde) .

- Quando possível, vou a restaurantes vegetarianos ou orgânicos. Conhecer restaurantes, fazer aulas de culinária natural, procurar receitas saudáveis ajudam a descobrir novos sabores, sem que sintamos falta da comida que prejudica a saúde (Veja no meu blog Sabor com Saúde dicas sobre site de receitas).


II
- Tomo Sol diariamente, sem protetor solar, de 15 a 30 minutos, ou mais. Doso sempre a vitamina D no sangue (fundamental). Durante o dia, procuro ficar em ambientes mais iluminados (Escrevi este texto).

- Bebo bastante água (essa deve ser a principal bebida). Procuro beber água mineral filtrada. Nunca água do encanamento filtrada (Escrevi este texto).

- Mantenho uma atividade física diária (caminhadas de 40 minutos, com intensidade, duas vezes ao dia, de manhã e à tarde. Portanto, duas vezes ao dia). Também procuro me exercitar, manter-me ativa, durante o dia (Escrevi estes textos: 1, 2).

- Valorizo a qualidade do ar e a respiração (Escrevi este texto).

- Procuro respirar profundamente e manter a postura correta, sem me dobrar sob o abdômen quando estou sentada (muito importante). O correto é a respiração diafragmática, não a torácica (Escrevi teste texto).

 - Durmo bem (Em geral, vou dormir antes das 21, 22h e acordo antes das 6h) (Escrevi teste texto).

- Valorizo o descanso. Uma vez por semana, no sábado, paro com minhas atividades habituais e dedico meu tempo para um maior o contato com amigos, pessoas que necessitam de algo, passeios na natureza e frequência na igreja.

- Passei a valorizar o contato com a natureza. Mudamo-nos para um condomínio de chácara. Se não for possível fazer uma mudança maior, valorize os passeios pela natureza. Assista a vídeos sobre a importância da natureza para a manutenção ou recuperação da saúde (Veja as excelentes reportagens feitas pelo Globo Repórter sobre a relação entre a natureza e a saúde: 1, 2, 3).


III
- Faço uso de recursos fitoterápicos, entre eles o composto de babosa (Escrevi este texto). Também uso alho e cebola crus.

- Não uso remédios, anti-inflamatórios, remédios para combater a dor, nem qualquer remédio antidepressivo, pois eles além de pouco eficazes podem desencadear dependência psíquica, entre outros efeitos colaterais.

- Não uso qualquer medicação hormonal (Escrevi este texto).

- Não uso suplementos vitamínicos.

- Não aceitei métodos artificiais de concepção, tais como hormônios para estimular ovulação, inseminação ou fertilização in vitro (FVI) (Escrevi este texto: O livro da vida).

- Evito produtos químicos de limpeza e cosméticos convencionais. Por exemplo, não guardo comida em vasilhas de plásticos, principalmente se o alimento está quente; procuro evitar produtos de limpeza e cremes estéticos com parabeno e outros componentes prejudiciais. Uso produtos de limpeza caseiros ou orgânicos.

- Faço os seguintes exames de sangue para avaliar meu estado nutricional: ferro, ferritina, 25-OH (vitamina D), vitamina B12 (Escrevi este texto), homocisteína. Exame para detectar a endometriose: Ultrassom do abdômen total com doppler colorido com preparo intestinal (Escrevi teste texto). Exames adicionais: CA-125, FAN, exames para avaliar a tireoide. Além desses, faço os exames para avaliar o fígado e os rins. Obter o diagnóstico correto é imprescindível. Acompanhar a eficácia do tratamento com exames médicos é fundamental. O tratamento que faço tem acompanhamento médico.

- Fiz todas as mudanças com acompanhamento de exames médicos periódicos. Avaliar a eficácia do tratamento, com acompanhamento especializado, é essencial (Escrevi este texto).

- Considero importante obter informações sobre a endometriose e refletir sobre o tratamento escolhido, assumindo a responsabilidade pela própria saúde. Para ter saúde, precisamos estar ativos na construção de nossa própria receita (Escrevi este texto: Pensar demais na endometriose faz mal?).

- Levo a sério meu tratamento. Se falho em algo, não me culpo; mas renovo diariamente meu compromisso em prosseguir.


IV
- Valorizo a saúde financeira. Diminuímos nossos gastos, para não entrar em dívidas. Priorizamos um estilo de vida mais tranquilo e simples, com menos trabalho, correria e consumo desnecessário. Nossa renda diminuiu, mas não temos dívidas. A saúde melhorou (Escrevi este texto).

- Analiso meus relacionamentos. Estava empregada em trabalhos abusivos (salário, chefia etc.). Mesmo diminuindo minha renda, após fazer planos, pedi demissão. Isso foi essencial para minha recuperação. Avalie suas relações e busque um planejamento para mudanças, caso haja situações abusivas nesses relacionamentos, sejam elas no âmbito profissional, familiar ou conjugal. Nem sempre é preciso romper um relacionamento, mas deve haver uma decisão para modificá-lo. No entanto, se for necessário rompê-lo, busque formas de fazê-lo. Relações abusivas adoecem.

- O tópico acima vale também para o tratamento médico. Analiso meu tratamento médico. Se o profissional que lhe atende não lhe dá o tratamento eficaz, não permite que você expresse sua opinião ou participe das decisões de seu tratamento, não lhe respeita ou escuta, converse com ele. Se não resolver, procure outro profissional. Não desanime, há bons profissionais.

- Valorizo a realização pessoal por meio de ações criativas, oportunidades para se expressar e criar novos projetos sejam eles familiares, comunitários ou profissionais. Manter ou despertar a criatividade é essencial para a saúde.

- Procuro conciliar geração de renda com criatividade. Se não é possível, procuro inserir a criatividade mesmo que além do âmbito profissional.

- Passei a valorizar mais a interação social. Estabelecer conexões sociais sadias que nos sentimos inseridos e aceitos é muito importante para a saúde. Envolver-se em causas sociais, de ajuda ao próximo, é essencial.

- Procuro ser feliz, sem negar minhas emoções (muito importante!). Escrever é uma parte importante do meu tratamento.

- Procuro ter consciência de minhas limitações, falhas, insuficiências. Não existe perfeição. Não acredito que uma força que vem de nós mesmos seja capaz de resolver nossos dilemas, embora o exercício da força de vontade seja essencial para fazer as mudanças. Acredito na existência de uma força externa a nós mesmos. Ao contrário do que se fala, a força para renovar os propósitos e ter uma vida com significado não está dentro de mim.


V
- Além de mudanças físicas e emocionais, valorizo a espiritualidade (Escrevi este texto: 1, 2).

- Procuro estar aberta para caminhos inesperados.

- Aceitei um grau maior de vulnerabilidade. Mesmo sabendo que teria dificuldades físicas para engravidar, sentia receio de ser mãe devido a tantas implicações que fogem do meu controle. Abri mão do controle e da previsibilidade. Entreguei minha vida nas mãos de Deus. Se fosse para ser mãe, aceitaria as felicidades e riscos que essa decisão envolve; se fosse para não ter um filho gerado por mim, aceitaria as felicidades e riscos que outros caminhos, tão férteis quanto à maternidade, oferecem. Não há respostas únicas. A vida é bela. A fertilidade é amplidão.

- Hoje, é o aniversário de dez anos de meu casamento. Como disse meu marido, nosso presente ainda está embrulhado, o bebê João. O amor desse homem me deu vida (Veja o texto que ele escreveu: Endometriose, uma notícia que me fez feliz). Como diz o apóstolo Paulo, em Coríntios 13, nenhuma linguagem, nenhuma ação, nada é maior do que o amor. “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três; mas o maior destes é o amor” (1 Coríntios 13:13).

Deus é amor. Confio em Deus. O aspecto que considero mais importante em meu tratamento é a confiança em Deus (Escrevi este texto).  



Veja meu Cardápio, com detalhes, para superação da endometriose no meu blog  Sabor com Saúde.

36 comentários:

  1. Oi Amiga, tudo bem?

    Obrigada por continuar a compartilhar toda sua experiencia. Que Deus te abençoe sempre.
    Ainda não mudei o meu estilo de vida 100%, mas sei que estou no caminho certo. O pouco que mudei já sinto a melhora.
    Fiz o composto de babosa, estou tomando a quase um mês. Estou confiante.

    Também quero evitar produtos com parabenos, li por alto que desde 2008 a Natura eliminou de suas formulas essa substância.
    Você poderia indicar alguns produtos livre de parabeno? Como protetor, shampoo, condicionador , hidratantes....

    Fique com Deus..

    Josiane






    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Josiane:

      Estou bem, obrigada. Fico feliz em saber que já se sente melhor com as mudanças. Quantos mais seguimos por esse caminho de mudanças, mas resultados obtemos. O corpo demonstra. Quanto ao composto da babosa, sugiro que leia toda informação que puder obter. Faça uma pausa entre uma receita e outra, tomando sempre a quantidade indicada. É uma planta com muitos nutrientes! Vou voltar a usá-la após a gestação.

      Quanto aos produtos, eu não utilizo protetor solar, para poder assimilar toda a vitamina D possível (os protetores impedem esse processo). No rosto, uso uma babosa da espécie aloe saponaria, que não tem cheiro e é absorvida rapidamente. De acordo com pesquisas, a babosa possui fator protetor equivalente a FPS15.

      Quanto aos cremes, meu marido foi para os EUA e trouxe cremes sem parabeno. Por isso, ainda não me preocupei em encontrar alternativas aqui no Brasil. Algo que terei que fazer, pois estão no final. De qualquer forma, não utilizo muito cosméticos. Já o desodorante, o meu sem parabeno acabou. Estou usando leite de magnésia (Phillips). Me parece ser uma opção saudável e eficaz. Estou gostando do resultado.

      Obrigada por escrever! Desejo muito sucesso em seu tratamento!

      Excluir
    2. Olá Josiane e Dona do Blog,
      Tenho uma ótima recomendação para substituir desodorante. Utilizo há dois anos uma barra de sais que parece um cristal (chamado inclusive de "desodorante cristal"). É 100% natural, feito de sais minerais, livre de compostos de alumínio, álcool, SLS, e outros produtos químicos sintéticos, hipoalergênico, não tem fragrância e não é absorvido pela pele. Sua atuação se dá ao inibir a proliferação de bactérias, que são as causadoras do mal cheiro. Ele permite que a pele continue a suar, o que considero maravilhoso, pois esse processo é essencial para eliminarmos as toxinas do corpo. E o mais incrível: o meu bastão já tem 2 anos de uso diário e continua em perfeito estado e bem pouco gasto. Deve durar mais uns 2 anos pelo menos. Comprei o meu nos EUA (custou cerca de US$7), mas sei que há como encontrá-los no Brasil também. A marca do meu é Naturally Fresh Deodorant Crystal. E, na minha opinião, ele tem melhor eficácia que os desodorantes comuns que sempre usei antes. Procurem e comprem, não irão se arrepender! Carol.

      Excluir
    3. E, se eu puder dar mais um dica, indicaria os produtos cosméticos de uma moça que os produz em seu sítio em Bauru, no interior de SP. As matérias primas são todas naturais, orgânicas e colhidas lá mesmo. Uso seus shampoos, condicionadores e sabonetes e são muito bons e os aromas são incríveis! Os preços também são super competitivos, ela manda por correio. Procurem-na no Facebook, seu nome é Michele Távora e sua marca chama-se MagaTerra. Beijos!

      Excluir
    4. Carol, obrigada por compartilhar essas preciosas informações! Quero conhecer esses produtos. Um grande abraço!!!

      Excluir
  2. Olá! Apesar de não saber seu nome, te considero uma amiga e até confidente. Essa sensação de intimidade que se deu assim, unilateralmente, veio depois que descobri o seu blog, há cerca de 4 meses. Neste dia tão feliz, eu havia determinado para mim mesma que acharia uma outra saída. Havia saído do consultório de um médico muito bem conceituado dias antes com a palavra "cirurgia" pulsando na minha mente. Me senti deprimida e sem esperanças. Vamos por partes. Anos atrás, totalmente "por acaso", descobri que tinha endometriose. Sempre tive os sintomas de fortes dores menstruais, desde sempre, mas nunca passei por um médico competente o bastante para sugerir essa doença. Assim, segui meu destino de dor, acreditando que era simplesmente uma merecedora deste infortúnio. Quando eu estava com cerca de 28 anos, me consultei com uma médica holística muito especial que me pediu, dentre muitos outros, um exame do marcador CA-125, por conta de histórico de câncer na família. No meio de tantos exames, eu não fazia ideia do que significava esse marcador até o resultado sair alterado, eu ir até o google e me desesperar achando que tinha câncer de ovário. Liguei para a médica em pânico, e ela ma acalmou: "pode ser um mioma, uma endometriose... Procure um ginecologista." Ufa! Não sendo câncer, tudo está bem! Foi o que pensei. Mas o que seria endometriose? Fui numa ginecologista do meu convênio médico. Pela primeira vez na vida, alguém me pediu um ultrassom transvaginal. Eu tinha 28 anos, e mesmo indo anualmente ao ginecologista, nunca algum me fez esse pedido. Inacreditável. Fiz o exame, que deu alguma alteração não muito precisa. A médica: devem ser alguns endometriomas (oi?), tome esta pílula anticoncepcional. Não explicou mais nada, e eu saí de lá e não tomei pílula nenhuma. De fato, não conhecia a gravidade do meu problema, não fui devidamente alertada e não segui a recomendação médica por achar que o atendimento havia sido superficial demais. Não sou a favor de tomar remédios e hormônios sem necessidade. Sou semi-vegetariana há mais de 10 anos (como peixe eventualmente, e só). Cozinho meu próprio alimento e dou preferência para os orgânicos. Quase não como fora de casa. Construí minha rotina de forma que eu pudesse trabalhar como autônoma, e assim ter tempo para cozinhar para mim e para meu marido. Tenho consciência do que como, evito industrializados, frituras, alimentos sem vida. Minha dieta não é perfeita, mas faço o possível. Nem sempre foi assim. Já trabalhei em empresas e tinha um estilo de vida frenético que me fez parar e refletir. Mudei tudo, e isso aconteceu lá pelos 28 anos também, um pouco antes dessa questão da endometriose surgir. Além da minha dieta, busco me auto-conhecer. Frequento grupos de estudos de aprimoramento pessoal, e também tenho a minha fé e religião, muitíssimo presentes em minha vida. Ou seja, a endometriose foi se instalando apesar dos meus esforços e de acreditar que o que eu fazia me tornava invulnerável. Acho que talvez por isso, decidi ignorar a médica. Me recusava a aceitar. Segui a minha vida com as minhas dores menstruais, até que eu decidi engravidar, cerca de 1 ano atrás. Num momento bastante estável da minha vida e de meu relacionamento, ambos concordamos que era um bom momento e nos animamos com a ideia. Porém, mês após mês, a decepção. A menstruação chegava e com ela um profundo desânimo. Após 8 meses de tentativas sem êxito, caí na real: precisava me informar melhor. Logo descobri a gigantesca quantidade de informação que se acha na internet sobre endometriose, todas muito desanimadoras. Os fóruns de mulheres que se apoiam estão na verdade cheios de tristeza e impotência. Tudo o que encontrei foi "infertilidade", "indutores de ovulação", "FIV", "cirurgias". Não era possível! Não há nada que possamos fazer? Somos assim tão impotentes perante nosso corpo? Deprimida, procurei um médico especialista. Seu currículo era um brilho só, professor da faculdade de medicina da USP e tudo o mais.

    ResponderExcluir
  3. Cont: Claro que não era barato, mas eu queria respostas. Ele me examinou, pediu exames complementares. O veredito: cirurgia. Sem a cirurgia, provavelmente não engravidaria. Com a cirurgia, investimentozinho de 20 mil reais, no mês seguinte ele me daria uma "forcinha" (leia-se "indutores de ovulação") e eu certamente engravidaria. Uau! Que médico poderoso, não? Apesar de ele ter dito tudo isso animado, eu só me sentia desprezível. Meu corpo era imperfeito, e precisava ser corrigido por um super-herói médico. Foi neste ponto em que eu decidi agir de verdade, achar uma outra solução. Haveria de existir, dentre todas aquelas mulheres resignadas e infelizes que encontrei nos fóruns, alguma que teria um caso de sucesso. E então eu encontrei o seu blog, que veio iluminar as minhas esperanças. Em cerca de 1 semana, li todos os seus posts. Adotei quase tudo que você sugeriu. Eliminei açúcar por completo, laticínios e cafeína. Passei a me exercitar com mais freqüência. Fiz reajustes nos meus períodos de descanso. Inseri muito alho, cebola, limão e levedo de cerveja na minha alimentação. Orei mais. Passei a pedir que Deus guiasse meu caminho nesse assunto. Fiz terapia, confrontei meus medos. Me abri com amigas, chorei. Procurei terapias alternativas, uma delas foi a terapia neural, que considero ter feito uma diferença positiva significativa no meu caso. Confiei que encontraria uma saída não cirúrgica, mas em paralelo fui me preparando emocionalmente para passar por ela, caso fosse necessário. Se assim fosse, ela seria feita nesse mês, Janeiro de 2014. Mas no final de Outubro, um milagre aconteceu, e na metade de Novembro me descobri grávida naturalmente. Sem “forcinha”, sem hormônios artificiais, sem cirurgia. A minha alegria precisa ser compartilhada. Quero que outras mulheres que tem endometriose conheçam o meu caso e acreditem, mas além de acreditar, que ajam! Que mudem seus hábitos! Que revejam seus comportamentos anti-saúde! O nosso corpo nos pertence, está em nossas mãos cuidar bem dele. As doenças são sim criações nossas, não de Deus, não de fora de nós. Sim, devemos assumir a responsabilidade pela nossa cura, pois isso nos liberta! Querida amiga dona deste blog, gostaria de agradecer-lhe profundamente por seu trabalho de compartilhar a sua experiência e toda a sua pesquisa. O que você fez por mim, certamente faz para outras mulheres. Que Deus te abençoe muito e à sua família. Seus relatos trouxeram muita luz para minha vida. Eles fizeram o que nenhum médico conseguiu fazer. Finalizando, a endometriose continua aqui. Tenho um endometrioma de 6cm no ovário esquerdo. Minha luta continua. Hoje, consigo até agradecer a endometriose, pois ela me trouxe muita consciência. De onde eu estava, de como me cuidava, do quanto não honrava ou valorizava meu ser mulher. Hoje me dou mais valor e carinho. Sou mais grata ao que tenho. Tenho mais fé do que nunca. Fiquem com Deus, todas as mulheres que enfrentam a endometriose. Estamos juntas!
    OBS: de forma alguma sou contra a medicina. Seus remédios e cirurgias aliviam agonias e salvam vidas todos os dias. Mas não acredito no sistema médico atual, em que a cura está inteiramente nas mãos do “doutor”. Deixamos de ser protagonistas de nossas vidas e confiamos nossa saúde a estranhos. Nos tratamos com drogas que geram outras doenças. Por isso, hoje procuro ouvir mais o meu corpo e buscar soluções mais naturais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carol:

      Estou emocionada com sua mensagem. Publiquei no blog para que mais e mais mulheres tenham a certeza de que é possível, sim, superar a endometriose (http://endometrioma.blogspot.com.br/2014/01/a-gravidez-de-carol.html). Desejo as sublimes bênçãos de Deus em sua vida.

      Gostaria muito de conversar com você. Envie seu e-mail. Não vou publicá-lo. Com grande carinho,

      Excluir
  4. Também fiquei emocionada e cada relato e tenho a certeza que estou no caminho certo.
    Faço tratamento hormonais há quase dois anos, tenho focos e endometrioma no ovário esquerdo e devido o meu rim esquerdo ser pélvico, na época a cirurgia foi descartada. Devido as dores não melhorar , dores 24 hs no lado esquerdo, na ultima consulta o médico decidiu fazer a cirurgia. Ainda não sei se quero fazer.
    Pq depois que conheci o blog comecei a prestar mais atenção em meu corpo, mudei minha alimentação (ainda não está 100% rsrs), fiz o composto de babosa e o pouco que mudei não sinto mais dores e decidi que não tomarei mais hormônios e como ultima vez tomei a injeção que pausa a menstruação por 3 meses, então tenho que esperar o efeito passar.
    Na próxima semana tenho consulta , estou ansiosa para ver os resultados.
    Vou me casar em março e tão logo que ser mãe, pois já estou chegando nos 29 anos rsrss. Até então não sei até onde a endometriose afetou a minha fertilidade. Mas posso a dizer com certeza que a endometriose não afetou a minha fé em Deus e a vontade de vence-la.

    Carol muito obrigada pela dica, também quero conhecer esses produtos.

    Meninas é isso, estou muito feliz por vocês e que Deus as abençoe.

    Josiane

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Josiane:

      Como as mudanças que fazemos são gradativas, os resultados são gradativos. Da minha experiência, foi preciso persistir bastante, fazer várias adaptações, repensar cada etapa até que os exames médicos demonstrassem o resultado esperado: a diminuição significativa dos focos de endometriose. Já a dor, passou logo no início, quando iniciei as mudanças. Minha qualidade de vida voltou e, aos poucos, o corpo se fortaleceu também para eliminar naturalmente focos de endometriose.

      Se você vai parar com o uso de hormônios, minha sugestão é que procure fazer todas as mudanças necessárias em seu estilo de vida, fazendo muito exercícios físico, cuidando da alimentação (consumo zero de açúcar e industrializados), dando completa atenção a cada aspecto, pois mesmo sem dor, a endometriose pode avançar. A cirurgia, dependendo do caso, é necessária sim. Depende da extensão dos focos e do risco que oferecem. Mas, como sabemos, ela não é curativa. Por isso, com ou sem o procedimento cirúrgico, a mudança de estilo de vida é o único caminho efetivo de fortalecimento do organismo. Mas é necessário assumir um compromisso com as mudanças de hábito.

      A caminhada é árdua e nem sempre as respostas são rápidas e correspondem a nossa expectativa imediata, mas esse caminho de saúde traz imensos benefícios. Vale a pena persistir. Tenha certeza disso. Desejo muito sucesso em seu tratamento! Com Deus, encontramos a força necessária para fazer as melhores escolhas e seguir confiantes. Parabéns pelo casamento! Desejo muitas felicidades!!!

      Excluir
  5. Olá,

    Na ultima consulta ao especialista disse a ele que estava tentando controlar a endometriose com alimentação.
    Ele completou dizendo que os produtos industrializados devem ser evitados.
    E também comentou que no ultimo congresso sobre endometriose, estudos mostrou que o chá verde trouxe bons resultados.

    No momento abracei a idéia, depois da consulta lembrei que o chá verde contém cafeína, mais que seja em baixa quantidade comparado com o café. Mas tem.

    Permita-me a te perguntar :
    vc já fez uso do chá verde ? Qual tua opinião?

    Parabéns pelo teu menino. Que Deus sempre abençoe tua família.

    ResponderExcluir
  6. Sim, os industrializados, em geral, devem ser evitados (enlatados, embutidos, produtos com corantes, conservantes, sódio, açúcar, gorduras prejudiciais...). Fico feliz porque você encontrou um médico que valoriza esse aspecto essencial! Médicos assim são uma raridade.

    Eu não usei chá verde. Eu não faria uso do chá verde devido, justamente, à cafeína. Acredito que a superação da endometriose não está relacionada apenas a abstenção de um ou outro item alimentar. Essa superação tem a ver com uma mudança global de estilo de vida, que inclui atividade física, emoções, e outros aspectos. Mas é muito importante, sim, refletir sobre nossos hábitos alimentares. Cada alimento impacta o organismo de diferentes formas. A cafeína está ligada à insônia, diabetes, colesterol, risco aumentado de aborto, infertilidade... além de aumentar o estrógeno, um combustível para a endometriose (Veja esse texto que escrevi com as referências científicas sobre o assunto: (http://endometrioma.blogspot.com.br/2011/12/endometriose-e-cafeina.html).

    Obrigada pelas palavras de carinho. O bebê João está quase com seis meses. Logo escreverei um texto contando sobre seu nascimento.

    Desejo sucesso em seu tratamento!

    Carinho,

    ResponderExcluir
  7. Oi!!! Também tenho endometriose e faço tratamento. A exatamente um ano atrás encontrei seu blog e passei a mudar alguns hábitos graças a você. Queria muito agradecer às dicas e a me fazer ter uma outra visão sobre o assunto. desde então faço várias pesquisas sobre endometriose e tento buscar alternativas para viver bem comigo mesma! Obrigada por compartilhar com todas nós a sua história. Ela me inspirou muito. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por escrever, Carla! Suas palavras são motivadoras! A endometriose é uma doença séria, mas pode sim ser superada. Desejo a você muito sucesso. Carinho. Um grande abraço,

      Excluir
  8. Ola hoje em fase de diagnostico ainda abri e vi esse blog.. Me ajudou muito as informações.. Ja estava me tornando vegetariana antes de saber dessa doença, meu noivo é vegetariano, mas as informações sobre a massa foi muito útil... Meu desafio é o esporte e tomar as vitaminas de forma correta pq sempre me esqueço mas sei q vou criar o habito... Estou assustada, mas muito determinada em me libertar disso! Eu me chamo Mirian e fico grata por todos os relatos! Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida Mirian! A mudança de estilo de vida é essencial. Continuo bem, com a endometriose controlada, sem uso de remédios. Nessa transição, é importante buscar as vitaminas e nutrientes na alimentação, comendo legumes e frutas variadas. As vitaminas sintéticas não fazem o mesmo efeito, não nutrem o corpo como deveriam. Em algumas ocasiões são necessárias (carência de B12, carência de vitamina D...). Invista nos exercícios, pois eles são um dos aspectos mais importantes. Não desista. Siga firme e confie em Deus. Um grande abraço!

      Excluir
  9. Depois de ler quase todos os posts publicados no seu blog, fiquei pensando como voce está. Parte de mim diz que estas bem e outra parte de mim lamenta por ver que parou de escrever...
    Descobri recentemente que tenho endometriose profunda no intestino e pesquisando o tema, cheguei aqui. Honestamente nao vi nada igual. Alguem que fala com o coracao, otimismo e sabedoria. Alem da fé, do carinho, o conhecimento baseado em fatos. Fiquei encantada com a sua filosofia de vida e da sua capacidade de transformar as palavras em atitudes e esperanca para todas nos portadoras. Obrigada por melhorar o meu dia e por me fazer seguir adiante, acreditando que é possivel vencer as dificuldades. Que Deus te proteja e te ilumine. Que ele continue cuidando de voce e de sua famila. Felicidades! E nao deixe de escrever . Um grande e apertado abraço, Juliana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Juliana. Que palavras tão lindas... Sinto falta daqui, deste espaço, onde a escrita é compartilhada, nossa vida se encontra. Encontro entre dores, é verdade. Mas encontro em busca de vida, acima de tudo. Vida que pode ser redescoberta, reescrita com superação. Eu venci a endometriose. É possível, é real. Mas eu mesma preciso me reler continuamente frente a outros desafios que sequer imaginava que surgiriam diante de mim. A vida se renova, os desafios se renovam e é preciso que a vida se renove novamente.
      Quanto à endometriose, esse caminho se mostrou eficaz. Estou bem. Meu bebê-menino está bem. Um presente de Deus.

      Gostaria de voltar a escrever. Obrigada por me fazer escrever agora. Fez-me bem, muito bem. Desejo-lhe força em seu caminho de superação. Deus está ao seu lado, sua escrita me diz. Você escreve como quem abraça, como quem acolhe. Obrigada pela acolhida. Eu estava precisando. Escreva um blog. Escreva contando sobre sua fé, sua atitude, sua esperança... Escreva. Fará bem a muitas pessoas. Carinho,

      Excluir
    2. Fiquei emocionada em voltar aqui e ver que tinha lido meu depoimento e que, ainda, tinha respondido. Compreendo o quanto é dificil manter todas as coisas funcionando ao mesmo tempo quando a gente tem um bebe. Tenho uma menina com 5 anos e tive um blog sobre construcao, que comecei antes de ficar gravida. Depois que ela nasceu nao consegui manter, nao tinha tempo para escrever. Hoje tenho vontade de ter outro blog, estou amadurecendo a ideia. Obrigada pela sua sugestao e pelo apoio. Obrigada de todo o coracao pelas palavras e pelo seu tempo. Tudo de bom para voce e sua familia. Um abraçao e ate breve. Juliana

      Excluir
  10. De tempos em tempos volto aqui para reler as matérias.Seus textos são uma inspiração pra mim.Uma pena que não escreva mais.Gostaria de saber se continua dando certo pra vc espero q sim.É muito dificil manter isso por muito tempo sempre tem épocas que eu dou umas escorregadas e dai tem q começar tudo de novo.Tenho 27 anos e tomo alurene a quase três.Esses dias li que so pode ser tomado por no máximo três meses!Fiquei desesperada ate pq minha medica me disse que tomaria por anos.Estou com medo de continuar tomando e vou parar agora q acabou a ultima cartela.Ele me ajudou com as dores com ele não sinto.Vou pedir pra medica passar a guia pra fazer esses ultrassom diferente pq ate hoje não sei direito o q nem o quanto tenho.Todos os exames que fiz nao acusava nada exceto o CA 125.Tem que ser muito louca pra fazer um tratamento desse assim ne acho q só eu mesmo rsrsrs.Meu marido não concordou eu falei pra ele q vou ficar um mes so pq quero fazer o CA 125 estando menstruada pq não adianta nada fazer tomando remédio.Mas o meu plano e não tomar mais e ir lidando w aprendendo.A alimentação ja mudei bastante quase 100% do que eu gostaria e exercício tb.Tomo suco verde quase todo do o que vc acha disso?Coloco couve gengibre laranja ou limão as vezes faço vermelho com beterraba cenoura gengibre pepino etc.Tomo em jejum de manhã.A babosa minha mae usava acho q vou pedir pra ela de outro jeito acho difícil.Força ai menina!!!Não desista nunca vc não esta sozinha!

    ResponderExcluir
  11. Esqueci de falar uma coisa.É mais um desabafo mesmo.Todo mundo me trata como a louca da dieta.Acham que estou seguindo dieta da moda.Eu nao como glúten pq ja percebi que piora quando como.Eu tenho dor em volta do umbigo e do lado direito no pé da barriga.Quando como gluten a que fica em volta do umbigo fica dolorida de um jeito que nao da nem pra encostar.Tambem nao como açúcar e chocolate café porque me da crises de enxaqueca.Levei vários anos para descobrir o que me dava enxaqueca. O problema é q tem um monte de gente ignorante que me trata como se eu tivesse seguindo modinha eu fico muito irritada com isso.Agora imagine quando contei que li sobre seu blog na net.Todo mundo vinha e falava que a internet esta cheia de mentiras e que eu nao devia acreditar em tudo que eu ler por ai!!Pior foi meu marido concordar ele que esteve todo o tempo do meu lado viu tudo de perto.Mas nao to nem ligando so quem tem o problema que nos temos sabe como e difícil ficar testando alimentos um por um até entender o que e melhor.Acredito q com vc tb deve ter acontecido não?

    ResponderExcluir
  12. Olá, Nana D!

    Após o nascimento de meu filho, refiz os exames. Os tamanhos dos focos de endometriose não diminuíram, mas também não aumentaram.

    Continuo firme em meu estilo de vida. Mas não tenho conseguido me exercitar como antes por causa dos cuidados com o bebê. Sinto, sim, um cansaço e inchaço maior no corpo, por conta dessa inatividade. Mas espero voltar o quanto antes às atividades físicas aeróbicas.

    Eu também enfrentei e ainda enfrento muitas críticas ao meu novo estilo de vida. No início, meu marido também tinha dúvidas sobre os resultados que eu obteria com a alimentação natural etc. Mas ao ver minha convicção e os primeiros resultados, logo me apoiou.

    Sei o quanto é difícil nadar contra a correnteza. Mas não desanime. Você não está sozinha. Minha história é real. Continue fazendo as mudanças. Somente a sua própria vida, sua saúde transformada, poderá mostrar às pessoas que vale a pena. Você não apenas trará benefícios a si própria, como se tornará uma inspiração a outras pessoas.

    No meu caso, a convicção para mudar e persistir nesse novo caminho, sem me deixar abalar pelas críticas constantes, veio pela oração. Acho que Deus nos conhece, nos ouve, nos ensina o caminho e nos dá forças para seguir nele. Apesar de todas as dificuldades, esse caminho nos dá também alegrias e recompensas. Vivo uma vida sem dor e tenho meu filho nos braços. Nada melhor do que os resultados dessa mudança para nos dar mais convicção sobre a importância de mudar nosso estilo de vida e estimular as pessoas a também buscar mudanças em sua vida, assim como você tem buscado fazer.

    Desejo muito sucesso em seu tratamento, muita força e os cuidados de Deus em sua vida!

    Com muito carinho,

    ResponderExcluir
  13. Olá! Antes de ser diagnosticada, já havia pesquisado muito sobre endometriose e por algumas vezes passei pelo seu blog. Gostaria de parabenizá-la por tanto conteúdo e informação de qualidade.
    Depois de passar por 2 médicas bem formadas e nenhuma delas ser capaz de acertar o diagnóstico, ou sequer ler corretamente o exame solicitado (na época, uma ressonância), e depois de muitas dores, desmaios e complicações na vida, resolvi que valeria a pena ir no melhor medico que haviam me indicado, o Dr. Paulo Ayroza. Levei uma ressonância de 2 anos atrás e ele discordou com o laudo feito pelo laboratório e detectou endometriose, tanto no exame de imagem, quanto no exame de toque, confirmado por outra médica especializada em um ultra-som.
    Mesmo sem o diagnostico de endometriose, há um ano e meio fazia um tratamento de interrupção do ciclo menstrual através de uso de anticoncepcional sem interrupção. Um belo dia tive mais uma das cólicas insuportáveis, dessas de não conseguir levantar para buscar um remédio e de desmaiar de dor.
    Isso sem menstruar. Cheguei a tomar medicamentos para cólicas intestinais, mas o problema era a endometriose que não havia sido diagnosticada.
    Todo esse cenário me fez refletir tanto o ritmo que atualmente tenho no trabalho, de chegar a trabalhar 14h por dia, minha alimentação que já foi muito balanceada e saudável, passou a ser péssima, não tinha nenhum tempo para exercícios físicos e não encontrava mais tempo para dedicar à minha fé também.
    Da mesma forma, também refleti que mesmo tendo acesso a médicas muito boas e recomendadas, no meu caso, somente após procurar o melhor médico (e também o mais caro) que consegui um diagnóstico adequado. E então, procurar um exame específico, com uma médica específica, que também tem um alto custo e que praticamente o resto da população não tem acesso. É todo um cenário para se refletir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Nadine. Desculpe-me a demora em responder. Sim, obter um diagnóstico é para poucos. Repeti, há pouco tempo, o exame com o médico especialista para avaliar meu quadro atual. Ele foi quem desenvolveu o exame específico, por imagem, para o diagnóstico da endometriose. Um excelente especialista que oferece um exame caríssimo. Perguntei a ele sobre o interesse de oferecer treinamento para profissionais de saúde pública para o diagnóstico da endometriose. Ele me disse que não haveria esse interesse do poder público. Afinal, quanto maior o número de mulheres diagnosticadas, maior seria a demanda por um tratamento específico e caro. Essa é a opinião dele.

      Minha opinião é outra. Precisamos sim de serviços eficientes em diagnóstico, pois o tratamento não requer fortunas. É possível recuperar a saúde mudando o estilo de vida, repensando sobre o uso indiscriminado de fármacos hormonais, refletindo sobre a própria realidade, como você faz em seu relato.

      A dor é tão grande que nos faz pensar que a solução é complexa.
      A complexidade está em mudar a própria vida. O corpo adoece em resposta ao adoecimento de nosso dia a dia. O corpo se recupera quando redimensionamos nossa realidade. Sim, é um grande desafio. Desafio que, no meu caso, tenho vencido com fé, algo vital que também faz parte de sua vida.

      Que neste novo ano, Deus a fortaleça. Agradeço muito a sua escrita, suas reflexões.

      Com carinho,

      Excluir
  14. Boa tarde! Parabéns pelo seu blog. Você não sabe o quanto nos tem ajudado em momentos de muitas dúvidas. Tenho endometriose superficial e recentemente passei por uma cirurgia umbilical, para retirada de um endometrioma, a princípio um médico pensava que era uma hérnia umbilical. Já vinha mudando minha alimentação desde 2015 e agora estou mudando ainda mais, inspirada em seu blog. Venho tomando a babosa da Forever e virei vegetariana. Estou na primeira caixa de Allurene e estou quase decidida a abandoná-lo e partir para uma terapia ayurveda. Muito obrigada por compartilhar sua experiência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Siga firme. É o melhor caminho, o único. Pare com o Allurene. Não faz bem algum, pelo contrário.

      Excluir
    2. Boa noite! Larguei o Allurene sim. Chutei o pau da barraca huahuahua. Estou apostando na alimentação saudável. Você já ouviu falar na alimentação viva? Sobre o poder dos germinados e dos brotos? Vi relatos de até cura de câncer com esse tipo de alimentação. Estou começando a fazer umas alterações no meu cardápio para introduzir de maneira gradual essa alimentação, que promete ser uma transformação na nossa energia e saúde.

      Excluir
    3. É excelente! Uso brotos de alfafa, trevo etc. orgânicos! Fazem muito bem. Mas há muito o que aprender ainda. Obrigada pela partilha! Procure também ter uma rotina fixa de exercícios físicos aeróbicos (Faça com moderação. Por exemplo, caminhar em aclives e declives é melhor do que correr em ritmo exaustivo...). Também use fitoterápicos. O composto de aloe é revigorante, medicinal. Siga em frente. E compartilhe os resultados!

      Veja a notícia de uma universitária da Unesp que teve AVC por conta do uso de anticoncepcional: http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/bbc/2016/08/03/como-fui-parar-na-uti-por-causa-de-pilula-anticoncepcional.htm

      Drogas hormonais não fazem bem. A endometriose é uma doença séria. E a única maneira segura de vencê-la é mudando o estilo de vida. Boa sorte! Com carinho,

      Excluir
  15. Vou relatar o meu caso, pois acredito que a minha endometriose teve início com um cisto de ovário! eu comecei a sentir minha barriga empanturrada e mesmo evacuando era como se ela continuasse cheia, tomava laxante e não adiantava, nessa época eu estava acima do peso, me alimentava terrivelmente e vivia num relacionamento que me aprisionava. Eu nunca senti dores horríveis de cólicas, nunca fiquei um mês sem menstruar, também não tomava anticoncepcional, apenas pílula do dia seguinte de vez em quando. Após o episódio da barriga que não parecia "desempanturrar" eu não tive outro problema igual. Comecei então a tomar anticoncepcional, tomei durante um ano, não sentia absolutamente nenhum efeito colateral, minha pele estava linda. Meus problemas começaram quando parei o anticoncepcional, comecei a sentir um cansaço extremo, eu sentia como se o meu ciclo menstrual, isto é, a minha TPM, ficasse num prazo bem maios, sentia os efeitos da TPM aumentados e prolongados, não sei se minha menstruação estava irregular em relação a quantidade de dias, mas começou a vir uma vez ou outra, em abundância. Até ai eu não sentia cólicas e não sentia outras dores, mas não conseguia dormir, passava a noite inteira indo ao banheiro, era horrível. Também não conseguia emagrecer, fui em vários endocrinologistas, pois jurava ter hipotireoidismo, mas eles diziam ser subclínico, era uma alteração mínima e que não era tratável naquele momento. Eu sentia dores por todo o meu corpo, mas consegui emagrecer, porém a TPm estava cada vez mais exacerbada. fazia ultrassonografia, mas nada era encontrado.

    ResponderExcluir
  16. continuação
    Foi ai que cansada disso tudo fui ao meu ginecologista e fiz um ultimato, queria tomar um anticoncepcional que resolvesse meu problema. Meu inferno começou ai, ele me receitou um anticoncepcional injetável que eu tomei durante três meses, logo na primeira, inchei como um balão, tudo piorou, o que já era ruim tornou-se muito pior. Inchei e não desinchei mais, vivia com sono, cansada e sonolenta e foi aí que as terríveis cólicas começaram, na época da menstruação se eu comesse um alimento com fibras, minha barriga inchava tanto e eu começava a ter uma cólica absurda, eu sentia minha barriga literalmente pulsando, minha pressão baixava, eu pensava que iria morrer, sentia vontade de vomitar, cheguei a ir ao médico tomar buscopan na veia, esse episódio ocorre comigo durante umas 4 vezes em um ano, após ter tomado o anticoncepcional. Em consulta com outro médico em outra cidade, fiz uma nova ultrasson e foi constatado um endometrioma de 5 cm no ovário direito e um de 2 cm no ovário esquerdo, também estava com hidrossalpinge na trompa esquerda. Fiquei louca, não raciocinava, não sabia o que era isso, achava que nunca poderia ter filhos, de forma maluca, me operei com a primeira médica que apareceu e que meu convênio atendia. Foi ai que meu segundo inferno começou. A médica havia me garantido que o máximo que iria retirar seria minha trompa com hidrossalpinge, mas ela retirou foi meu ovário direito, deixou as duas trompas e me disse que eu poderia engravidar normalmente, feliz da vida acreditei naquilo. Não tomei nenhum remédio durante seis meses, mas comecei a sentir uns sintomas estranhos, agora eu sentia uma cólica na região lombar e também comecei a te rirregularidade menstrual, um mês veio tanto sangue que eu meu assustei, fiz uma ultrasson e foi desoberto que o ovário esquerdo estava com um cisto, ou seja, era o mesmo cisto que ela não mexeu, agora bem maior, a trompa continuava doente e agora eu estava com suspeita de endometriose no intestino. Vivi dias de horrores, só chorava e queria morrer. Eu não acreditava que aquilo estava acontecendo comigo. ao fazer a ultrasson, no 6 dias após a menstruação, constatou-se que o meu endométrio estava com 0,7 mm, ou seja, eu tinha acabado de menstruar e meu endométrio já estava espesso, foi aí que fiz uma ligação entre o cisto e a minha endometriose, o cisto não deixava com que o endométrio se desprendesse por completo e quando tomei o anticoncepcional injetável era como se de alguma forma aquela carga hormonal, houvesse desequilibrado mais ainda meu sistema hormonal, fazendo talvez com que o endométrio se desprendesse do útero, mas como talvez não fosse para aquilo acontecer daquela forma, meu organismo o prendeu em outras áreas.

    ResponderExcluir
  17. cont.
    Eu acredito nisso, pois o cisto desregulou minha menstruação. Quando fiz a cirugia o médico não encontrou foco de endometriose, mas sim, várias aderências e um cistoadenoma seroso, mais dois pequenos endometriomas. Chequei a tomar anticoncepcional a pós a cirurgia, inclusive allurene, mas fiquei com uma constipação terrível que até hoje não passa. Não tomo nenhum anticoncepcional e me sinto bem, minha menstruação está regular com 28 dias, e vem um sangue normal, e de forma moderada nos dois primeiros dias. Nõa sinto mais as terríveis cólicas. Por esse motivo acredito que a minha endometriose tenha sido causada pelo cisto aliada ao uso de anticoncepcional. Já vi vários relatos de mulheres que tiveram endometriose após terem um cisto hemorrágico. OS médicos dizem que se os cistos não apresentarem sintomas eles são inofensivos. Mas eu acho que isso não é verdade, acredito que eles atrapalham o funcionamento do sistema hormonal feminino, mexendo com a menstruação e o endométrio e que em muitos casos o anticoncepcional pode trazer complicações como foi o meu caso. Pra mim a endometriose é uma consequência do mau funcionamento dos ovários. Posso estar sendo ingênua e eu sei que eu não tenho conhecimento técnico nenhum, mas pelo menos até agora, eu acredito que o que aconteceu comigo foi isso. Os médicos deviam pelos menos se atentar a essa possibilidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço seu relato. Obrigada por escrever! Sua experiência pode auxiliar muitas outras mulheres e nos levar a uma maior consciência sobre as causas da endometriose e suas complicações.

      Se no momento em que uma mulher descobre um cisto ou a endometriose, ela tomasse a forte decisão demudar seu estilo de vida, sua saúde seria reestabelecida, sem sofrimentos, sem as dores que o “tratamento” hormonal e cirúrgico trazem.
      O que transforma cistos e cólicas suspeitas em endometriose e cólicas doentias é o anticoncepcional ou drogas hormonais, na maioria dos casos. Não em todos, mas em boa parte, por efeito direto ou indireto. Você tem razão em dizer isso. O que piora terrivelmente a endometriose podendo, inclusive, transformar os focos em câncer, são as drogas hormonais. Veja aqui um post que escrevi sobre anticoncepcionais e drogas hormonais: http://endometrioma.blogspot.com.br/2013/02/anticoncepcional-e-endometriose_1625.html Veja aqui a associação entre drogas hormonais e câncer: http://endometrioma.blogspot.com.br/2011/10/da-endometriose-ao-cancer-consciencia.html

      Recentemente, conversei com uma jovem médica, brilhante, professora universitária em uma importante universidade pública. Sentia cólicas terríveis, contou-me. Procurou o mesmo especialista que procurei, por insistência do irmão médico. Não foi diagnosticada com endometriose. Mas o médico lhe receitou uma droga hormonal, aceita de imediato. Pergunto-me: após a interrupção do uso desse medicamento, como ela ficará? Se agora não tem endometriose, após o uso dessa droga, poderá descobrir-se portadora dessa e outras doenças; no momento, em que, talvez, decidida engravidar novamente. Fará a associação entre o uso da droga hormonal e o surgimento da endometriose? Não sei. Os médicos, por razões difíceis de compreender, não tem feito essa associação.

      Acredito, pessoalmente, que mesmo após muitos anos de descuido com o organismo, ainda é possível recuperar a saúde com a decisão de mudar de estilo de vida. Uma vida com hábitos saudáveis pode sim interromper esse ciclo infernal que o atual tratamento médico nos impõe. É melhor prevenir, mas também é possível remediar. Alimentação natural, exercícios físicos constantes (Mas não excessivos), respiração correta, tranquilidade, recursos fitoterápicos, água pura, luz solar, abstinência de itens prejudiciais (álcool, cigarro, açúcar, cafeína, frituras etc.) são a fonte da saúde e também potentes remédios. Mas não deveríamos recorrer a eles só quando tudo falha, pois às vezes pode não ser possível reverter a situação. Precisamos também descobrir ou redescobrir um poder maior do que o nosso. Quem nos criou entende muito de nós, e sabe onde está a fonte da cura e de um bom viver.

      Desejo-lhe toda força possível para reverter o caminho e acreditar que é possível ter uma vida saudável mudando os hábitos. Volte aqui para contar sobre sua superação! Você verá no próprio corpo, com esforço e nova vida, que vale a pena seguir um caminho de nutrição e atividade saudável. O corpo responde bem. A vida fica melhor.

      Obrigada por escrever! Com muito carinho,

      Excluir
  18. Oie! Amei seu blog, parabéns!!
    Vc chegou a operar após fazer as mudanças de hábito?
    Bjs

    ResponderExcluir
  19. Obrigada, Jessica! Descobri a endometriose em 2008, depois de operada. Fiz as mudanças, com altos e baixos. Continuei com as mudanças. Até que os focos de endometriose começaram a diminuir de tamanho. Então, desde o diagnóstico nunca mais precisei de qualquer cirurgia, não usei nenhum fármaco hormonal (ou qualquer outro), nunca mais tive dor. Tenho acompanhado com exames. Está tudo bem.

    Mas o caminho exige persistência, uma nova maneira de ver a vida, de perceber que mudar a alimentação não é algo punitivo, mas essencial e também saboroso. Não como açúcar, não como frituras, chocolates, carnes, industrializados... Mas como tanta coisa boa, e meu paladar mudou. Esse caminho exige entrega, mas não é restritivo. a vida ganha novas dimensões!

    Sempre acompanhei tudo com exames médicos. A endometriose é uma doença séria. Por isso, eu não me dou ao direito de abrir exceções. Na verdade, depois de oito anos, eu não sinto a menor falta de açúcar, por exemplo. Nem de queijos nem de nada que não me fazia bem. Mas fui atrás de outros sabores. Não é só a alimentação. É a vida como um todo, em nova perspectiva. Vale a pena. É real.

    Carinho,

    ResponderExcluir
  20. Olá gostaria de saber se vc chegou afazer alguma cirurgia ?
    Quais são os exercícios que vc faz além da caminhada?

    ResponderExcluir
  21. Em 2008, recebi o diagnóstico de câncer de ovário. Fui submetida a uma cirurgia para a retirada do ovário direito. Após a biópsia, recebi o diagnóstico de endometriose. Essa foi a única cirurgia pela qual passei. Após mudar meu estilo de vida, não precisei de outra.

    Por enquanto, tenho tentado fazer caminhadas, pois os cuidados com meu filho ainda são intensos. Mas antes fazia caminhada duas vezes ao dia, em aclives e declives, com intensidade. Mas não me excedia nos exercícios. Por exemplo, eu não praticava corrida ou qualquer outro exercício que me deixasse exausta.

    ResponderExcluir