Arquivo do blog

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

A Corrida


19 de novembro de 2012

Recebi uma história de uma querida amiga do blog.
Li e me sinto motivada. Leiam e se inspirem.

Ufa! Finalmente cheguei. Pensei que não fosse conseguir.  Cinco quilômetros correndo direto, para quem mal caminhava, é mesmo uma tarefa hercúlea. Mas, pensando bem, por falta de exemplo não foi. Minha família tem tradição em corridas. Dezesseis quilômetros é o que me separa da minha irmã, que corre vinte e um quilômetros quase todos os dias. Uma meia-maratona desbravada nas manhãs ensolaradas, frias ou chuvosas. De fato, um exemplo e tanto. Um orgulho para mim. Isto sem contar os meus pais, que sempre deram os seus treinos de corrida também. 


A meu ver, tudo isso sempre foi belo, mas distante. Nada era capaz de me motivar a uma simples caminhada. Pensava convicta: não herdei esta vontade de caminhar e, muito menos, de correr. Ficou tudo para a minha irmã. Atividade física não é mesmo comigo. Ledo engano. O que me faltava era um motivo, algo determinante que mudasse a minha forma de agir. Tanto é que agora, que eu tenho um motivo, estou aqui me perguntando como vou superar meus limites físicos a cada dia. Indagação impensável até há pouco tempo. Respirar pausadamente sem perder o fôlego na hora da corrida (e os outros corredores não perceberem que eu o perdi rs), fortalecer as minhas pernas para que sejam capazes de correr mais rápido e, o mais importante de tudo, continuar a me sentir cada vez melhor passaram a fazer parte do meu estilo de vida. Hummm... É isto! Sentir-me melhor é o que conquistei com a corrida.  Pois, ela me deu, sobretudo, um poder sobre mim mesma. Um orgulho pra lá de especial.  Um fortalecimento. Deve ser a tal da superação que tanto as pessoas falam. Uma das alegrias da vida que, às vezes, nos esquecemos de buscar, pois só nos focamos nas coisas grandes. 


A questão é que um motivo nem sempre nos é dado de graça, de modo fácil e indolor. Ficar inerte e acomodada era tudo o que eu queria. Mas, não foi o que a vida me reservou. Após sentir os sintomas claros da endometriose e me consultar com médicos que pouco ou nada entendiam sobre o assunto, além de serem extremamente arrogantes e sarcásticos, resolvi agir e pesquisar formas alternativas de tratamento para o controle da endo.

E foi aí que tudo começou. O tempo passou, a pesquisa demorou, mas finalmente encontrei um norte. Como a bússola precisa pela qual o navegador se orienta, nossa querida amiga blogueira – legítima e abençoada dona deste blog –, sabedora e conhecedora da alma humana, me botou para acordar e correr. Em suas linhas – tão bem embasadas e escritas –, ela plantou em mim a semente do poder. Quando nos recrutou para a missão de nossa vida, transformou-nos em bravas guerreiras, que têm, para lutar, o respaldo de armas poderosas. Armas de criação ao alcance de todas nós. Uma verdadeira reinvenção na forma de viver.

Nas pesquisas que sempre nos brinda, nas descobertas que sempre nos anuncia, nas traduções que sempre nos clareia, nas orações que sempre nos fortalece, nos resultados que sempre nos traz, ela despertou em mim a vontade e a coragem de trilhar um caminho-irmão ao seu, capaz de também driblar aquela que cresce com a nossa fraqueza. 
Um caminho natural, de valorização do alimento, de encontro com a natureza, de dedicação ao corpo e à mente, de fortalecimento.

E foi assim que resolvi, ainda no início deste ano, sair do meu estado de conforto e começar a caminhar lentamente, passo a passo, até conseguir, hoje, correr. Refutando, dessa forma, a minha tese de que caminhar e correr não era para mim. 

No início, como a minha vontade era muito grande e intensa de diminuir os meus sintomas, fiz caminhadas longas e diárias por até 2 horas, mudei a minha alimentação, e investi nos fitoterápicos. Seguindo exatamente os rastros da nossa amiga blogueira. Com essa atitude, pude experimentar um bem-estar que transcendeu a urgência do próprio controle da endo. Ou seria o próprio controle da endo que me trouxe tanto bem-estar? Não sei. Ainda não fiz os exames para comprovar a eficácia do método. Vou esperar um pouco mais para fazê-los. Só sei que os sintomas melhoraram e, empolgada, participei da minha primeira corrida de rua. E assim, posso hoje desfrutar de muitos ganhos, físicos e, principalmente, emocionais. Além da melhora dos sintomas da endometriose, que se Deus quiser, está a caminho de ser controlada. Tudo isso é um verdadeiro salto na qualidade de vida.

Obrigada, minha amiga! Só quem tem uma luz muito forte é capaz de iluminar o caminho dos outros. E que as caminhadas e corridas que tenhamos que desbravar sejam, sobretudo, uma forma de consagrar a vida e que a chegada seja sempre comemorada pouco importando o seu resultado, pois a certeza de que o melhor fizemos é a nossa verdadeira conquista.

Beijão carinhoso,
Michele.
Brasília-DF, 19/11/2012.
   

7 comentários:

  1. Michele:

    Estou sorrindo e chorando, emocionada. Como posso sorrir e chorar agora? Dois carregadores de mudança passam pelo local onde estou sentada diante do computador, pois queria muito ver se você havia respondido ao e-mail. Estou mudando para a chácara dos sonhos... o primeiro passo para a terra prometida, ou a primeira terra prometida. Em meio a caixas e desconstruções, ao trânsito de pessoas na sua tarefa árdua de recolher e levar, aqui estou. Precisava ouvir você, precisa ler essas palavras... Meu Deus, você é uma escritora! Minha amiga, que privilégio é ser leitora de suas palavras. O que fiz para receber um privilégio tão grande de poder ler sua escrita? Eu só posso agradecer ao nosso Pai pela beleza da vida que se manifesta de tantas formas, e de modo intenso pelos relatos de força. Que as mulheres leiam, que as mulheres caminhem, que as mulheres corram em direção à cura. Que eu leia, que eu caminhe, que eu corra em direção à cura. Sem desanimar. No início de minha mudança, há 4 anos, a endometriose ainda crescia. Eu estava em um caminho de erros e acertos, de tentativas, de experimentações. Depois, os focos pararam de crescer, sem remédios, sem cirurgias, menstruando todos os meses. Agora eles estão, a cada exame, menores. Eu saí do lugar imóvel, dei meus primeiros passos, iniciei essa caminhada sem o propósito de alcançar a linha de chegada... Seria uma caminhada contínua. Sim é contínua, mas agora acredito que os focos podem sumir. Mas a medalha mesmo é a vida em cores. O prêmio é sentir o fôlego e sua renovação. O presente é a Palavra.

    Senhor Jesus, eu O agradeço pelas palavras que envias. À semelhança do Senhor que nos inspira e nos fortalece, o Verbo se fez carne nessa linda experiência. No início está o verbo. Mas importa que ele se torne vida.

    ResponderExcluir
  2. Minha amiga, fico muito feliz que hoje esteja se mudando para essa querida chácara. Que coisa boa é essa mudança. Que coisa boa é realizar um sonho. Acreditar no que quer e não hesitar em apostar nisso. É tão empolgante esta expectativa do que vem pela frente. Sem dúvida, chegar a um novo lar é um momento importante e decisivo na nossa vida, já que nos permite viver a experiência de adaptação a outro lugar e de ampliação do nosso universo, possibilitando que a criatividade se expresse em todas as suas formas. É um tempo em que nós podemos mudar tudo. Ou preservar aquilo que nos é importante. Mas, de qualquer forma, é sempre uma oportunidade de renovação. Que esse novo lar, nessa chácara, esperada e amada, seja sua fonte de energia e aconchego, porque se há uma coisa importante nesta vida é ter um lar querido. Viva a nova casa! Viva a coragem e obstinação daqueles que, como você e o seu marido, acreditam e valorizam seus objetivos! Parabéns, minha amiga! Felicidades e bênçãos no novo lar.
    Nem sei como agradecer o carinho que você depositou na leitura do meu texto. Assim, acredite, é bem fácil me inspirar. Quando se tem pessoas sinceras e amigas do outro lado, tudo flui naturalmente. Em especial, quando a pessoa a quem a nossa mensagem se destina nos traz tantos valores imprescindíveis. Valores esses que me possibilitaram viver essa experiência.
    Adorei a corredora da ilustração. A imagem traduziu tudo. É belíssima! Quanta sensibilidade! Fiquei imensamente feliz. Adoro pinturas, telas, ilustrações, fotografias, quadros. Obrigada pelo capricho.
    Quanto à mensagem do texto - A corrida -, gostaria muito que pudesse ajudar as mulheres que, assim como eu, queiram ter melhora na qualidade de vida. Na verdade, estou seguindo os seus ensinamentos. Elas sabem disso.
    Um grande beijo, minha amiga, e não deixe nunca de nos presentear com os seus textos, experiências, relatos, histórias, que tanto nos enchem de esperança e fé. Nossa querida mensageira da cura, esperamos por você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha amiga querida:

      Não havia visto seu comentário! Quanta alegria em ler suas palavras. Recebi um e-mail de uma amiga que me perguntou sobre você: "ela é escritora?" Sim, você é escritora. Quanto privilégio em ter sua experiência retratada aqui com tanta sensibilidade e talento literário. Quanto à imagem, eu precisava de algo que tivesse as cores de seu lindo texto. Enquanto a mudança saía e meu marido me chamava, eu fiz uma procura intensa por fotos no google images. Então fiz uma prece para encontrar a ilustração digna de seu texto, a tempo. Não me recordo mais da palavra-chave que usei, mas surtiu resultado. Na última hora, consegui colocar a foto. E fomos embora, para a nova casa, essa chácara onde estou agora. A internet ainda é bem ruim. Às vezes, não permite nem responder e-mails. Mas hoje, com esse céu azul e sol intenso, está ótima.
      Seu texto tem chegado a outras mulheres, por meio dos caminhos inusitados da internet. Recebi alguns e-mails elogiando sua escrita e experiência. Somos todas mensageiras de cura (essa expressão me emocionou!) e precisamos compartilhar nossa esperança e nossas vitórias, nossas dores e bálsamos, também as lágrimas e os trajetos superados, com força e sensibilidade.

      Um grande abraço!


      Com gratidão, carinho e muita admiração!

      Excluir
  3. Vou jogar aqueles brigadeiros, que estão na geladeira, no lixo agora! Amanhã vou levantar cedo e vou caminhar... Um dia quero correr também!

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Primeiramente, tenho que parabenizá-la pelo conteúdo do seu blog, muito bom!
    O diagnóstico correto da minha endometriose profunda consegui no final de 2010 para 2011 apesar de já ter dores e dores desde + ou - o ano de 2000. Em 2011 descobri seu blog na procura de informações. Seus textos são realmente empolgantes. E hoje voltei a dar uma olhada e li o texto da Michele, encantador e realmente dá resultado, pois eu havia em 2011 e 2012 já parado de praticar qualquer atividade devido às intensas dores, foi quando mais ou menos em abril decidi voltar a praticar alguma coisa, nem que eu conseguisse apenas andar, e foi o que fiz...Hoje quase um ano depois já consigo correr 5km, voltei pra academia e estou tentando mudar minha alimentação, cortando açúcar e outras coisitas mais...Minhas dores ainda são intensas, mas meu objetivo é ter uma qualidade de vida melhor.
    Obrigada por compartilharem as experiências de vida, pois com isso podemos nos fortalecer e continuar lutando!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida amiga Derlane:

      Suas palavras são de muito estímulo e manifestam sua grande força de vontade, sua força de luta e superação. Mesmo com dores, passou a caminhar e agora, após um ano, está correndo. Um exemplo para todas nós. Sua experiência, assim como a da Michele, é linda. Saiba que ao ler o que você escreveu, eu me sinto ainda mais motivada. Receber sua mensagem representa muito pra mim. Escreva sempre, minha amiga. Todas nós seremos muito beneficiadas pelas suas experiências. Fique com Deus.

      Carinho,

      Excluir
    2. Boa-noite, Derlane! Como é bom ouvir o seu texto. Sei o quanto significa cada passo que você dá em busca desse caminho de cura. Não é nada fácil assumir a responsabilidade de ter que controlar a endo por meio da alimentação, exercícios físicos e equilíbrio mental. As tentações são muitas e os contratempos também! Mas, aqui, como você, encontro a força e o exemplo abençoados para prosseguir. Eu também ainda tenho dores durante o período (e também ardor na bexiga), mas já estou bem melhor do que antes.A prática esportiva me deixou mais fortalecida; a alimentação saudável, mais segura. Recentemente, ao seguir uma dica da nossa amiga, diminui o sal da minha alimentação (gosto muito de sal rs) e, agora, estou na expectativa dos resultados. Torço para que sejam os melhores possíveis. Talvez, demore mais um pouco para sentí-los, mas não vou desistir. Sua coragem, resiliência, sabedoria, amor por si mesma e fé me motivam mais! Parabéns, Derlane, pelo exemplo! E muito obrigada! Um beijo.

      Excluir