Arquivo do blog

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

A consulta



Ontem, fui à consulta. Assim mesmo, “a consulta”. Depois de idas e vindas, erros e ausência de informações, diagnósticos precipitados e um agir médico incapaz de detectar as falhas em meu corpo, procurei um especialista em endometriose. A consulta durou quase duas horas. Fiz muitas perguntas e imediatamente após as respostas, ouvia a mais rara de todas as frases dentro de um consultório médico: “mais alguma dúvida?”

Compartilho alguma das preciosas informações que recebi: 1. Não importa o tamanho do cisto endometrial, o correto é laparoscopia e não cesariana (tinha um cisto de 14 cm que poderia ter sido retirado por laparoscopia); 2. Se o endometrioma romper na cirurgia não há problema algum; 3. Dizem que o diagnóstico preciso só ocorre com a cirurgia laparoscópica, mas médicos brasileiros estão desenvolvendo uma avançada técnica de diagnóstico por imagem. Desta forma, antes de operar, o médico tem certeza do que se trata; 4. Com o toque, o médico especialista pode reconhecer a presença de endometriose vaginal ou intestinal; 5. A principal hipótese para a endometriose é a menstruação retrógrada (o sangue volta para o corpo da mulher). O sistema imunológico deveria ter a capacidade de expulsar o endométrio do corpo, mas ocorre uma falha. Por isso, a endometriose pode ser considerada uma doença auto-imune (quando o próprio organismo se agride), embora não se tenha ainda essa comprovação.

Há informações mais gerais, outras mais específicas. Enumerei apenas algumas questões que me traziam preocupação. O médico requisitou os seguintes exames: hemograma completo, tiroxina livre (T4 L), hormônio luteinizante (LH), fator anti-nuclear (FAN), anti-TPO (anticorpos), cardiolipina IgA (anticorpos a), prolactina, TSH (Hormônio tireoestimulante), FSH (hormônio folículo estimulante), Estradiol (E2), CA 125 II, Anti-tiroglobulina, cardiolipina IgM. (anticorpos a), anticorpo anti-ENA (Sm). E também um ultrassom transvaginal (com Doppler colorido) e um ultrassom do abdômen total. Pesquisas sugerem que a endometriose está associada a doenças na tireóide, por isso ele pediu os exames TSH, FSH, T4. Já o CA 125, um marcador tumoral, é um clássico da endometriose. Deve ser medido geralmente no segundo dia de menstruação.

Por último, quero deixar um conselho do médico: “busque informações, mas sem ansiedade, nervosismo.” É preciso saber controlar emoções, sem se entregar ao medo. Creio ser esse um dos fatores mais determinantes para enfrentar a doença. Está quase certo que tenho endometriose vaginal. Os exames de imagem confirmarão se tenho endometriose profunda. Descrevi o caminho do diagnóstico. Agora, sigo em frente no caminho da cura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário